Redução das emissões de metano é oportunidade-chave na luta contra o clima

 

fontes de emissão de metano na atmosfera
Fonte: DW

Redução das emissões de metano é oportunidade-chave na luta contra o clima

O novo relatório do IPCC WGI incluirá pela primeira vez um capítulo sobre metano e outros agressores climáticos de curta duração. Este briefing descreve porque as emissões de metano são tão importantes para a mudança climática.

Instituto ClimaInfo

As emissões humanas de gases de efeito estufa (GEE) estão impulsionando a mudança climática. Desde o período pré-industrial, estas emissões têm causado todo o aquecimento observado na Terra, sendo o dióxido de carbono (CO2) responsável pela maior parte dele. Depois do CO2, o metano (CH4) é o maior contribuinte para a mudança climática. O novo relatório do IPCC (grupo de trabalho 1 do AR6) provavelmente se concentrará no papel desse gás para o aquecimento da atmosfera.

As emissões de metano são um enorme problema porque, embora o gás só permaneça na atmosfera por cerca de nove anos, ele tem 28 vezes mais poder de aquecimento do que o dióxido de carbono durante 100 anos. As concentrações de metano estão aumentando mais rapidamente agora do que em qualquer outro momento desde os anos 80, atingindo mais de duas vezes e meia os níveis pré-industriais. Isto está bem acima dos limites de segurança delineados pelo IPCC no AR5. O metano é agora responsável por quase um quarto do aquecimento, o que nos aproxima mais do cumprimento da meta de 1,5°C de temperatura. A redução das emissões de metano causadas pelo homem é uma das formas mais econômicas de reduzir rapidamente a taxa de aquecimento e limitar o aumento da temperatura a 1,5°C.

Quais são os principais setores emissores de metano e onde estão as oportunidades de mitigação?

As emissões de metano vêm de fontes naturais, como as zonas úmidas, mas mais da metade do total das emissões globais de metano vem de atividades humanas. Três setores – agricultura (40% das emissões causadas pelo homem), combustíveis fósseis (35%) e resíduos (20%) respondem pela maior parte das emissões de metano humano.

Quase um terço (32%) das emissões de metano agrícola provêm da produção animal. A extração, processamento e distribuição de petróleo e gás respondem por 23% das emissões de metano no setor de combustíveis fósseis e a mineração de carvão responde por 12% das emissões. Aterros sanitários e águas residuais compreendem 20% das emissões de metano no setor de resíduos.

Muitas medidas custo-efetivas de mitigação estão prontamente disponíveis, como a redução de emissões que escapam ao longo da cadeia de suprimento de gás natural, melhor tratamento de resíduos sólidos e melhoria do manejo de animais e culturas (veja a tabela abaixo para alguns exemplos). As opções de mitigação nos três setores representam algumas das melhores alavancas para reduzir o aquecimento e seus impactos climáticos ao longo dos próximos 30 anos. Em particular, a indústria de

combustíveis fósseis tem o maior potencial para cortes de metano até 2030, de acordo com a ONU. Até 80% das medidas no setor de petróleo e gás e até 98% das medidas de carvão poderiam ser implementadas a um custo negativo ou baixo. Mas é necessário agir em todos os três setores para garantir que as emissões estejam em linha com 1,5°C. No conjunto, o corte do metano nesses três setores poderia reduzir as emissões de metano humano em 45% até 2030. Isto evitaria quase 0,3°C de aquecimento global até os anos 2040, ajudando a manter as temperaturas abaixo de 1,5°C e evitando 255.000 mortes prematuras e 26 milhões de toneladas de perdas de colheitas em todo o mundo.

políticas para reduzir a emissão de metano

Metano e Agricultura: um problema negligenciado

A maioria das emissões de metano provenientes da agricultura vem da criação de gado através da fermentação entérica o processo digestivo natural de um animal ruminante — e do esterco. Outras fontes-chave da agricultura são os aterros, os resíduos e o cultivo de arroz. O próximo relatório do IPCC AR6 deverá confirmar a ligação entre a produção pecuária e o aumento das emissões de metano.

Embora os países reconheçam a agricultura como uma fonte de emissões de metano, a maioria não toma medidas concretas para reduzi-las. Na verdade, espera-se que as emissões de metano da agricultura continuem a crescer à medida que a demanda por carne aumenta, particularmente em países de renda baixa e média.

