A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 6/7, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] SILVA et al (1997) asseveram que FERRY (1994) classifica as diversas correntes ambientalistas, inicialmente como movimento de libertação animal, onde há uma expansão do universo moral para os seres sencientes, sendo esta uma ética baseada em interesses utilitaristas, como a defendida por SINGER (1994).

Em ecologia superficial, de cunho instrumental, segundo o qual a natureza possui caráter humanista, não é considerada sujeito de direito e sua preservação constitui-se um meio para conseguir o bem-estar do homem.

E por último, em ecologia profunda, defendida por NAESS (1973), a qual adota uma nova ética baseada em princípios preconizadores de que a valorização ética da natureza independe da sua utilidade quanto às demandas práticas da sociedade.

Os limites objetivos de qualquer ser vivo devem ser respeitados, os valores humanos devem ser equivalentes aos dos demais seres da natureza, os homens não têm nenhum direito que lhes assegure dominação sobre as outras espécies e a riqueza e a diversidade da vida devem ser garantidas para as gerações futuras.

Os posicionamentos ideológicos no interior do próprio movimento ambientalista são bastante divergentes. Schwarz & Schwarz dizem que os ambientalistas aceitam a estrutura intelectual da sociedade industrial, tentando resolver os problemas ambientais neste contexto.

Os ecologistas ditos profundos acreditam não ser possível resolver tais problemas, caso não se mude radicalmente o sistema de valores atuais com profundas substituições nos códigos culturais (SCHWARZ & SCHWARZ, 1990). Na prática, verifica-se ser muito difícil analisar as diferenças dos discursos no interior dos movimentos ambientalistas.

Neste contexto, o setor empresarial assumiria um papel de destaque nesta nova fase do debate ambientalista. Schmidheiny, o principal conselheiro para Negócios e Indústria do secretário-geral da Conferência das Nações Unidas para Meio Ambiente e Desenvolvimento, defende que “parte da ‘sanidade ambiental’ só será alcançada através da modernização dos meios de produção, sob uma ótica de custo/benefício” (SCHMIDHEINY, 1992:35).

Ao criticar tal argumento, Tauk-Tornisielo afirma que é “motivado mais pela necessidade de racionalizar custos do que desenvolver cuidados com o ambiente, refletindo o novo posicionamento das indústrias diante da nova ordem econômica mundial, onde o aumento sensível da competitividade passa pela redução de custos, sem a qual as empresas estarão à margem dos mercados” (TAUK-TORNISIELO, 1995:11).

Nesta visão a iniciativa privada apenas se camufla de comprometida com causas ambientais, buscando maximizar condições operacionais.

Por isso se sabe que leis e normas não vão resolver os problemas. A civilização humana vai acabar determinando nova autopoiese sistêmica, na acepção de Niklas Luhmann e Ulrich Beck, que contemple a solução dos maiores problemas e contradições exibidas pelo atual arranjo de equilíbrio. Para sua própria sobrevivência, o “sistema” vai acabar impondo uma nova metamorfose efetiva.

A autopoiese sistêmica dominante necessita ser alterada. Pois hoje só o consumismo garante a manutenção dos círculos virtuosos da sociedade.

Aumento de consumo gera maiores tributos, maior capacidade de intervenção estatal, maior lucratividade organizacional e manutenção das taxas de geração de ocupação e renda. O consumismo precisa ser substituído pela idéia de satisfazer as necessidades dentro de ciclos.

A primeira fase ecológica foi caracterizada por um certo “romantismo naturalista” que lutava pela intocabilidade da natureza.

A segunda refletia um período de informação, onde a junção da mídia com a ecologia, por um lado, e a emergência de movimentos de defesa do meio ambiente, por outro, permitiram o surgimento de um ‘”marketing ecológico”, que causou transformações nas formas de percepção das questões ambientais pela população.

