Estudo relaciona emissões de gases de efeito estufa e aumento do nível do mar

 

Estudo relaciona emissões de gases de efeito estufa e aumento do nível do mar

New link between greenhouse gases and sea-level rise

Técnicas avançadas de modelagem oceânica revelam como as emissões de gases de efeito estufa contribuem para oceanos mais quentes e o derretimento resultante do manto de gelo da Antártida Ocidental.

British Antarctic Survey (BAS)*

Um novo estudo dos cientistas Kaitlin Naughten e Paul Holland, da British Antarctic Survey (BAS), fornece a primeira evidência de que o aumento dos gases de efeito estufa tem um efeito de aquecimento de longo prazo no Mar de Amundsen, na Antártida Ocidental.

A perda de gelo do manto de gelo da Antártida Ocidental no Mar de Amundsen é uma das contribuições de crescimento mais rápido e mais preocupantes para o aumento global do nível do mar. Se a camada de gelo da Antártida Ocidental derreter, o nível global do mar pode subir até três metros. Os padrões de perda de gelo sugerem que o oceano pode estar aquecendo no Mar de Amundsen nos últimos cem anos, mas as observações científicas da região só começaram em 1994.

Infográfico mostrando o fortalecimento das correntes de água quente no Mar de Amundsen
Infográfico mostrando o fortalecimento das correntes de água quente no Mar de Amundsen, que se acredita serem responsáveis pelo aumento do derretimento do manto de gelo da Antártida Ocidental. Gráfico: Kaitlin Naughten @ British Antarctic Survey

 

No estudo – publicado na revista Geophysical Research Letters – os oceanógrafos usaram modelagem computacional avançada para simular a resposta do oceano a uma série de possíveis mudanças na atmosfera entre 1920-2013.

As simulações mostram que o Mar de Amundsen geralmente se tornou mais quente ao longo do século. Este aquecimento corresponde a tendências simuladas nos padrões de vento na região que aumentam as temperaturas ao conduzir correntes de água quente em direção e sob o gelo. Sabe-se que o aumento dos gases de efeito estufa torna esses padrões de vento mais prováveis e, portanto, acredita-se que a tendência dos ventos seja causada em parte pela atividade humana.

Dr Kaitlin Naughten, modelador de gelo oceânico da BAS e principal autor deste estudo, diz: “Nossas simulações mostram como o Mar de Amundsen responde às tendências de longo prazo na atmosfera, especificamente os ventos de oeste do Hemisfério Sul. Isso levanta preocupações para o futuro, porque sabemos que esses ventos são afetados por gases de efeito estufa. No entanto, também deve nos dar esperança, porque mostra que o aumento do nível do mar não está fora de nosso controle”.

Este estudo apoia as teorias de que as temperaturas dos oceanos no Mar de Amundsen estão aumentando desde antes do início dos registros. Ele também fornece o elo perdido entre o aquecimento dos oceanos e as tendências do vento, que são parcialmente causadas pelos gases de efeito estufa.

As temperaturas dos oceanos ao redor do manto de gelo da Antártida Ocidental provavelmente continuarão a subir se as emissões de gases de efeito estufa aumentarem, com consequências para o derretimento do gelo e os níveis globais do mar. Esses resultados sugerem, no entanto, que essa tendência pode ser contida se as emissões forem suficientemente reduzidas e os padrões de vento na região forem estabilizados.

O professor Paul Holland, cientista de oceanos e gelo da BAS e coautor do estudo, diz: “Mudanças nos ventos de oeste do Hemisfério Sul são uma resposta climática bem estabelecida ao efeito dos gases de efeito estufa. No entanto, o Mar de Amundsen também está sujeito a uma variabilidade climática natural muito forte. As simulações sugerem que tanto as mudanças naturais quanto as antropogênicas são responsáveis pela perda de gelo do manto de gelo da Antártida Ocidental causada pelo oceano.”

Referência:

Naughten, K. A., Holland, P. R., Dutrieux, P., Kimura, S., Bett, D. T., & Jenkins, A. (2022). Simulated twentieth-century ocean warming in the Amundsen Sea, West Antarctica. Geophysical Research Letters, 49, e2021GL094566. https://doi.org/10.1029/2021GL094566

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 06/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top