Portal EcoDebate: Índice da edição nº 1.380, de 12/07/2011

Otimização do Uso de Recursos Hídricos, artigo de Roberto Naime Desproteger os ambientes e os povos costeiros: mais uma 'função' do novo código florestal, artigo de Riguel F. Contente e Diego Martinez Quem tem medo do 'ecobobo'? artigo de Fábio R. Jorge Plano Hidroviário Estratégico, do Ministério dos Transportes, pode acabar com a Amazônia, artigo de Telma Monteiro SBPC apela para que Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado analise

Otimização do Uso de Recursos Hídricos, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] A água é encontrada no estado líquido, constituindo-se em recurso natural renovável por meio do ciclo hidrológico. Os recursos hídricos são caracterizados em função de sua quantidade e qualidade, estando estas características intimamente relacionados, pois a qualidade da água depende diretamente da quantidade existente para dissolver, diluir e transportar as substâncias que serão aproveitadas nas cadeias alimentares (Braga et al., ENGENHARIA AMBIENTAL, 2004). O total de água doce explorável sob

Desproteger os ambientes e os povos costeiros: mais uma ‘função’ do novo código florestal, artigo de Riguel F. Contente e Diego Martinez

[EcoDebate] As modificações propostas pelo projeto de lei nº 1876/99, o substitutivo do Código Florestal (lei nº 4771/65), incontestavelmente são um precedente legal que permitirá o aumento do desmatamento no nosso país. Tal iniciativa tem motivado o meio científico nacional e parte da mídia a ressaltar os incontáveis benefícios socio-ambientais obtidos quando se tem as florestas preservadas nos ambientes terrestres. Contudo, muito pouco tem sido debatido e esclarecido à respeito

Quem tem medo do ‘ecobobo’? artigo de Fábio R. Jorge

[EcoDebate] INTRODUÇÃO Não é de hoje que diversos segmentos são descreditados por exageros cometidos por quem defende seus ideais. Aquela faixa de pessoas que se faz presente em praticamente todo macrosegmento intelectual, societário, onipresentes e representativos muitas vezes de suas “classes”, mas nem sempre condizentes com aquilo que a maioria concorda e apóia. Aos olhos alheios – e mais atentos por assim dizer – são considerados os culpados pela banalização dos

Plano Hidroviário Estratégico, do Ministério dos Transportes, pode acabar com a Amazônia, artigo de Telma Monteiro

Um grande aparato chamado de Plano Hidroviário Estratégico (PHE)[1] foi apresentado nofinal de 2009 pelo Ministério dos Transportes e pelo Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT).  O objetivo do plano que acabou integrando o PAC2 seria "levar aos rios os planejamentos feitos para a malha ferroviária do país" com linhas de financiamento do Banco Mundial[2], já contratadas. O governo brasileiro planejou a construção de complexos hidrelétricos com seis usinas na bacia do

SBPC apela para que Comissão de Ciência e Tecnologia do Senado analise novo Código Florestal

Não incluir a Comissão de Ciência, Tecnologia, Inovação, Comunicação e Informática na discussão "é fechar os olhos para os avanços que o país tem alcançado”, diz a presidenta da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, Helena Nader. “Ela pode trazer equilíbrio”, disse Helena, ao se referir à disputa entre ambientalistas e ruralistas A Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC) tornou público o apelo que fez ao presidente do

Agrotóxicos biológicos não precisam mais apresentar o símbolo da caveira nas embalagens

Os agrotóxicos biológicos de controle de pragas, menos agressivos à saúde humana que os defensivos químicos tradicionais, não são mais obrigados a apresentar, em embalagens e bulas, o símbolo da caveira (desenho de um crânio humano sobre dois ossos em X). A liberação foi autorizada pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). A decisão faz parte de um programa governamental de incentivo ao registro de produtos biológicos, que busca ampliar

Aquecimento promovido pelas mudanças climáticas reduz a quantidade de carbono absorvida pelos oceano

Oceanos afetados pelo clima – Os oceanos têm papel fundamental no cenário global de mudanças climáticas. São responsáveis por consumir cerca de um terço de todas as emissões de carbono promovidas pela ação humana, reduzindo o dióxido de carbono atmosférico que está associado ao aquecimento do planeta. Mas por quanto tempo os oceanos continuarão a sequestrar o carbono antrópico nos níveis atuais é uma grande incógnita. Estudos feitos chegaram a resultados

mexilhão dourado (Limnoperna fortunei): Nova ameaça aos rios do cerrado

Depois de se disseminar pelos rios do Pantanal, o mexilhão dourado (Limnoperna fortunei), um pequeno molusco invasor originário do sul da Ásia, que causa grandes estragos nos ambientes em que se adapta, está prestes a alcançar os cursos d água do cerrado. O alerta será feito pelo biólogo Flávio da Costa Fernandes, em sua conferência A ameaça do mexilhão dourado sobre os rios do cerrado, que faz parte da programação

