nº 2.531, 2016 [19 e 20/05/2016]

    Crise do emprego, a geração perdida e a impopularidade do governo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves 2016 é ano de maquiagem, artigo de Adrimauro Gemaque Fritjof Capra e os transgênicos, parte 3/6, artigo de Roberto Naime Os retrocessos no Semiárido Brasileiro, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó) O que fazer com combustíveis fósseis, artigo de Laís Vitória Cunha de Aguiar Problemas fundiários, fiscalização precária e violência são entraves no combate

Crise do emprego, a geração perdida e a impopularidade do governo, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

    [EcoDebate] As mobilizações de junho de 2013 que ocorreram nas principais capitais do Brasil e que agitaram principalmente os jovens, foram reflexos da crise econômica que se abateu sobre as regiões mais dinâmicas do país. O mercado de trabalho vinha criando vagas e abrindo oportunidades para os jovens, em especial, os mais escolarizados. A taxa de ocupação (População economicamente ativa - PO/População em idade ativa - PIA) aumentou entre março de

2016 é ano de maquiagem, artigo de Adrimauro Gemaque

  [EcoDebate] Agora em 2016 vai haver eleições municipais, serão eleitos prefeitos e vereadores. Como é em toda eleição municipal, é muita gente querendo se eleger e outros buscando pela primeira vez um mandato. Deve ser um bom emprego, se não ninguém se arriscaria. Os caciques que dirigem e controlam os partidos políticos já estão juntando os seus correligionários para que possam disputar uma vaga de vereador. Mesmo os aqueles encrencados, como

Problemas fundiários, fiscalização precária e violência são entraves no combate ao desmatamento da Amazônia

   O desmatamento ilegal da Floresta Amazônica avança a despeito da importância que a comunidade científica mundial e a sociedade atribuem ao bioma e ao impacto de sua destruição no clima do planeta. Em Mato Grosso, a região noroeste abriga o último maciço da floresta no estado e sofre forte pressão para exploração madeireira e ocupação de novas áreas para a produção agropecuária. Entre os meses de agosto e dezembro de 2015,

Em Juruena (MT), assentados trocam desmatamento por renda sustentável em reserva legal comunitária

   Situado na região do Arco do Desmatamento, no noroeste de Mato Grosso, o município de Juruena abriga o Vale do Amanhecer, um assentamento com 140 km² de área onde vivem 250 famílias. Implantado pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em 1999, o local é um caso raro de sucesso entre assentamentos de reforma agrária na região, tornando-se modelo e referência por conseguir aliar conservação ambiental e geração de

Famílias agricultoras de 337 municípios brasileiros sofrerão impactos diretos do Projeto Matopiba

  Por Elka Macedo, ASA Brasil - Articulação no Semiárido Brasileiro Quatro estados brasileiros; 337 municípios; 73 milhões de hectares; 250.238 estabelecimentos da agricultura familiar. Estes números são parte do cálculo da abrangência do Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba, instituído por meio do decreto n° 8447, publicado no dia 06 de maio de 2015. A ação abrangerá territórios dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia, e segundo o Governo Federal

Pesquisa identifica violações de direitos e infrações a leis em programas ‘policialescos’ de rádio e TV

  Ação integra o "Programa de monitoramento de violações de direitos na mídia brasileira", desenvolvido em articulação com a PFDC Já está disponível no site do Ministério Público pelo Direito à Comunicação (MPDCom) a íntegra da pesquisa lançada nessa segunda-feira, 16 de maio, que identifica violações de direitos e infrações a leis em programas "policialescos" de rádio e televisão no Brasil. Produzida pela ANDI Comunicação e Direitos, a pesquisa identifica que, em apenas

Violência durante a infância contribui para violência na fase adulta

  A constante exposição à violência urbana durante a infância e a adolescência contribui para a reprodução da violência na fase adulta, inclusive doméstica e de gênero. É o que conclui o estudo Masculinidade e Não Violência no Rio de Janeiro, publicado ontem (19) pelo Instituto Promundo em parceria com o programa Global Safe and Inclusive Cities (Cidades Seguras e Inclusivas, em tradução literal).  Foram entrevistadas 1.151 pessoas entre 2013 e 2016, de

Top