Conferência ‘Adaptation Futures 2014’ discute erros e acertos na adaptação às mudanças climáticas

    Participantes do Adaptation Futures 2014, em Fortaleza, vão redigir relatório e levar conclusões aos formuladores de políticas públicas   Comunidades de diferentes partes do mundo estão colocando em prática planos de adaptação às mudanças climáticas, cujos efeitos – como a elevação do nível do mar e o aumento na frequência de enchentes, estiagens, ondas de frio e calor intenso – começam a ser sentidos pela humanidade e tendem a se intensificar nos

Sociedade tem que mudar padrão de consumo e comportamento, defende IPCC

    A vice-presidente do Grupo de Mitigação do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), Suzana Kahn, disse, na terça-feira (29), que apenas o emprego da tecnologia não vai resolver os problemas decorrentes das mudanças climáticas. Para ela, se a humanidade quiser limitar o aumento de temperatura a 2 graus Celsius até 2100, é preciso mudar o padrão de consumo e de comportamento. “A tecnologia pura e simples não vai resolver o problema.

As limitações da ONU: CPD versus IPCC, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] Dividir e separar a discussão sobre população, desenvolvimento e meio ambiente é não só um erro conceitual e prático, como um precedente que abre espaço para todo tipo de esquizofrenia. No passado, a ONU, pressionada pelas divergências geopolíticas da Guerra Fria, seccionou estes três temas realizando a Conferência sobre Meio Ambiente Humano, em Estocolmo (1972) e a Conferência Mundial de População, em Bucareste (1974). Nas Conferências seguintes a divisão

Demora na tomada de decisões encarece mitigação da mudança climática, diz IPCC

    Todos os cenários de mitigação dos impactos das mudanças climáticas apresentadas no domingo (13/04) pelos cientistas do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, na sigla em inglês), da Organização das Nações Unidas (ONU), passam pela redução das emissões de gases do efeito estufa e por investimentos em tecnologias capazes de sequestrar o carbono já emitido. Se a humanidade quiser impedir que a temperatura do planeta suba, até o fim do século,

Cientistas apontam saídas para desastre climático global

  Estudo de especialistas da ONU mostra que planeta ainda pode reverter previsões sombrias de catástrofes naturais. Para isso, emissões de gás do efeito estufa precisam ser reduzidas a no mínimo 40% até 2050. Apesar de todos os esforços globais para tentar reduzir a emissão de CO2 prejudicial ao clima, a liberação de gases causadores do efeito estufa teve maior aumento entre os anos 2000 e 2010 do que em

Conheça os principais pontos do relatório do IPCC para reduzir emissões de CO2

    Estes são os principais pontos do relatório do Painel Intergovernamental de Especialistas sobre Mudança Climática (IPCC) divulgado neste domingo. Matéria da AFP, no UOL Notícias. Principais conclusões -Não é tarde demais para alcançar o objetivo da ONU de limitar a 2ºC no aumento da temperatura média do planeta, em relação aos níveis anteriores à era industrial. -Para 'provavelmente' conseguir essa meta (probabilidade de 66%), o nível de gases de efeito estufa na atmosfera

Países membros do Painel da ONU sobre a Mudança Climática (IPCC) aprovam relatório sobre clima

    Segundo o relatório do IPCC divulgado em 31 de março, o aumento das emissões de CO2 elevará durante este século os riscos de conflitos, fome, enchentes e migrações. Representantes dos países membros do Painel da ONU sobre a Mudança Climática (IPCC) aprovaram neste sábado um relatório com várias opções para enfrentar as emissões de gases de efeito estufa. Matéria da AFP, no Yahoo Notícias. Este documento do IPCC é o resultado de

Em defesa do IPCC, artigo de Heitor Scalambrini Costa

    [EcoDebate] O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, da sigla em inglês) foi criado em 1988 pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização Metereológica Mundial (OMM), e se tornou uma das referências mais citadas nas discussões sobre mudança climática. Em 2007, o IPCC dividiu o premio Nobel da Paz com o ex-vice-presidente americano, Al Gore, pelo trabalho de ambos na conscientização da comunidade e das lideranças mundiais para

IPCC reconhece desigualdade como chave para o risco climático. Mas é preciso ir muito além, análise de Alexandre Costa

  No ano passado, o Painel Intergovernamental sobre Mudança Climática (o IPCC, da sigla em inglês) deu início à divulgação do seu 5º Relatório de Avaliação (ou AR5), começando pelo trabalho do “Grupo I”, que trata das bases físicas da mudança no clima. Esta semana, essa divulgação teve continuidade, com a publicação do Sumário dos trabalhos do “Grupo II”, que lida com “impactos, adaptação e vulnerabilidade”. É comum a esquerda negligenciar esta

Impactos das Mudanças Climáticas: entra em cena o WG-II do IPCC, análise de Alexandre Costa

  Para os que ainda não são familiares com a estrutura e funcionamento do Painel Intergovernamental sobe Mudanças Climáticas, o IPCC, lembro que ele inclui três grupos, que lidam respectivamente com as "Bases Físicas da Mudança Climática" (o WG-I, ou 1º grupo), "Impactos, Vulnerabilidade e Adaptação" (o WG-II, ou 2º grupo) e com Mitigação, ou seja, soluções para reduzir as emissões e diminuir o peso dos impactos sobre a sociedade (o

‘Chegou o tempo de agir’, afirma José Marengo, do Inpe, pesquisador que integra o IPCC

  José Marengo, do Inpe, único autor brasileiro do sumário para formuladores de políticas do relatório do painel sobre impactos das alterações do clima, afirma que países não têm mais tempo e precisam se adaptar às mudanças (foto:Eduardo Cesar)   Países de diversas partes do mundo já enfrentam crises climáticas mas não têm conseguido se adaptar às variações do clima, de modo a proteger suas populações. E é preciso agir rápido. As conclusões são

Países precisam de medidas urgentes de adaptação às mudanças climáticas, diz IPCC

    Os efeitos das mudanças climáticas já são percebidos e sentidos em diversos países e regiões do mundo, inclusive no Brasil. É necessário, portanto, que os governos comecem a implementar de forma urgente medidas de mitigação e adaptação para diminuir a vulnerabilidade de suas populações e de setores econômicos às variações do clima. As conclusões são do Sumário para Formuladores de Políticas (SPM) do Relatório sobre Impactos, Adaptação e Vulnerabilidades às Mudanças

Top