Desastre nuclear de Fukushima: Pesquisadores sugerem criação de zona de exclusão para lastro radioativo em mar do Japão

O professor Rui Carlos Botter e o doutorando Newton Nasciso Pereira, do Departamento de Engenharia Naval e Oceânica da Escola Politécnica (Poli) da USP, publicaram, juntamente com o engenheiro naval Geert Jan Pierre, o artigo "Zona de exclusão para lastro radioativo". A publicação tem como objetivo chamar a atenção para o risco de contaminação de navios, por conta do problema radiotivo enfrentado desde 11 de março, quando a usina de

A falta de informação sobre os Organismos Geneticamente Modificados no Brasil, artigo de Isabelle Geoffroy Ribeiro e Victor Augustus Marin

A falta de informação sobre os Organismos Geneticamente Modificados no Brasil The lack of information on Genetically Modified Organisms in Brazil Isabelle Geoffroy Ribeiro - - Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz - <isa_geoffroy@yahoo.com.br> Co-autores Victor Augustus Marin - Fundação Oswaldo Cruz - Fiocruz Resumo O presente artigo apresenta uma revisão sobre a rotulagem de produtos que apresentem em sua composição Organismos Geneticamente Modificados (OGM), também denominados de transgênicos. Aborda

Campanha Permanente contra os Agrotóxicos lança caderno de formação

A Campanha Permanente contra os Agrotóxicos acaba de lançar o primeiro caderno de formação. O caderno apresenta um material de subsídio sobre os efeitos dos agrotóxicos na agricultura, na saúde humana e no meio ambiente. O prefácio da caderno foi escrito por Jean Pierre Leroy, assessor da Fase e membro da Rede Brasileira de Justiça Ambiental. "Este livro quer nos colocar em movimento, nos armar para o bom combate, nos colocar em campanha

Conjuntura da Semana. O Brasil no contexto mundial de incertezas econômicas

A análise da conjuntura da semana é uma (re)leitura das ‘Notícias do Dia’ publicadas, diariamente, no sítio do IHU. A análise é elaborada, em fina sintonia com o Instituto Humanitas Unisinos - IHU, pelos colegas do Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores - CEPAT - com sede em Curitiba, PR, parceiro estratégico do Instituto Humanitas Unisinos - IHU. Sumário: Economia Mundial. Cenário sombrio Economias estressadas A crise na Grécia e na zona

Uso de herbicidas não diminuiu com transgênicos, diz relatório do governo dos EUA

Segundo o Relatório de 2010 sobre o Uso de Químicos na Agricultura, divulgado no último mês pelo Serviço Nacional de Estatísticas Agrícolas do Departamento de Agricultura do governo dos EUA (NASS/USDA), o uso do herbicida glifosato, associado às lavouras transgênicas, aumentou dramaticamente ao longo dos últimos anos, enquanto o uso de outros herbicidas ainda mais tóxicos, como a atrazina, não diminuiu. Ao contrário das recorrentes afirmações dos fabricantes de agrotóxicos

Brasil alcança marca de 1 gigawatt de potência instalada de energia eólica

Produção é suficiente para suprir cidade com 1,5 milhão de habitantes. Potencial do país é maior; veja mapa com áreas propícias. Usinas eólicas instaladas no Rio Grande do Sul (Foto: Divulgação/ABEEólica) A reportagem é do G1, 09-07-2011. O Brasil alcançou pela primeira vez, em junho, a potência de 1 gigawatt (GW) de energia elétrica gerada nos parques eólicos instalados, principalmente, nas regiões Nordeste e Sul do país. De acordo com a Associação Brasileira de

Austrália tenta reduzir emissões ‘cortando’ 159 milhões de toneladas de CO2 da atmosfera até 2020

A primeira-ministra Julia Gillard anunciou um plano no domingo (10) que taxaria as emissões de dióxido de carbono dos 500 piores poluidores da Austrália e criaria o segundo maior programa de comércio de emissões do mundo, depois do programa da União Europeia. O plano visa cortar 159 milhões de toneladas de dióxido de carbono da atmosfera até 2020, disse o governo. Em 2010, a Austrália produziu 577 milhões de toneladas de

Geração de Energia: Dinamarca vai importar lixo para a produção de biogás

Usina gigante que deve ficar pronta em 2016 absorverá mais do que Dinamarca é capaz de produzir em resíduos. País escandinavo já processa totalidade de dejetos; ideia é investir em queima de lixo para a produção de biogás. A produção de biogás e outros produtos a partir de lixo está dando tão certo na Dinamarca que o país deve importar resíduos a partir de 2016. Nesse ano ficará pronta uma nova

Top