Polinização por abelhas e controle de pragas por pássaros são essenciais para a produtividade cafeeira

 

abelha

Polinização por abelhas e controle de pragas por pássaros são essenciais para a produtividade cafeeira

Um novo estudo descobriu que os grãos de café são maiores e mais abundantes quando pássaros e abelhas se unem para proteger e polinizar as plantas de café.

University of Vermont*

Sem esses ajudantes alados, alguns viajando milhares de quilômetros, os cafeicultores veriam uma queda de 25% nos rendimentos das colheitas, uma perda de aproximadamente US$ 1.066 por hectare de café.

Isso é importante para a indústria cafeeira de US$ 26 bilhões – incluindo consumidores, agricultores e corporações que dependem do trabalho não remunerado da natureza para sua agitação matinal – mas a pesquisa tem implicações ainda mais amplas.

O estudo na Proceedings of the National Academy of Sciences é o primeiro a mostrar, usando experimentos do mundo real em 30 fazendas de café, que as contribuições da natureza – neste caso, polinização por abelhas e controle de pragas por pássaros – são maiores combinadas do que suas contribuições individuais.

“Até agora, os pesquisadores normalmente calculavam os benefícios da natureza separadamente e depois simplesmente os somavam”, diz a principal autora Alejandra Martínez-Salinas, do Centro de Pesquisa e Ensino Superior Agropecuário Tropical (CATIE). “Mas a natureza é um sistema interativo, cheio de importantes sinergias e compensações. Mostramos a importância ecológica e econômica dessas interações, em um dos primeiros experimentos em escalas realistas em fazendas reais.”

“Esses resultados sugerem que avaliações anteriores de serviços ecológicos individuais – incluindo grandes esforços globais como o IPBES – podem realmente subestimar os benefícios que a biodiversidade proporciona à agricultura e ao bem-estar humano”, diz Taylor Ricketts do Instituto Gund para Meio Ambiente da Universidade de Vermont. “Essas interações positivas significam que os serviços ecossistêmicos são mais valiosos juntos do que separadamente.”

Para o experimento, pesquisadores da América Latina e dos Estados Unidos manipularam plantas de café em 30 fazendas, excluindo pássaros e abelhas com uma combinação de grandes redes e pequenos sacos de renda. Eles testaram quatro cenários principais: atividade de pássaros sozinho (controle de pragas), atividade de abelhas sozinho (polinização), nenhuma atividade de pássaros e abelhas e, finalmente, um ambiente natural, onde abelhas e pássaros eram livres para polinizar e comer insetos como o broca do café, uma das pragas mais prejudiciais que afetam a produção de café em todo o mundo.

Os efeitos positivos combinados de pássaros e abelhas na frutificação, peso dos frutos e uniformidade dos frutos – fatores-chave em qualidade e preço – foram maiores do que seus efeitos individuais, mostra o estudo. Sem pássaros e abelhas, o rendimento médio caiu quase 25%, avaliado em cerca de US$ 1.066 por hectare.

“Uma razão importante pela qual medimos essas contribuições é ajudar a proteger e conservar as muitas espécies das quais dependemos, e às vezes damos como garantidas”, diz Natalia Aristizábal, doutoranda no Instituto Gund de Meio Ambiente da UVM e na Escola Rubenstein de Meio Ambiente e Recursos Naturais. . “Pássaros, abelhas e milhões de outras espécies sustentam nossas vidas e meios de subsistência, mas enfrentam ameaças como a destruição do habitat e as mudanças climáticas”.

Um dos aspectos mais surpreendentes do estudo foi que muitas aves que controlam pragas de cafeeiros na Costa Rica migraram milhares de quilômetros do Canadá e dos EUA, incluindo Vermont, onde a equipe da UVM está sediada. A equipe também está estudando como as mudanças nas paisagens agrícolas afetam a capacidade das aves e das abelhas de fornecer benefícios à produção de café. Eles são apoiados pelo Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos EUA por meio da Lei de Conservação de Aves Migratórias Neotropicais.

Além de Martínez-Salinas (Nicarágua), Ricketts (EUA), Aristizábal (Colômbia), a equipe internacional de pesquisa do CATIE incluiu Adina Chain-Guadarrama (México), Sergio Vilchez Mendoza (Nicarágua) e Rolando Cerda (Bolívia).

Referência:

Interacting pest control and pollination services in coffee systems
Alejandra Martínez-Salinas, Adina Chain-Guadarrama, Natalia Aristizábal, Sergio Vilchez-Mendoza, Rolando Cerda, and Taylor H. Ricketts
Proceedings of the National Academy of Sciences -April 4, 2022 | 119 (15) e2119959119
https://doi.org/10.1073/pnas.2119959119

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 05/04/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top