A COP24 diante da emergência planetária e do Armageddon ecológico, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

 

Emergência Planetária – A afluência e a influência humana sobre a Terra nos tempos modernos têm sido tão significativas (e ambientalmente tão negativas) que pôs fim à estabilidade climática existente nos cerca de 12 mil anos do Holoceno

 

É triste pensar que a natureza fala e que o ser humano não a ouve”

Victor Hugo

clima global, evolução humana e civilização

[EcoDebate] A Terra é a nossa casa comum. A humanidade é uma das inúmeras formas de vida que compartilham a riqueza natural gerada por milhões de anos de diversificação biológica e evolução das espécies. O Homo Sapiens – que surgiu há cerca de 200 mil anos – é, portanto, uma das espécies mais recentes na teia da vida planetária. Mas é a espécie que mais impactou negativamente a saúde dos ecossistemas e que tem provocado um holocausto biológico, uma grande redução da biodiversidade e mudanças climáticas sem precedentes e com enorme rapidez.

Nossos ancestrais distantes, nos últimos 3 milhões de anos, viveram múltiplos ciclos de temperatura, passaram por mudanças climáticas graduais e eras geladas, porém, nunca experimentaram “idade quente” alguma. O Homo sapiens sobreviveu a duas eras glaciais. Em cada era glacial, as temperaturas globais ficaram até 4º C mais baixas. O período mais quente já experimentado pelos humanos foi cerca de 1º C mais quente (média global) do que hoje. Esse período ocorreu entre as duas mais recentes eras glaciais, 120.000 anos atrás (Eemian).

Nos 100 mil anos seguintes, as temperaturas diminuíram gradualmente para uma nova era glacial. Durante esse período mais frio, os humanos começaram a se expandir para fora da África e para todas as partes do mundo. Desde o Eemian, as temperaturas mais baixas têm sido a norma.

A civilização humana tem cerca de 12.000 anos, conforme estabelecido pelo início dos assentamentos permanentes e da agricultura. O cultivo da terra se estabeleceu quando as geleiras recuaram da última era glacial. A sociedade moderna desenvolveu-se inteiramente em nossa época geológica atual, o Holoceno. As temperaturas globais não variaram mais do que ± 1º Celsius desde então. Houve mudanças regionais no clima (Período Medieval Quente, Pequena Idade do Gelo, etc.), mas desde que a civilização começou, os humanos nunca experimentaram um clima global mais quente do que o atual.

Desta forma, a temperatura não mudou muito desde que nos instalamos em cidades, avançamos com a agricultura e a pecuária, inventamos a manufatura e começamos a nos chamar de sapiens civilizados. Nos últimos 400 mil anos, o nível de concentração de CO2 na atmosfera nunca ultrapassou 300 partes por milhão (ppm), conforme o gráfico abaixo da NASA.

concentração de CO2 na atmosfera nos últimos 400 mil anos

Considerando apenas os últimos 1000 anos, conforme o gráfico abaixo, nota-se uma grande estabilidade nos níveis globais de dióxido de carbono na atmosfera em torno de 275 a 280 ppm até o final do século XVIII. Todavia, desde a invenção da máquina a vapor, desenvolvida por James Watt, e com o início da Revolução Industrial e Energética, as emissões de gases de efeito estufa disparam e a concentração de CO2 atingiu 300 ppm em 1950, ultrapassou 400 ppm em 2015 e deve ultrapassar 411 ppm em 2019.

nível global de CO2 na atmosfera nos últimos 1000 anos

O gráfico abaixo mostra que existe uma relação muito forte entre as emissões de carbono e o aumento da temperatura global. Entre 1880 e 1900 a temperatura estava 0,2oC abaixo da média da temperatura do século XX. Entre 1901 e 1950 a média da temperatura ficou 0,15oC abaixo da média do século passado e entre 1951 a 2000 ficou 0,15oC acima da média. Portanto, houve um aumento de temperatura, mas que alguns céticos consideravam como efeito natural.

Porém, o ano de 1998 foi o mais quente do século XX e ficou 0,63oC acima da média secular. E o que estava ruim, piorou muito no século XXI, pois a temperatura ficou 0,74º C acima da média do século XX em 2014, 0,90º C em 2015, 0,94º C em 2016, 0,84º C em 2017 e deve ficar em torno de 0,80º C em 2018. Os últimos 5 anos foram os mais quentes já registrados e foram também os anos com maiores níveis de emissões de gases de efeito estufa. Tudo isto acende o alerta e confirma o que os ambientalistas chamam de emergência climática.

aquecimento global e emissões de CO2: 1880-2018

A afluência e a influência humana sobre a Terra nos tempos modernos têm sido tão significativas (e ambientalmente tão negativas) que pôs fim à estabilidade climática existente nos cerca de 12 mil anos do Holoceno. Por conta disto, o cientista Paul Crutzen recomenda declarar o início de uma nova era na escala de tempo geológico da Terra: o Antropoceno. O termo Antropoceno foi cunhado levando em consideração que a atividade humana provocou mudanças profundas sobre o Planeta, nomeadamente o aquecimento global, a subida do nível do mar, a acidificação dos oceanos, a extinção de espécies, a transformação do solo e das fontes de água doce, a deflorestação e da defaunação em massa e a incidência de fenômenos climáticos extremos cada vez mais danosos para a civilização e os demais seres da vida natural.

