Relatório do IPCC reforça a influência humana nas mudanças climáticas

 

Relatório do IPCC reforça a influência humana nas mudanças climáticas, artigo André Frota

As proposições apresentadas pelo relatório deixam claro a contribuição humana para o aquecimento da atmosfera, a escala sem precedentes dessa alteração, e os efeitos já observados do aquecimento

A primeira parte do documento de maior repercussão científica para estabelecer os parâmetros das negociações internacionais sobre o clima global foi divulgado no dia 07 de agosto de 2021. “The physical science basis”, relatório que compõe o grupo de três documentos que formam o “Assessment Report” de número seis (AR-6), atualiza o estado da arte a respeito da condição atual, dos impactos e dos riscos futuros, associados ao aquecimento da atmosfera.

O AR-6 é um dos produtos elaborados pelo Painel Intergovernamental sobre Mudança do Clima (IPCC). O IPCC é dividido em três grupos de trabalho: o primeiro, atua com a elaboração do relatório sobre a base física do clima, citado acima; o segundo, com os impactos, a adaptação e a vulnerabilidade dos ecossistemas; e o terceiro com as medidas necessárias a mitigação das mudanças. Cada um dos grupos de trabalho produz uma parte do AR-6, que reunirá todos os relatórios em uma versão combinada em setembro de 2022.

A primeira constatação a respeito do estudo é a composição multicontinental e multidisciplinar dos autores. São centenas de pesquisadores das principais universidades e centros de pesquisa espalhados pelo mundo. Esse esforço global e combinado de produção científica, resultará nos documentos citados, iniciando pelo recém-publicado relatório da base física do clima. O texto pode ser resumido pela elaboração de quatro cenários futuros para o aumento da temperatura média da atmosfera: 1.5ºC, 2ºC, 3ºC e 4ºC, a depender das medidas que forem tomadas, e três proposições já existentes.

A primeira das três proposições reforça a influência do ser humano diretamente nas ações que resultaram no aquecimento da Terra, dos oceanos e continentes, constatadas pelas mudanças rápidas e generalizadas na atmosfera, oceanos, criosfera e biosfera. A segunda mostra que “a escala das mudanças recentes ao longo de todo sistema climático e o estado atual do sistema climático em muitos aspectos são sem precedentes em relação aos últimos séculos e milhares de anos”. E por último “mudanças climáticas induzidas pela atividade humana já estão afetando muitos eventos climáticos e atmosféricos extremos em cada região ao longo do globo, como ondas de calor, precipitações intensas, secas, ciclones tropicais com evidências desde o último relatório AR-5.

Juntas, as proposições apresentadas pelo relatório deixam claro a contribuição humana para o aquecimento da atmosfera, a escala sem precedentes dessa alteração, e os efeitos já observados do aquecimento. São três afirmações que possuem o lastro dessa rede global de pesquisa, formada por centenas de centros e universidades espalhadas pelo mundo.

O tamanho desse esforço científico e as constatações aqui resumidas, divulgam o estado da arte sobre o assunto, bem como a força dos argumentos científicos em relação ao aquecimento da atmosfera. Os cenários mais brandos de aquecimento, dependem das emissões de carbono serem zeradas até a metade do século. Resta a nós, enquanto cidadãos, e, especialmente, a classe política compreender esses argumentos e agir em resposta a e eles.

(*) André Frota é professor de Relações internacionais e Geociências do Centro Universitário Internacional – Uninter.

Nota da redação EcoDebate: Sobre o mesmo tema, sugerimos que leia, também:

IPCC AR6 WGI – Síntese principais conclusões do relatório

Relatório do IPCC: mudanças profundas estão em andamento nos oceanos e no gelo da Terra

Relatório do IPCC: ciclo hidrológico está se intensificando com o aquecimento do clima

IPCC relata que as mudanças climáticas são reais – Conheça as principais conclusões do relatório

Relatório do IPCC aumenta responsabilidade da COP26 e pressão sobre o Brasil

Questões importantes na análise do Relatório IPCC AR6 WGI

Novo relatório do IPCC é ultimato para governos e empresas

O relatório do IPCC e a gravidade da crise climática

Aquecimento global deve causar aumento generalizado da temperatura no Brasil

O IPCC apenas confirma o que a natureza já avisava

O futuro cada vez mais incerto das economias carbonizadas

Relatório do IPCC alerta que estamos perdendo para as mudanças climáticas

Ultrapassar pontos de não retorno aumentaria impactos econômicos da mudança climática

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top