Concentração de metais na foz do Rio Doce aumentou após tragédia de Mariana, aponta estudo

  ABr Pesquisadores da Universidade Federal do Espírito Santo (Ufes) fizeram um estudo para comparar a situação ambiental da foz do Rio Doce antes e depois da tragédia de Mariana (MG). De acordo com resultados apresentados, foi constatada a presença do dobro de ferro, quatro vezes mais de alumínio e três vezes mais manganês do que havia no local antes da chegada da lama de rejeitos. A tragédia de Mariana ocorreu em novembro

Indígenas da Bacia do Teles Pires se mobilizam, em Brasília, por seus direitos frente a empreendimentos hidrelétricos

  Por Sucena Shkrada Resk, para o Fórum Teles Pires A Procuradoria-Geral da República (PGR) realizará na tarde desta terça-feira (11/07), em Brasília, uma reunião com a participação de lideranças respectivamente dos povos indígenas Apiaká, Kayabi e Munduruku, impactados por hidrelétricas o rio Teles Pires, localizado na divisa entre os estados do Pará e Mato Grosso, e representantes da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e

Prefeitura de Santa Bárbara (MG) alega impacto ambiental e nega aval para Samarco operar

  ABr A prefeitura de Santa Bárbara decidiu não atender ao pedido da mineradora Samarco e negou a emissão da carta de conformidade, um dos pré-requisitos para o retorno da empresa às atividades. O documento deveria atestar que as estruturas da empresa na cidade estão de acordo com as leis municipais de uso e ocupação do solo. No entanto, na avaliação da prefeitura, elas não respeitam a legislação em vigor. Em documento assinado

Tragédia de Mariana: Além do Rio Doce, águas subterrâneas da bacia também estão contaminadas

  ABr Um estudo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), em parceria com o Greenpeace, revelou que, além do Rio Doce, as águas subterrâneas da região estão contaminadas com altos níveis de metais pesados. A água dos poços artesianos locais apresentaram níveis desses metais acima do permitido pelo governo brasileiro. Os pequenos agricultores são os mais prejudicados, já que não têm outra fonte de água para a produção e para

Tragédia de Mariana: Samarco terá que pagar R$1 milhão por atraso em retirada de rejeitos

  ABr O Comitê Interfederativo que fiscaliza os trabalhos de reparação dos danos causados pela tragédia de Mariana (MG) manteve a multa aplicada à mineradora Samarco pelo descumprimento de acordo que previa a retirada dos rejeitos na Usina de Candonga, em Santa Cruz do Escalvado (MG). A empresa terá que pagar R$1 milhão, mais R$50 mil por dia de atraso na remoção dos sedimentos. Há no local cerca de 10 milhões de metros

Atingidos pela tragédia de Mariana acusam Samarco e sua acionistas de não cumprirem acordo selado com o MPF

  ABr Moradores afetados pela tragédia de Mariana (MG) publicaram na terça-feira (4) nota em que acusam a mineradora Samarco e suas acionistas Vale e BHP Billiton de não cumprirem o Termo de Ajustamento Preliminar que as empresas selaram com o Ministério Público Federal (MPF). O acordo é voltado para a realização de diagnósticos socioambientais e socioeconômicos, que ajudariam a definir as bases para a reparação dos danos causados pela tragédia e para

Justiça suspende, por tempo indeterminado, obrigação de Samarco, Vale e BHP depositarem R$ 1,2 bi

    A Justiça Federal suspendeu por tempo indeterminado a decisão que obrigava a mineradora Samarco e suas acionistas Vale e BHP Billiton a depositarem R$ 1,2 bilhão como garantia de futuras ações de recuperação e reparação dos danos socioambientais decorrentes da tragédia de Mariana (MG). A decisão ocorre após as mineradores assinarem um Termo de Ajustamento Preliminar com o Ministério Público Federal (MPF). O prazo para depósito já havia sido prorrogado algumas

Tragédia Em Mariana: Prazo para Samarco, Vale e BHP depositarem R$ 1,2 bilhão é prorrogado de novo

  ABr A Justiça Federal prorrogou novamente o prazo para que a mineradora Samarco e suas acionistas Vale e BHP Billiton depositem R$ 1,2 bilhão. O valor deveria ter sido transferido até o dia 10 de janeiro, mas um dia antes de esgotar o prazo, as empresas solicitaram adiamento. Conforme decisão do juíz Mário de Paula Franco, publicada na sexta-feira (13), a nova data limite é 19 de janeiro. O valor de R$

Do Xingu ao Teles Pires: documentários retratam os impactos de grandes hidrelétricas nas vozes dos atingidos

  Por Sucena Shkrada Resk/ICV O que Antônia, Raimunda, Giliarde e Nelson têm em comum? São brasileiros que vivem, desde o começo, o processo de implantação da Usina Hidrelétrica de Belo Monte, no rio Xingu, uma decisão do governo federal em seu plano energético. Elas enfrentam, junto com suas comunidades, até hoje, os efeitos socioambientais e econômicos que a instalação dessa mega obra está causando na região de Altamira, PA. É um

Tragédia Em Mariana: Justiça prorroga prazo para Samarco, Vale e BHP depositarem R$ 1,2 bilhão

  ABr As empresas Samarco, BHP Billiton e Vale conseguiram obter da Justiça Federal a prorrogação por 30 dias do prazo determinado para o depósito de R$ 1,2 bilhão. Este valor deve se somar a R$ 800 mil já depositados pelas empresas. O montante total de R$ 2 bilhões tem como objetivo garantir futuras ações de recuperação e reparação dos danos socioambientais decorrentes do rompimento da barragem de Fundão, que ocorreu em