O mundo vive hoje no Antropoceno o que John B. Foster (01/12/2012) chama de “Emergência Planetária”: “A ciência nos diz hoje que temos uma geração no máximo para realizar uma transformação radical em nossas relações econômicas e nossas relações com a Terra, se quisermos evitar um grande ponto de inflexão ou “ponto sem retorno”, após o qual grandes mudanças no clima da Terra provavelmente estarão além de nossa capacidade de prevenir e serão irreversíveis”.

A noção de emergência não é nova, pois no final da década de 1960, Robert Heilbroner (23/04/1970) já alertava para o “Armageddon ecológico”, pois como ele dizia: “Estamos atingindo o limite da capacidade de carga da Terra, não em uma base local, mas global. De fato, estamos bem além dessa capacidade, desde que ultrapassamos o Portanto, a humanidade já ultrapassou, em muito, os limites da resiliência do Planeta (Alves, 25/09/2018).

O último relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), divulgado no início de outubro de 2018, considera que uma temperatura global acima de 1,5º C, em relação ao período pré-industrial, poderá ter efeitos catastróficos para os ecossistemas, a biodiversidade, a produção de alimentos e para o modo de vida rural e urbano de toda a população mundial. Para o IPCC, a “Emergência planetária” é agora e o “Armageddon ecológico” pode vir em 12 anos, que é o tempo que a humanidade tem para reduzir emissões em 45% se quiser ter alguma chance de evitar um aquecimento descontrolado.

Segundo artigo publicado por Christiana Figueres e colegas, na prestigiosa revista Nature (05/12/2018), o tempo para evitar o “Armageddon Ecológico” é ainda mais curto e as ações precisam ser mais efetivas e ambiciosas do que aquelas do Acordo de Paris: “Para voltar ao caminho certo, as metas revisadas devem ser mais ambiciosas do que as prometidas em 2015. Como argumentamos no ano passado na Nature, as emissões globais de CO2 devem começar a cair até 2020 se quisermos atingir as metas de temperatura do acordo de Paris”.

Estes parâmetros deveriam orientar as resoluções da 24ª Conferência das Partes da Convenção-Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP24), realizada na cidade de Katowice, na Polônia, em dezembro de 2018. Contudo, depois de reuniões tensas, posicionamentos antiecológicos de algumas nações e do adiamento de um dia para o fim da Conferência, os representantes de 197 países concordaram com o chamado “livro de regras” que governará a luta contra o aquecimento global nas próximas décadas e regulará os compromissos voluntários de cada país para reduzir os gases de efeito estufa — as chamadas “Contribuições Nacionalmente Determinadas”.

Mas a COP24 apenas incluiu uma referência ao relatório científico do IPCC, em vez de tomar medidas “urgentes e sem precedentes” para limitar o aumento da temperatura global a 1,5ºC. Várias decisões importantes foram procrastinadas e não é de se estranhar que os grandes produtores de combustíveis fósseis, como os EUA de Donald Trump, a Rússia e a Arábia Saudita, reforçam as chances do “Armageddon ecológico”. O estranho é a posição do Brasil, que a partir do posicionamento do governo eleito, passou a marcar gol contra o multilateralismo e pode sair perdendo duplamente, pois não se beneficiará dos investimentos para a transição para a economia de baixo carbono, mas, certamente, irá sofrer as consequências das mudanças climáticas.

Como disse o prof. Richard Betts, do centro de monitoramento meteorológico da Grã-Bretanha, o aumento da temperatura da Terra ultrapassou a zona de conforto e agora ameaça a humanidade e vida no Planeta. Para ele, em vez de falar de “aquecimento global” (global warming) deveríamos falar de “esquentamento global” (global heating), pois trata-se de mudanças no balanço de energia do planeta. Ele completa: “Deveríamos estar falando sobre risco, em vez de incerteza.”