Na terceira fase da ecologia, na da década de 90 do século passado, a proteção ambiental passa a ser vista como “sub-produto da racionalização de custos”, garantindo, portanto, a “oxigenação” dos processos produtivos (TAUK-TORNISIELO, 1995).

Neste embate ressurgiu, a partir dos trabalhos em ecodesenvolvimento na década de 60, o conceito de “desenvolvimento sustentável”, visto como “um processo de transformação no qual a exploração dos recursos, a direção dos investimentos, a orientação do desenvolvimento tecnológico e a mudança institucional se harmonizam e reforçam o potencial presente e futuro, a fim de atender às necessidades e aspirações humanas” (CARVALHO, 1991 apud RIBEIRO, 1992:21).

Assim, a idéia de sustentabilidade do ambiente e do desenvolvimento passou a ser fundamental no interior das discussões da CNUMAD/92.

Na visão economicista, diz Comune, “o ponto central da teoria econômica do meio ambiente determina que a maneira de tratar as ineficiências do mercado para atingir o ponto ótimo de eficiência alocativa da economia, define as bases das políticas do meio ambiente” (COMUNE, 1994:51).

Nas análises econômicas convencionais, as externalidades e os bens públicos nem sempre são levados em consideração e, para a eficiência de um mercado perfeitamente competitivo, não se contabilizam estes fenômenos por constituírem fontes de ineficiências. Não há pretensão de finalizar discussões, mas ocorre bem isso.

Por isso a abordagem sociológica e antropológica acaba alicerçando movimentos da sociedade que propugnam alterações ideológicas como apanágios para a solução de problemas ambientais.

Não ocorre encaminhamento de soluções, pois tanto vertentes socialistas como da livre iniciativa adotam a cartilha de crescimento permanente como forma de incrementar círculos econômicos virtuosos.

ANDERSON & LEAL (1992) afirmam que a ecologia de livre mercado enfatiza a importância dos processos de mercado na determinação de quantidades ótimas da utilização de recursos.
Se critica os adeptos do desenvolvimento sustentável e se considera que este seria demasiadamente centrado na administração científica do ambiente e baseado em políticas coercitivo ou disciplinadoras, sob o controle do Estado.

SILVA et al (1997) assinalam que a apologia ao mercado determina que “ao contrário das soluções por regulamentações para os problemas do meio ambiente, especialistas uma postura onisciente e benévola, o ambientalismo de livre mercado descentraliza o poder e atrela os interesses próprios através de incentivos de mercado” (ANDERSON & LEAL, 1992: 167)

Existem posicionamentos bastante controvertidos em relação à questão do desenvolvimento sustentável e Viola diferencia posições divergentes neste debate, a estatista, que através de mecanismos normativos, reguladores e promotores, vê no Estado o lócus privilegiado do desenvolvimento social e ambientalmente sustentável.

A comunitária, que, por meio dos movimentos sociais e das organizações não governamentais identifica na comunidade esse lócus privilegiado.

E finalmente a visão de mercado, que mediante taxas ou tarifas, tanto da poluição, como do uso de recursos naturais e de concessões comercializáveis de taxas de poluição, prioriza
o critério da eficiência sobre o da eqüidade (VIOLA, 1992).

O debate está aberto a todos os interessados, que queiram contribuir com formulações a serem construídas e não existem posições dominantes ou hegemônicas.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

Nota da Redação: Sugerimos que leia, também, as partes anteriores desta série de artigos:

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 1/7

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 2/7

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 3/7

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 4/7

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 5/7

 

Referências:

ACOT, P., 1990. História da Ecologia. Rio de Janeiro: Campos.

ANDERSON, T. L. & LEAL, D., 1992. Ecologia de Livre Mercado. Rio de Janeiro/Porto Alegre: Expressão e Cultura/Instituto Liberal.

BERTALANFFY, L. V., 1977. Teoria Geral dos Sistemas. Petrópolis: Vozes.