Hidrelétricas: falta de consulta prévia aos atingidos é o primeiro problema da fase de licenciamento ambiental

    PGR Seminário na Câmara dos Deputados debateu a construção de hidrelétricas na Amazônia e conflitos socioambientais O procurador regional da República Felício Pontes defendeu que a consulta prévia, livre e informada aos povos indígenas e comunidades tradicionais seja o primeiro passo nos processos de licenciamento ambiental. O procurador participou, nessa terça-feira, 6 de dezembro, do Seminário Hidrelétricas na Amazônia, conflitos socioambientais e caminhos alternativos, realizado na Câmara dos Deputados, em Brasília. Segundo Felício

Os enlameados de Mariana, artigo de Amadeu Roberto Garrido de Paula

    [EcoDebate] Obviamente é força de expressão dizer que a imprensa é o "quarto poder". Mas, sem nenhuma dúvida, a boa imprensa traz à lume fatos que podem movimentar os poderes institucionais da República. É o que ocorre com o início de uma série reportagens de O Estado de S. Paulo sobre as consequências humanas e sociais da queda da barragem da Samarco, em Mariana-MG. O bairro de Bento Rodrigues foi destroçado

Maior desastre ambiental do Brasil deixa duras lições, por Fabiano R. de Melo e Sérgio Lucena Mendes

    Um ano após o rompimento da barragem de uma mineradora no Rio Doce, especialistas apontam medidas para evitar que outros incidentes se repitam [EcoDebate] Em novembro, o desastre que alterou a geografia do distrito de Bento Gonçalves (MG) completa um ano. O local, situado a 35 km do município de Mariana, foi inundado por mais de 60 milhões de metros cúbicos de rejeitos de minério de ferro, decorrentes do rompimento de

O desastre da Samarco e a saga socioambiental do distrito de Bento Rodrigues, por André Pelanda, Augusto Silveira e Rodrigo Berté

    [EcoDebate] Já faz um ano que o desastre ambiental da barragem de rejeitos da Samarco atingiu o distrito de Bento Rodrigues e toda a extensão do Rio Doce, na cidade de Mariana, em Minas Gerais. Até hoje, a população da cidade vive uma verdadeira saga. De um lado, a Samarco afirma atender às demandas socioambientais, em especial da comunidade diretamente atingida e do meio ambiente degradado. Do outro, a população vive

Obras emergenciais da Samarco para conter lama de rejeitos estão atrasadas, diz Ibama

    O Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) apresentou ontem (25), em Belo Horizonte, um balanço dos trabalhos do Comitê Intefederativo criado para fiscalizar os projetos de reparação nas áreas atingidas pelo rompimento da barragem da mineradora Samarco, no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG). Considerada a maior tragédia ambiental do país, o episódio completará um ano no dia 5 de novembro. Segundo o Ibama, as

MPF diz que ganância causou tragédia no rompimento da barragem de contenção da Samarco, em Mariana

  MPF denunciou 22 pessoas por diversos crimes pelo rompimento da barragem de contenção no distrito de Bento Rodrigues em Mariana O Ministério Público Federal (MPF) anunciou nesta quinta-feira (20) que denunciou 21 pessoas por homicídio doloso no rompimento da barragem de contenção da mineradora Samarco no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG), que ocorreu em novembro do ano passado. Ao todo, são 22 acusados por variados crimes. Quatro empresas também foram

Documentário ‘Belo Monte – Depois da inundação’ mostra impactos da hidrelétrica para população local

  Documentário 'Belo Monte - Depois da inundação' mostra impactos da hidrelétrica para população local O documentário “Belo Monte – Depois da inundação”, do diretor Todd Southgate, que percorreu a cidade de Altamira e parte do Rio Xingu para registrar como estão indígenas e ribeirinhos após o enchimento do reservatório da Usina Hidrelétrica (UHE) de Belo Monte, no início de 2016, teve sua pré-estreia na noite de ontem (9), na capital paulista. Após

TCU aponta falhas do DNPM que contribuíram para tragédia do rompimento da barragem da Samarco em Mariana

    O resultado de uma auditoria realizada pelo Tribunal de Contas da União (TCU) - divulgado na noite de quarta-feira (21) - aponta falhas e omissões do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM) na fiscalização de barragens no país. Segundo o relatório, a falta de atuação do órgão teria contribuído para a tragédia que ocorreu em novembro do ano passado no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG). Na ocasião, uma

Governo de MG autoriza obra da Samarco que alagará parte do distrito de Bento Rodrigues, em Mariana

  Um decreto do governo de Minas Gerais publicado ontem (21) autorizou a mineradora Samarco a iniciar a construção de um novo dique no distrito de Bento Rodrigues, em Mariana (MG). A medida visa a impedir que a lama de rejeitos que está no local volte a atingir a bacia do Rio Doce durante o período de chuvas. Bento Rodrigues foi devastado após rompimento da barragem da Samarco em novembro do ano

Impactos de Hidrelétricas na Bacia do Tapajós são debatidos na Câmara dos Deputados e na UnB, em Brasília

  Por Sucena Shkrada Resk/ICV A mobilização pela transparência do planejamento elétrico brasileiro e pela escuta dos povos atingidos no processo de implementação de projetos de Pequenas Centrais Hidrelétricas (PCHs) e de Usinas Hidrelétricas (UHCs) em curso e previstas na Bacia Hidrográfica do Tapajós, localizada nos estados do Amazonas, Pará e Mato Grosso, concentrou debates realizados entre especialistas, indígenas e ribeirinho, nesta semana, em Brasília. O primeiro encontro aconteceu no Memorial Darcy

Top