Moratória da soja precisa ser estendida para o Cerrado, defendem pesquisadores

    Elton Alisson, de São Pedro (SP)  |  Agência FAPESP – A implementação, em 2006, de um acordo entre a sociedade civil, agroindústrias e o governo para coibir a comercialização da soja proveniente de áreas desmatadas na Amazônia brasileira permitiu deter a expansão da produção da commodity naquele bioma sobre a floresta. Em contrapartida, o problema foi transferido para o Cerrado, onde a conversão de vegetação nativa em plantações do grão

Tendência de aumento no desmatamento na Amazônia é confirmada pelo Imazon

  Por Stefânia Costa Entre agosto de 2018 e junho de 2019, o Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), divulgado pelo Imazon, detectou 3.767 km² de desmatamento na Amazônia Legal, um aumento de 4% em relação ao período anterior. Desse total, 801 km² foram destruídos em junho de 2019. Pesquisadores do Imazon identificaram 7.177 alertas de desmatamento no mês. Amazonas e Pará lideram o ranking de junho com 30% e 26% do total

Desmatamento e caça ameaçam o macaco-barrigudo, um dos maiores primatas da Amazônia

  Macaco-barrigudo, primata da Amazônia, pode perder até 59% de habitat nos próximos 40 anos, aponta estudo Júlia de Freitas, Instituto Mamirauá De cabeça arredondada e pelagem escura, o macaco-barrigudo (Lagothrix cana), um dos maiores primatas da Amazônia, corre o risco de perder cerca de 59% de seu habitat até 2050 caso sigam altos os níveis de desmatamento, problema que, seguido da caça, mais ameaça a espécie.   A pesquisa que identificou esses dados demonstra

DETER/INPE: As áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia Legal somaram 2.072,03 km² no mês de junho de 2019

  Alertas do DETER na Amazônia em junho somam 2.072,03 km² INPE As áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia Legal somaram 2.072,03 km² no mês de junho de 2019, segundo os dados registrados pelo DETER, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (DETER) do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE). Baseado em imagens de satélites de observação da Terra, o sistema DETER é destinado a orientar a fiscalização em

Pelo menos 50 milhões de hectares de floresta terão sido destruídos no mundo para a produção de commodities entre 2010 e 2020

    Cargill, Bunge, Unilever, Mars, Nestlé, Burger King e outras mantém soja proveniente do desmatamento do Cerrado em suas cadeias de produção Do Greenpeace Pelo menos 50 milhões de hectares de floresta - o equivalente a uma área quase do tamanho de Minas Gerais - terão sido destruídos no mundo para a produção de commodities entre 2010 e 2020, período no qual empresas se comprometeram a acabar com o desmatamento em suas cadeias

DETER/INPE registra em maio 1.102,57 km² de alertas de desmatamento e degradação na Amazônia Legal

  O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registrou em maio 1.102,57 km² de áreas de alerta de desmatamento e degradação na Amazônia Legal. As informações são do DETER, o Sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real, que é baseado em imagens de satélites e destinado a orientar a fiscalização em campo, feita pelos órgãos competentes. Considerando somente os alertas do tipo desmatamento, onde já houve a remoção completa da cobertura

Imazon: Desmatamento na Amazônia aumentou 20% entre agosto de 2018 e abril de 2019

  Por Stefânia Costa O Boletim do Desmatamento (SAD) detectou altos índices de desmatamento na Amazônia Legal. No período acumulado, que compreende agosto de 2018 a abril de 2019, foram perdidos 2.169 km² de floresta. Esse número representa um aumento de 20% da área desmatada em relação ao mesmo período no ano anterior. Pará (787 km²), Mato Grosso (502 km²) e Amazonas (353 km²) foram os estados que mais desmataram nestes nove

Imazon detecta aumento de 24% no desmatamento da Amazônia

  Desmatamento na Amazônia Legal aumenta 24% entre agosto de 2018 e março de 2019 Por Stefânia Costa O SAD detectou um aumento de 384 km² de desmatamento na Amazônia Legal entre agosto de 2018 a março de 2019 em relação ao período anterior (agosto de 2017 a março de 2018). O número representa um aumento de 24% na destruição das florestas nos oito primeiros meses do atual calendário do desmatamento. Pará (755

Indonésia: Uma saga de óleo de palma, conflito internacional e destruição de florestas

  Em setembro do ano passado, o presidente indonésio Jokowi impôs uma moratória sobre novas plantações de dendezeiros - um fator-chave para a destruição da floresta naquele país de mega-biodiversidade. Embora apenas parcialmente eficaz, a iniciativa de Jokowi foi aplaudida por conservacionistas e cientistas em todo o mundo. Mas agora, apenas seis meses depois, Jokowi está ameaçando renegar sua muito elogiada moratória. Por quê? Por ALERT (ALERT-conservation.org)   DESMATAMENTOS INTENSIVOS A ameaça de Jokowi é assustadora, dada

Uso e ocupação do solo da microrregião de Ariquemes: fatores do desmatamento, por Edson Resende Filho, Käthery Brennecke, Liandra M. A. Bertipaglia e Sarah Sgavioli

Uso e ocupação do solo da microrregião de Ariquemes: fatores do desmatamento1. Edson Resende Filho2*, Käthery Brennecke2, Liandra M. A. Bertipaglia2 e Sarah Sgavioli2 1 Parte da dissertação do primeiro autor 2 Programa de Mestrado em Produção Animal da Universidade Brasil, campus Descalvado, SP *edsonresendef@gmail.com A colonização do estado de Rondônia ocorreu por meio de implementação de políticas públicas e programas governamentais, o que impulsionou a economia regional e o desenvolvimento da pecuária no estado.

Relatório do Imazon aponta que 60% das áreas madeireiras exploradas no Pará são ilegais

  Estudo indica que a maior parte da exploração madeireira no Pará não possui autorização Por Stefânia Costa O Imazon divulgou o novo relatório do Sistema de Monitoramento da Exploração Madeireira (Simex) no Pará que apresenta os dados do período de agosto de 2016 a julho de 2017. Os resultados apontaram que um total de 54.424 hectares (cerca de 54 mil campos de futebol) de florestas foram explorados pela atividade madeireira no período

O desmatamento da floresta amazônica pode acelerar como resultado da guerra comercial EUA-China, alertaram os pesquisadores

  Desmatamento da floresta amazônica O aumento das tarifas fez com que as exportações de grãos de soja dos EUA para a China caíssem pela metade em 2018, criando um enorme déficit que poderia desencadear um extenso corte de árvores no Brasil, dizem especialistas. University of Edinburgh, School of Geosciences*     O estudo, da Universidade de Edimburgo e Instituto de Tecnologia de Karlsruhe, adverte que o Brasil estará sob pressão para fornecer até 38 milhões

Top