BORNHEIM, G., 1989. Tecnologia e política. In: Anais do Seminário Universidade e Meio Ambiente: Documentos Básicos, pp. 165-167, Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ­ IBAMA.

BRUNDTLAND, G.H., 1991. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

BRÜSEKE, F. J., 1993. Para uma teoria não-linear e pluri-dimensional do desenvolvimento. In: As Ciências Sociais e a Questão Ambiental Rumo à Interdisciplinaridade (P. F. Vieira & D. Maimon, orgs.), pp. 189-216, Rio de Janeiro/Belém: Associação de Pesquisa e Ensino em Ecologia e Desenvolvimento ­ APED/Universidade Federal do Pará ­ UFPA.

CHÂTELET, F., 1994. Uma História da Razão: Entrevistas com Emile Noël. Rio de Janeiro: Zahar.

COMUNE, A. E., 1994. Meio ambiente, economia e economistas. Uma breve discussão. In: Valorando a Natureza (P. H. May & R. S. da Motta, orgs.), pp. 45-58, Rio de Janeiro: Campus.

COSTA, W. M., 1989. Bases epistemológicas da questão ambiental: determinações, mediações e contradições. In: Anais do Seminário Universidade e Meio Ambiente: Documentos Básicos, pp. 99-105, Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis/IBAMA.

COUTINHO, M., 1992. Ecologia e Pensamento Ambientalista. Uma Reflexão acerca do Tráfego de Idéias e Conceitos. Tese de Doutorado, São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais, Universidade de São Paulo.

CRAMER, J. & VAN DEN DAELE, W., 1985. Ecology an “alternative” natural science? Synthese, 65:347-400.

DESCARTES, R., 1966. Discours de la Méthode. Paris: Garnier-Flammarion.

DUPUY, J. P., 1980. Introdução à Crítica da Ecologia Política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

EDMUNDS, S. & LETEY, J., 1975. Ordenación y Gestion del Medio Ambiente. Madrid: Instituto de Estudios de Administración Local.

FERNANDEZ, M. I. T., 1995. Acerca del Ver, Pensar, Actuar y Salud. Tese de Doutorado, Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz.

FERRY, L., 1994. A Nova Ordem Ecológica: A Árvore, o Animal e o Homem. São Paulo: Ensaio.

FUCKS, M., 1992. Natureza e meio ambiente: a caminho da construção de um consenso social. In: Ecologia, Ciência e Política (M. Goldenberg, coord.), pp. 121-134, Rio de Janeiro: Revan.

HABERMAS, J., 1983. Textos Escolhidos. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

HOTTOIS, G., 1994. Vérité objective, puissance et système, solidarité. (D’ une étique pour l’age technoscientifique). Revue Transdisciplinaires en Santé, 1:69-84.

JONAS, H., 1973. Philosophical Essays: From Ancient Creed to Technological Man. Chicago/Londres: The University of Chicago Press

LADRIÈRE, J., (s/data). Ética e Pensamento Científico: Abordagem Filosófica da Problemática Ética. São Paulo: Letras & Letras.

LAGO, A. & PÁDUA, J. A., 1985. O que é Ecologia? São Paulo: Brasiliense.

LEOPOLD, A., 1949. A Sand Country Almanac and Sketches Here and There. New York: Oxford University Press.

MCCORMICK, J., 1992. Rumo ao Paraíso: A História do Movimento Ambientalista. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

MEADOWS, D. H., 1978. Limites do Crescimento.Um Relatório para o Projeto do Clube de Roma sobre o Dilema da Humanidade. Coleção Debates. São Paulo: Perspectiva.

MORI, M., 1994. L’ambiente nel dibattito etico contemporaneo. In: Costituzioni, Razionalità, Ambiente, (S. Scamuzzi, org.), pp. 91-127, Torino: Bollati-Boringhieri.

