Estudo indica prejuízo de R$ 118 bilhões ao país com a privatização de terras na Amazônia

  A conclusão é de um artigo científico publicado pelo Imazon que aponta avanço do desmatamento e perdas de bilhões de reais para os cofres públicos pela prática de cobrar abaixo do preço de mercado pelo hectare de médias e grandes posseiros que se apropriaram de áreas públicas. Por Stefânia Costa     A sociedade brasileira poderá custear subsídios na ordem de R$ 118 bilhões (7% do PIB brasileiro) na venda de médias e grandes propriedades

Planeta perde 24 bilhões de toneladas de solo fértil todos os anos, alerta ONU

  Em uma mensagem em vídeo divulgada para o Dia Mundial de Combate à Desertificação e à Seca, marcado na segunda-feira (17), o secretário-geral da ONU, António Guterres, alertou que o mundo perde anualmente 24 bilhões de toneladas de terra fértil. Além disso, a degradação da qualidade do solo é responsável por uma redução do produto interno bruto (PIB) de até 8% ao ano. “Desertificação, degradação da terra e seca são grandes ameaças

A expansão urbana desordenada e o risco de uma escassez hídrica

  A expansão urbana desordenada e o risco de uma escassez hídrica. Entrevista especial com Pedro Roberto Jacobi Por Patricia Fachin, IHU A expansão urbana desordenada ou a ocupação inadequada de áreas da cidade geram “um somatório de problemas”, que se estendem desde a falta de moradia digna até a proliferação de doenças e o agravamento da crise ambiental. Como lembra o professor Pedro Roberto Jacobi, que pesquisa a "governança global da macrometrópole paulista face  às mudanças climáticas" e coordena o

EcoDebate: Índice da edição nº 3.223, de 17/06/2019

  Revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394   A revisão 2019 das projeções populacionais da ONU para o século XXI, artigo de José Eustáquio Diniz Alves O Ocaso da Política Ambiental brasileira, artigo de Cristiana Losekann Os macacos da América do Sul são altamente vulneráveis às mudanças climáticas e enfrentam um 'risco elevado de extinção' A queda dos custos de energia renovável abre caminho para uma maior ambição climática Combustíveis fósseis ganharam R$ 85 bilhões em subsídios do

A revisão 2019 das projeções populacionais da ONU para o século XXI, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A Divisão de População da ONU disponibilizou, no dia 17 de junho de 2019, as novas projeções populacionais para todos os países, para as regiões e para o total mundial. A população mundial para 2019 foi estimada em 7,70 bilhões, devendo chegar a 7,79 bilhões em 2020 e a 8 bilhões de habitantes em 2023. Em decorrência das incertezas sobre o futuro, as projeções são apresentadas em três cenários,

O Ocaso da Política Ambiental brasileira, artigo de Cristiana Losekann

IHU "Para compreender na conjuntura atual o que está em risco na política ambiental brasileira é preciso recuperar um pouco da trajetória dessa política ao longo da história do Brasil. Eu farei essa retomada chamando atenção para o ponto que eu penso que seja o cerne das atuais propostas de mudanças e que é também aquele que caracteriza de forma marcante a política ambiental brasileira", escreve Cristiana Losekann, cientista política. Eis o artigo. Na contramão do

Os macacos da América do Sul são altamente vulneráveis às mudanças climáticas e enfrentam um ‘risco elevado de extinção’

  A pesquisa , envolvendo uma equipe internacional de cientistas, descobriu que uma grande porcentagem de primatas não-humanos - incluindo macacos, lêmures e macacos - está enfrentando aumentos substanciais de temperatura e mudanças marcantes de habitat nos próximos 30 anos University of Stirling*. A equipe, liderada pela Dra. Joana Carvalho, da Faculdade de Ciências Naturais de Stirling , concluiu que os macacos das Américas - que vivem principalmente na América do Sul tropical

A queda dos custos de energia renovável abre caminho para uma maior ambição climática

  Novo relatório da IRENA sobre custos para energia renovável reafirma as energias renováveis ​​como solução de baixo custo para impulsionar a ação climática global     A energia renovável já é a fonte de eletricidade mais barata em muitas partes do mundo atualmente, segundo o último relatório da Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA). O relatório contribui para a discussão internacional sobre o aumento da ação climática em todo o mundo, antes da

Combustíveis fósseis ganharam R$ 85 bilhões em subsídios do governo federal no ano de 2018

    # Inesc lança hoje (17), em Brasília, estudo sobre o valor concedido pelo governo aos setores de petróleo, gás e carvão, por meio de isenção de impostos, regimes especiais de tributação e até verba garantida no Orçamento; # Órgão questiona se há necessidade de tantos incentivos, pede transparência no nome das empresas beneficiadas e alerta que alguns campos de petróleo já seriam rentáveis sem os subsídios. O governo federal concedeu R$ 85

Em manifesto, organizações pedem o fim do financiamento de programas ‘policialescos’, históricos violadores de direitos humanos

    Conhecidos do público brasileiro, os chamados programas ‘policialescos’, veiculados pelo rádio ou pela televisão, são quase exclusivamente dedicados a narrar violências e criminalidades de modo sensacionalista, espetacularizando casos de violência urbana, em formato pretensamente jornalístico, com forte apelo popular. Ao se valer de sensacionalismo e violência, tais programas violam sistematicamente inúmeros direitos humanos, se aproveitam da exposição indevida da imagem de vítimas e acusados, da promoção do racismo, do machismo e

EcoDebate: Índice da edição nº 3.222, de 14/06/2019

  Revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394   O encolhimento e o empobrecimento relativo da América Latina, artigo de José Eustáquio Diniz Alves Luta pela terra, caminho de emancipação, artigo de Gilvander Moreira Maior Usina Solar do Brasil será instalada em Pernambuco Sobre o tal 'marxismo científico'; análise de Luiz Marques (IFCH/Unicamp) Caminhada em Pernambuco rechaça energia nuclear - Marandiba, 15/6 Pesquisa Idec/USP alerta para alimentos que são rotulados como 'zero gordura trans', mas contêm o ingrediente   [CC BY-NC-SA 3.0][

O encolhimento e o empobrecimento relativo da América Latina, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  [EcoDebate] A América Latina e Caribe (ALC) ganhou destaque na economia mundial depois do processo de descolonização ocorrido na primeira metade do século XIX. O primeiro país a fazer a independência foi o Haiti. Depois veio o México. Simon Bolívar garantiu a independência da Venezuela e foi homenageado na independência da Bolívia. O Brasil foi o último (dos grandes) a fazer a independência, o último a acabar com a escravidão

Top