O nível de CO2 na atmosfera já é o maior em pelo menos 3 milhões de anos e as emissões de GEE continuam aumentando. A possibilidade de a temperatura global ultrapassar 2º C nas próximas décadas é enorme. Enfim, os resultados da COP24 não foram desprezíveis, mas ficaram muito aquém das necessidades requeridas para evitar o fenômeno “Terra estufa” e o “Armageddon ecológico”. Neste sentido, a ausência de um senso de urgência foi evidente na COP24, que manteve as negociações vivas, mas sem o engajamento necessário para fazer as transformações “urgentes e sem precedentes”.

Artigo de John Sutter (CNN, 16/12/2018) diz que depois de 13 dias de discussão produziu uma distração irritante, pois os quase 200 países da COP24 tomaram nota do relatório do IPCC, mas não deram as boas-vindas ao documento. Essa diferença aparentemente pequena é enorme no mundo hiper-sutil e hiper-educado da diplomacia climática. A questão é que o relatório do IPCC trata as mudanças climáticas como uma “emergência planetária”, enquanto o governo Trump e os produtores de energia fóssil estão colocando o Planeta em risco ao colocar os interesses das companhias petrolíferas e de carvão acima dos interesses de toda a humanidade. O que está acontecendo deve ser considerado como crimes climáticos contra a humanidade.

Artigo de Fiona Harvey (The Guardian, 16/12/2018) considera que a COP24 atingiu um acordo parcial e que fica aquém das necessidades. Ela cita o posicionamento do cientista Johan Rockstrom; “Minha maior preocupação é que as negociações da ONU não tenham alinhado as ambições políticas com a ciência. Continuamos a seguir um caminho que nos levará a um mundo muito perigoso de 3 a 4º C neste século. Eventos climáticos extremos já atingiram pessoas em todo o planeta, com apenas 1º C de aquecimento”.

A atual geração é a última que pode salvar clima. A jovem vegetariana sueca Greta Thunberg, de 15 anos de idade, foi uma das palestrantes da COP24, desde agosto a adolescente decidiu fazer uma greve em frente ao parlamento sueco, em Estocolmo. Seu protesto é pelo clima. Ela argumenta que seu país e o mundo precisam fazer mais. Ela disse:

Não viemos aqui para implorar aos líderes mundiais que se preocupem com nosso futuro. Eles nos ignoraram no passado e irão nos ignorar novamente. Viemos até aqui para informá-los que a mudança está a caminho queiram eles ou não. As pessoas se unirão a este desafio. E já que nossos líderes se comportam como crianças, teremos que assumir a responsabilidade que eles deveriam ter assumido há muito tempo”.

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

Referências:

ALVES, JED. Os limites da resiliência do Planeta e o decrescimento demoeconômico, XXI Encontro Nacional de Estudos Populacionais, da ABEP, Poços de Caldas, 25/09/2018

https://pt.scribd.com/document/389557293/A-humanidade-ja-ultrapassou-os-limites-da-resiliencia-do-Planeta

Sarah. We’ve been through climate changes before, Skeptical Science, 09/03/2012

https://skepticalscience.com/humans_survived_previous_changes.html

John Bellamy Foster and Brett Clark. The Planetary Emergency, Monthly Review, 01/12/2012

https://monthlyreview.org/2012/12/01/the-planetary-emergency/

Robert Heilbroner. Ecological Armageddon, New York Review of Books, n.14, 23/04/1970

https://www.nybooks.com/articles/1970/04/23/ecological-armageddon/

IPCC. Global Warming of 1.5 °C http://www.ipcc.ch/report/sr15/

Christiana Figueres, et. al. Emissions are still rising: ramp up the cuts, NATURE, 05/12/2018

https://www.nature.com/articles/d41586-018-07585-6

Jonathan Watts. Global warming should be called global heating, says key scientist, The Guardian, 13/12/2018 https://www.theguardian.com/environment/2018/dec/13/global-heating-more-accurate-to-describe-risks-to-planet-says-key-scientist

John Sutter. Planetary emergency: After 30 years, leaders are still fighting about basic truths of climate science, CNN, 16/12/2018

https://edition.cnn.com/2018/12/16/health/sutter-cop24-climate-talks/index.html

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/12/2018

A COP24 diante da emergência planetária e do Armageddon ecológico, artigo de José Eustáquio Diniz Alves, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/12/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/12/17/a-cop24-diante-da-emergencia-planetaria-e-do-armageddon-ecologico-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Um comentário em “A COP24 diante da emergência planetária e do Armageddon ecológico, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

  1. Os “líderes” mundiais estão literalmente brincando com fogo e a população parece não enxergar maldade alguma nessa brincadeira. O recado vem sendo dado faz tempo. Eu tenho um palpite: 2025, esse vai ser o ano do “ponto sem retorno”.

Comentários encerrados.

Top