MORIN, E., 1977. O Método I: A Natureza da Natureza. Portugal: Europa-América.

MOSCOVICI, S., 1977. A Sociedade contra Natureza. Lisboa: Bertrand.

NAESS, A., 1973. The shallow and the deep, long-range ecology movement. Inquiry, 16:95-100.

ODUM, E. P., 1971. Fundamentals of Ecology. 3a ed., Filadélfia: W. B. Saunders Company.

ODUM, E. P., 1986. Ecologia. Rio de Janeiro: Ed.Guanabara.

PIAGET, J. & GARCIA, R., 1987. Psicogênese e História das Ciências. Lisboa: Dom Quixote.

PRIGOGINE, I. & STENGERS, I., 1992. Entre o Tempo e a Eternidade. São Paulo: Companhia das Letras.

RIBEIRO, G. L., 1992. Ambientalismo e desenvolvimento sustentado: nova ideologia/utopia do desenvolvimento. In: Meio Ambiente, Desenvolvimento e Reprodução ­ Versões da ECO 92 pp. 5-36, Rio de Janeiro: Instituto de Estudos da Religião.

ROSSET, C., 1989. A Anti-Natureza: Elementos para uma Filosofia Trágica. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo.

SCHMIDHEINY, S., 1992. Mudando de Rumo: Uma Perspectiva Empresarial Global sobre o Desenvolvimento e o Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

SCHRAMM, F. R., 1992. Ética e ecologia: algumas reflexões comuns. In: Saúde, Ambiente e Desenvolvimento: Uma Análise Interdisciplinar (M. C. Leal; P. C. Sabroza; R. H. Rodriguez & P. M. Buss, orgs.), pp. 207-216, São Paulo: Hucitec/Rio de Janeiro: Abrasco.

SCHWARZ, W. & SCHWARZ, D., 1990. Ecologia: Alternativa para o Futuro. São Paulo: Paz e Terra.

SINGER, P., 1994. Ética Prática. São Paulo: Martins Fontes.

TAUK-TORNISIELO, S. M.1995. Análise ambiental: os princípios da interdisciplinaridade. In: Análise Ambiental. Estratégias e Ações (S. M. Tauk-Tornisiello; N. Gobbi; C. Foresti & S. T. Lima, orgs.), pp. 9-17, São Paulo: T. A. Queiroz/Editora da Universidade Estadual Paulista.

THOMAS, K., 1989. O Homem e o Mundo Natural. Mudanças de Atitudes em Relação às Plantas e aos Animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras.

VIOLA, E. 1992. O movimento ambientalista no Brasil (1971-1991): da denúncia e conscientização pública para a institucionalização e o desenvolvimento sustentável. In: Ecologia, Ciência e Política (M. Goldenberg, coord.), pp. 49-75, Rio de Janeiro: Revan.

VIOLA, E. J. & LEIS, H. R., 1991. Desordem global da Biosfera e a nova ordem internacional: o papel organizador do ecologismo. In: Ecologia e Política Mundial (H. R. Leis, org.), pp. 23-50. Rio de Janeiro: Vozes.

VIOLA, E. J. & LEIS, H. R., 1995. O ambientalismo multissetorial no Brasil para além da Rio-92: o desafio de uma estratégia globalista viável. In: Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cidadania: Desafios para as Ciências Sociais (UFSC, ed.), pp. 134-160, São Paulo: Cortez/Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina.

SILVA, Elmo Rodrigues, SCHRAMM, Fermin Roland, A questão ecológica: entre a ciência e a ideologia/utopia de uma época, Cad. Saúde Pública vol. 13 n. 3 Rio de Janeiro Jul./Sep. 1997, http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1997000300002

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 07/08/2018

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 6/7, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 7/08/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/08/07/a-questao-ambiental-entre-a-ciencia-e-a-ideologia-parte-67-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top
Betway Casino Roulette Image Banners
Betway Casino Roulette Image Banners