licenciamento ambiental: Uma questão de bom senso? por Mayron Régis

O licenciamento de uma hidrelétrica ou de um gasoduto depende muito do "bom senso" da parte do órgão licenciador. Por quase dez minutos, durante a reunião sobre procedimentos do licenciamento ambiental, da qual participavam membros do GT Energia, Ibama, MMA, ANA, EPE e MME, as atenções se voltaram para as observações levantadas pelo professor Artur Moret, do GT Energia, e respondidas por um analista ambiental do Ibama, sobre quais

O que mudou na Norma NBR ISSO 14001 com Versão 2004, por Antonio de Souza Gorgonio, Carmem Silvia Treuherz Salomão, Damião Maciel Guedes e Robson de Oliveira Nogueira

A norma objeto deste artigo, em geral, é utilizada por especialistas que a conhecem e a aplicam no seu dia-a-dia. Com o crescente interesse da classe empresarial de todos os ramos de atividade na melhoria de seu desempenho ambiental, torna-se cada vez mais relevante o conhecimento e o entendimento dessa ferramenta de trabalho. 2376

Terras Indígenas conservam a biodiversidade em quase 3,5 milhões de hectares de florestas

As Terras Indígenas funcionam como barreiras ao desmatamento na Amazônia, impedindo a destruição de quase 3,5 milhões de hectares de florestas. Um total de 74% das Terras Indígenas possui taxas de desflorestamento menores do que as áreas do entorno. As informações constam no "Diagnóstico sobre Terras Indígenas Ameaçadas na Amazônia" realizado pela Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira (Coiab), através de seu Departamento Etnoambiental. 2380

Manejo será muito importante na matriz de produção familiar na Amazônia, diz diretor de Florestas

O relatório do Programa Amazônia, que está sendo discutido por representantes do governo e da sociedade civil, indica que o objetivo do plano é contribuir para o desenvolvimento da Amazônia, com ações que promovam a proteção e o uso sustentável dos recursos naturais e valorizem a diversidade biológica e cultural. Por Alessandra Bastos, da Agência Brasil 2379

Programa Amazônia vai fornecer base para o desenvolvimento sustentável da região, diz coordenadora

A primeira etapa do Programa Amazônia, que vai definir estratégias locais de desenvolvimento sustentável, deve ser concluída hoje (15), após o período de discussão entre representantes do governo e da sociedade civil. A secretária de Coordenação da Amazônia do Ministério do Meio Ambiente, Muriel Sagusse, uma das coordenadoras do programa, disse que ele deve estar em pleno funcionamento em 2008, quando termina o Programa Piloto para as Florestas Tropicais Brasileiras

Passivo ambiental da Ingá ameaça futuro de Sepetiba

Vista da área contaminada com metais pesados da fábrica de zinco metálico operada pela falida Ingá Mercantil, em Itaguaí, na região da Baía de Sepetiba Em janeiro, em um dos temporais que caíram sobre o Rio, quinze milhões de litros de água contaminada vazaram do lago poluído por rejeitos de metais pesados da falida Companhia Mercantil e Industrial Ingá, produtora de zinco e sulfato de zinco do município de Itaguaí,

Baixo Parnaiba: chão das vozes e das árvores, por Mayron Régis

De estatura mediana, certos pequenos proprietários e agricultores familiares do Baixo Parnaíba maranhense retardam ao máximo as saídas das suas vozes – o Cerrado, augustamente, sonoriza o pé ante-pé da gente – na reserva de que elas não se evaporarão e na esguelha de uma má-interpretação quando saírem. Um casal de São João dos Pilões, povoado de artesãos, no município de Brejo, envelhecera e empobrecera muito pouco esculturando peças em

Baixo Parnaíba: nova fronteira da soja, por Mayron Régis

A soja está avançando numa nova fronteira agrícola: o leste do estado do Maranhão. Para formar suas lavouras, muitos agricultores derrubam o cerrado de forma ilegal. Os tratores arrastam correntes chapada adentro e esmagam o cerrado. Arrancam árvores pela raiz. O ritmo do desmatamento no Baixo Parnaíba aumentou com o avanço das lavouras de soja. Em cinco anos foram derrubados 20 mil hectares de cerrado só nos municípios de Chapadinha,

Transposição do rio São Francisco: a mágica da multiplicação dos volumes, por João Suassuna

O projeto de transposição do rio São Francisco vem sendo discutido desde meados do século XIX. Durante todo esse período ele não tem prosperado devido a problemas políticos, financeiros e técnicos, sendo esses últimos, no nosso ponto de vista, os mais significativos deles. O fato é que, devido aos múltiplos usos aos quais está sendo submetido e a uma pobreza hídrica de grande monta que as autoridades teimam em não

Os governos e a edução ambiental, por Jorge Gerônimo Hipólito

"A Educação Ambiental é fator preponderante no contexto 'desenvolvimento e qualidade de vida'; percebe-se, entretanto, não ter havido preocupação mais contundente em relação ao desenvolvimento. Em conseqüência, milhões de brasileiros vivem abaixo da linha de pobreza. Nota-se, também, que o homem tem a informação, no entanto, não consegue tomar a iniciativa de mudar seu comportamento. 2386

Top