Dada a enorme pegada da agricultura, as ações para reduzir as emissões de metano no setor são fundamentais para atingir as metas climáticas. Uma sólida base de evidências indica que a redução do desperdício e perda de alimentos, a melhoria do manejo da pecuária e o consumo de menos produtos de origem animal poderiam reduzir as emissões em 65-80 milhões de toneladas por ano durante as próximas décadas. 1 A adoção generalizada dessas medidas poderia alinhar as emissões antropogênicas de metano com as dos cenários de 1,5°C. Mas, os governos devem escolher cuidadosamente as políticas porque alguns modelos mostram que alcançar emissões muito baixas por quilograma de proteína envolve uma agricultura industrializada em larga escala. Isto é problemático, pois a adoção de métodos de agricultura industrial traz muitos impactos sociais e ambientais que não são capturados nos modelos e podem aumentar as emissões de GEE. Se estes fossem contabilizados, a agricultura industrial colocaria a meta de 1,5°C fora de alcance. Os sistemas agrícolas que se afastam da agricultura industrial, como a agrofloresta e a agricultura orgânica, não só ajudam a reduzir as emissões de todos os GEE, mas também melhoram a subsistência dos agricultores, a segurança alimentar e a biodiversidade.

O que os governos têm feito para reduzir as emissões de metano?

Agora, mais do que nunca, é necessária uma ação global em relação às emissões de metano. Mas os governos falharam em reduzir as emissões, em parte devido à falta de dados confiáveis sobre emissões e de relatórios das próprias indústrias. Enquanto isso, as metas climáticas dos países, conhecidas como contribuições nacionalmente determinadas (NDCs), só abordam o metano em termos gerais, sem uma meta ou estratégias claras para reduzir as emissões. Apenas nove dos 174 países que apresentaram NDCs estabeleceram uma meta separada para as emissões de metano. A falta de metas mensuráveis para reduzir as emissões de metano é aparente, especialmente no setor agrícola. Cerca de 80% dos países (148 dos 189) que apresentaram NDCs incluíram a agricultura, mas as metas são vagas. A maioria (128 dos 148 países ou 86%) inclui o setor em metas gerais económicas ou mais amplas e não elaboram ações concretas para reduzir as emissões da agricultura. Muito poucos também estabelecem metas em relação a outras partes do sistema alimentar que emitem metano, tais como a adoção de dietas sustentáveis. Como resultado, o potencial para reduzir as emissões globais de metano permanece em grande parte inexplorado.

*No setor pecuário, as opções diferem entre os sistemas de produção. Por exemplo, melhorando o manejo através de aditivos alimentares, as vacinas podem reduzir a fermentação entérica em sistemas mais intensivos, como o leite nos EUA. O manejo de esterco é mais aplicável em fazendas onde o esterco pode ser facilmente coletado, como em sistemas de produção de pequenos agricultores e sistemas mistos de produção animal..

Estratégias de descarbonização sem políticas específicas de metano são insuficientes para manter o aquecimento abaixo de 1,5°C . Estas estratégias (que visam o dióxido de carbono) alcançam apenas cerca de 30% das reduções de metano necessárias nos próximos 30 anos em um cenário de 2”C, por exemplo. Além disso, a redução das emissões de metano agora é mais rentável à medida que os custos de mitigação aumentam com a ação retardada. Se os países reduzirem as emissões de metano até 2030, os custos poderiam ser inferiores a US$ 600 por tonelada de metano, especialmente nos setores de resíduos e carvão na maioria das regiões. Em 2050, os custos poderiam ser aproximadamente 50% mais altos do que em 2030. Ao mesmo tempo, sem depender do futuro, a implantação em grande escala de tecnologias de remoção de carbono não comprovadas, a expansão da infraestrutura de gás natural e os níveis atuais da pecuária são incompatíveis com a manutenção do aquecimento a 1,5°C.

Fontes

  • Global Methane Assessment (May 2021)

  • Briefing about emissions from natural gas (November 2020)

  • Global Methane Budget (July 2020)

  • Methane and the sustainability of ruminant livestock (May 2020)

  • IPCC SRCCL Report Chapter S (September 2019)

  • Agricultural methane and its role as a greenhouse gas (Jun 2019)

  • 6 Pressing Questions About Beef and Climate Change, Answered (April 2019)

 

Briefing elaborado pelo Instituto ClimaInfo.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 07/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top