A doença como metáfora, artigo de Montserrat Martins

  [EcoDebate] Análise profunda sobre como doenças graves (câncer, AIDS) são vistas em nossa cultura, “A doença como metáfora”, de Susan Sontag, deveria ser lido por todos que se interessam em compreender o ser humano e a sociedade. Carregado de conotações pejorativas no imaginário popular, suscita crenças milenares que vão do “castigo divino” até interpretações do tipo “alguma ele fez”, conotações que culpam o doente pela doença, para alívio psicológico dos que

O livro do ano, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] O livro mais vendido no Brasil em 2018 foi “A sutil arte de ligar o foda-se", donde se conclui que a maior necessidade dos brasileiros é se libertar da opinião dos outros sobre a sua vida. O autor é um jovem blogueiro norte-americano de 34 anos, Mark Manson, que contesta os padrões estabelecidos, tais como as pressões sociais para termos “status”. Com o subtítulo “uma estratégia inusitada para uma vida melhor”

Frida, as formigas e 2019, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] Frida Kahlo era casada com o pintor Diego Rivera, amigo do Trotsky e os dois ‘pegavam’ a Frida. - A Frida pegava os dois, você quer dizer. - Isso. Meu amigo me contava a série que passa na TV sobre a vida de Trotsky, que após a vitória da Revolução Russa foi promover a “revolução permanente” em outros países até ser morto no México a mando de Stálin. Qual a relevância de

O Natal ao longo dos tempos, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] Cena marcante, para mim, foi o adolescente que revelou ter roubado “para comprar presentes de Natal pra minha família”. Faz parte da minha profissão, psiquiatra forense, ouvir jovens infratores para avaliar seu psiquismo e suas motivações. Como o Natal, que deveria representar valores espirituais, se tornara motivo para um roubo à mão armada? De aniversário de Jesus Cristo e sua mensagem de amor e humildade, o Natal se transformou na

Livrai-nos do Mala Man, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] O mundo precisa de amor, mas também de interpretação de texto. Na retrospectiva de fim de ano, 2018 será lembrado como o ano dos maniqueísmos, das brigas de família por política, das acusações de parte a parte. “Numa guerra a primeira vítima é a verdade”, já disseram, ninguém parecia interessado em pesquisar os fatos, todos envolvidos em repassar qualquer versão que atacasse adversários. Tem aquela da criança que tinha medo

‘Rebaixado’ a jogar nos Estados Unidos, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] Meus votos para os amigos em 2019 é que tenham a mesma sorte do Bressan, que ao entrar em baixa na profissão teve como “castigo” ir morar nos States. Uma das delícias do futebol é essa mesmo, subverter todas as outras lógicas. Pois o Bressan, desvalorizado por suas falhas, teve como “rebaixamento” de sua carreira o destino de ir jogar em Dallas, nos Estados Unidos, no próximo ano. O futebol

Médicos e Professores, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] O Professor Pedro Oliveira sofreu ao revisar o meu livro “Em busca da Alma do Brasil”, pois a minha proposta era de um “livro falado”, de escrever como as pessoas falam, sem formalismos acadêmicos. O plural correto de “barzinho”, por exemplo, é “barezinhos” e não “barzinhos”, como se diz. O Professor Pedro foi suportando as escolhas do autor, até que um dia desabafou: “Está certo que seja um livro

A mãe do Rei, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] Uma lição que não esqueço eu aprendi na casa de primos, no interior, onde eu estava passando o Natal. Num certo momento achei uma brincadeira de mau gosto (zombando das crenças dos outros) e disse isso para o marido da prima, que me respondeu assim: “Eu sou uma pessoa simples e as minhas brincadeiras são simples”. Quem era eu para julgar as brincadeiras dos outros? Mas é isso que fazemos

Tentando ser feliz, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] “Não me arrependo”, disse uma jovem que, derrotada no concurso “Miss Bumbum”, arrancou a faixa da vencedora e levou a faixa roubada para casa. Ela se auto-intitulou “Miss Bumbum Barraco” e diz que fez isso “para denunciar que o concurso era roubado”. Está na moda debater a onda de agressividade, a raiva e o ódio nas redes sociais, na internet e na sociedade toda. Mas o que era agressivo, desrespeitoso

Bom para o Brasil, artigo de Montserrat Martins

  Bom para o Brasil é que cada governo faça o melhor que puder e melhore a vida dos mais de 200 milhões de brasileiros [EcoDebate] Bom para o Brasil é que cada governo faça o melhor que puder e melhore a vida dos mais de 200 milhões de brasileiros, entre os quais há 60 mil mortos ao ano vítimas da violência e pelo menos 11 milhões de favelados, dentre os cerca

A fala do Presidente eleito, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] A fala de um Presidente da República eleito é de grande importância, embora muitos contestem que são “apenas palavras”. Palavras são importantes, sim, pois também são gestos, apontam caminhos, nos relacionamentos – e na vida pública, mais ainda. Depois de uma eleição conturbada com acusações recíprocas, contundentes, a fala do Presidente eleito foi como deveria ser, prometendo respeito à Constituição e as leis e sua dedicação a governar para todos,

As propagandas eleitorais e os apelos psicológicos, artigo de Montserrat Martins

    [EcoDebate] As propagandas eleitorais são apelos psicológicos aos eleitores para lhes infundir medo nos candidatos adversários, mais que apontar virtudes do próprio candidato. No whatsapp e outras redes sociais, infundir o medo é a prática principal dos candidatos a presidente, e em algum grau também nas campanhas estaduais. A preponderância do “falar mal do outro” sobre o “falar bem de si” vem do descrédito na política, onde é difícil acreditar em

Top