DETER/INPE registra em maio 1.102,57 km² de alertas de desmatamento e degradação na Amazônia Legal

  O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registrou em maio 1.102,57 km² de áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia Legal. As informações são do DETER, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real, que é baseado em imagens de satélites e destinado a orientar a fiscalização em campo, feita pelos órgãos competentes. Considerando somente os alertas do tipo desmatamento, onde já houve a remoção completa da cobertura

Desmatamento no Cerrado é de 6.657 km2, no período de agosto de 2017 a julho de 2018

  Desmatamento no Cerrado - O resultado do mapeamento no bioma Cerrado, realizado pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), aponta 6.657 km2 de desmatamento no período de agosto de 2017 a julho de 2018. INPE Por meio do projeto chamado PRODES Cerrado, foram analisadas 118 imagens do satélite Landsat 8/OLI para registrar e quantificar as áreas desmatadas maiores que 1 hectare. O PRODES Cerrado considera como desmatamento a supressão da vegetação nativa, independentemente da futura

INPE estima 7.900 km2 de desmatamento por corte raso na Amazônia em 2018, aumento de 13,72% em relação a 2017

  A taxa estimada pelo Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (PRODES), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), corresponde a 7.900 km2 de corte raso no período de agosto de 2017 a julho de 2018. A estimativa do PRODES 2018 indica um aumento de 13,72% em relação a 2017, quando foram apurados 6.947 km2. Este valor é 71,6% menor que a taxa registrada em 2004, ano em que

INPE divulga dados sobre o desmatamento do bioma Cerrado

  INPE O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) apresenta resultados do PRODES Cerrado, que mapeia o desmatamento em toda a extensão deste bioma. Este projeto construiu uma séria histórica bienal para o período de período 2000 a 2012 e anual para os anos de 2013 a 2017. O PRODES Cerrado recebeu investimentos do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovação e Comunicações (MCTIC), Ministério do Meio Ambiente (MMA) e Programa de Investimento Florestal (FIP),

Dados do Inpe revelam que queimadas em áreas florestais e de lavoura aumentam 52% este ano

  ABr Desde o início do ano, foram registrados cerca de 216 mil focos de incêndios em áreas florestais e de lavoura em todo o país, de acordo com informação do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Com isso, o número de focos de incêndio entre janeiro e junho deste ano já é 52% maior do que o registrado no mesmo período de 2017. Os três estados com o maior número de queimadas

Amazônia: Área desmatada registrada pelo PRODES 2016 indica uma taxa de aumento de 27% em relação a 2015

  INPE apresenta dados consolidados do PRODES 2016 A consolidação da medida da área de desmatamento na Amazônia do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (PRODES), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), foi finalizada com o cálculo de 7.893 km2 de corte raso no período de agosto de 2015 a julho de 2016. A área desmatada registrada pelo PRODES 2016 indica uma taxa de aumento de 27% em

INPE estima 7.989 km2 de desmatamento por corte raso na Amazônia em 2016, um aumento de 29% em relação a 2015

  INPE A estimativa da taxa de desmatamento na Amazônia do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (PRODES), do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), foi finalizada e aponta a taxa de 7.989 km2 de corte raso no período de agosto de 2015 a julho de 2016. A taxa de desmatamento estimada pelo PRODES 2016 indica um aumento de 29% em relação a 2015, ano em que foram medidos

Desmatamento na Amazônia sobe 24% em 2015, mostram dados do Prodes/Inpe

    O desmatamento na Amazônia Legal aumentou 24% de agosto de 2014 a julho de 2015, em relação ao período anterior, de agosto de 2013 a julho de 2014. Essa é a maior taxa nos últimos quatro anos. Os dados consolidados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite (Prodes) de 2015 foram divulgados hoje (5) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e apontam a derrubada de

Alertas do DETER/INPE estimam 2.013 km² de corte raso na Amazônia entre maio e julho

  Nos meses de maio, junho e julho, os alertas de alteração na cobertura florestal por corte raso ou degradação na Amazônia somaram 2.993 km². Deste total, estima-se que 2.013 km² são de áreas de desmatamento por corte raso e 884 km² correspondem à degradação florestal, além de 56 km2 de desmatamentos não confirmados, conforme registro do DETER, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real do Instituto Nacional de

Com tempo quente e seco, Brasil tem 65% a mais de queimadas em 2016, alerta Inpe

  Tempo quente e seco pode agravar a situação se as ações de fiscalização não forem intensificadas. Focos de incêndio já triplicaram no Acre, onde a estiagem pode levar o rio ao nível mais baixo da história.     O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), unidade de pesquisa do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações, registrou, até 5 de agosto, mais de 53 mil focos de queimadas e incêndios florestais no país,

Sistema de alta tecnologia é usado para o monitoramento de focos incêndio e queimadas no País

  O Brasil conta com um sistema autoral e de alta tecnologia para o monitoramento de focos incêndio e queimadas. O acompanhamento é feito a partir de metodologia desenvolvida pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), que é responsável por realizar levantamentos de dados relacionados ao uso do fogo em áreas de vegetação no País.   “Acredito que nenhum outro país tenha algo tão efetivo quanto temos no Brasil. No momento, trabalhamos com

Alertas do DETER/INPE estimam 618 km² de corte raso na Amazônia entre fevereiro e abril

  Durante o trimestre de fevereiro, março e abril de 2016, os alertas de alteração na cobertura florestal por corte raso e/ou degradação na Amazônia somaram 1.092 km². Deste total, estima-se que 618 km² são de áreas de desmatamento por corte raso e 441 km² correspondem à degradação florestal, além de 33 km2 de desmatamentos não confirmados, conforme registro do DETER, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real do

Top