O IPCC apenas confirma o que a natureza já avisava

 

Mudanças climáticas

O IPCC apenas confirma o que a natureza já avisava, artigo de Rogério Aparecido Machado

Em recente relatório emitido pelo IPCC, o que era previsto está de fato acontecendo, causando apreensão total do futuro climático do planeta

Na longínqua década de 1970, tivemos o primeiro encontro oficial da ONU para discutir algo que, para muitos, era um futuro de ficção científica. A poluição foi destacada e as previsões um tanto catastróficas, não agradaram a maioria dos políticos, que sendo leigos e dependendo do espectro político, tinham certeza de que políticas ambientais não iriam agradar o eleitorado.

Lamentavelmente, não era ficção científica, era a realidade de anos de poluição sem controle ao preço de ter desenvolvimento com intuito de bem-estar e, obviamente, ganho financeiro.

Nos anos 1990, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC, em inglês), recém-criado pela ONU, já citava e enfatizava que as emissões gasosas nocivas deviam diminuir muito para que o clima mundial não sofresse alterações catastróficas. Isso parece que não foi tão percebido pela maioria dos países, pois este tipo de poluição só aumentou no planeta.

Agora em recente relatório emitido pelo IPCC, o que era previsto está de fato acontecendo, causando apreensão total do futuro climático do planeta.

Numa visão mais simplista da realidade, por que estamos nesta situação? Porque é mais barato manter o que se já tem, como motores a combustão e processos industriais produtivos poluentes, do que mudar radicalmente para outras forma de produção e locomoção.

Quem deveria ter interesse total nesta mudança? Os responsáveis – políticos – indicados para representar as pessoas que habitam o planeta.

Surgem então, como dúvidas, os seguintes pontos: estas pessoas estão interessadas em mudar; possuem conhecimento real da situação; e são assessoradas por pessoas que realmente conhecem a situação e tem poder de influenciar alguma decisão?

É muito estranho achar que as enchentes colossais na Europa é algo previsível pelo conhecimento passado; e ainda mais os incêndios da forma como estão acontecendo, como se fosse algo normal dos anos anteriores. Temos que ter muito cuidado com dados do passado, pois segundo consta, temos terremotos que estão desobedecendo a lógica e estão atrasados, como o previsto para Califórnia nos EUA.

O que nos leva a crer que não estamos numa ciência completamente exata e previsível. A Natureza vem nos avisando que precisamos aprender a lidar com o que fazemos, e mais, não podemos ser irresponsáveis a ponto de achar que tudo se resolve por si só, ou seja, a Natureza se ajeita com seu equilíbrio.

Apenas lembrando uma “lei” que é utilizada na física, química e até em outras áreas, como na religião: “A toda ação temos uma reação”. A Natureza está sofrendo uma ação e está reagindo, mas não deixando de avisar a todos.

Rogério Aparecido Machado, professor de Química e Meio Ambiente na Universidade Presbiteriana Mackenzie

 

Nota da Redação EcoDebate: sobre o mesmo tema sugerimos que leia, também:

Relatório do IPCC alerta que estamos perdendo para as mudanças climáticas

O futuro cada vez mais incerto das economias carbonizadas

Aquecimento global deve causar aumento generalizado da temperatura no Brasil

O relatório do IPCC e a gravidade da crise climática

Novo relatório do IPCC é ultimato para governos e empresas

Questões importantes na análise do Relatório IPCC AR6 WGI

Relatório do IPCC aumenta responsabilidade da COP26 e pressão sobre o Brasil

IPCC relata que as mudanças climáticas são reais – Conheça as principais conclusões do relatório

Relatório do IPCC: ciclo hidrológico está se intensificando com o aquecimento do clima

Relatório do IPCC: mudanças profundas estão em andamento nos oceanos e no gelo da Terra

IPCC AR6 WGI – Síntese principais conclusões do relatório

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 12/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top