A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 5/7, artigo de Roberto Naime

artigo

 

 

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 5/7, artigo de Roberto Naime

[EcoDebate] SILVA et al (1997) relatam que Coutinho argumenta que o pensamento ambientalista da década de 60, apesar de toda a sua pluralidade, tomou a Ecologia como interlocutora. Adotou uma unidade discursiva onde o modelo de representação de natureza fosse compatível com sua consideração como algo singular e original, e sua valorização, como bem ético.

Por outro lado, a importância atribuída à integração, às totalidades e ao holismo pavimentou o caminho para a ressacralização da natureza. Este paradigma) propiciou a interação entre uma disciplina científica e um pensamento, cujo eixo seria uma crítica racional da modernidade (COUTINHO, 1992).

Alguns grupos pacifistas e ecologistas europeus e norte-americanos propuseram uma profunda transformação nos valores sedimentados pela sociedade ocidental através de uma nova relação homem e natureza orientada por uma “visão ecologizada de mundo”.

Ao contrário, se pensa que seria possível estabelecer uma ponte entre passado e futuro, sem negar o presente. Como escreve Morin, “a ecologia geral suscita o problema homem e natureza no seu conjunto, na sua amplitude, na sua atualidade” (MORIN, 1977:45).

O movimento ecológico foi bastante influenciado pelo pensamento de Aldo Leopold (1949). Este argumentava que a ética a qual havia regulamentado as relações entre os humanos e aquelas entre o humano e as várias instituições sociais, por fim abriu-se a uma terceira relação envolvendo toda a biosfera, denominando-a como a Ética da Terra (“The Land Ethic”).

Assim sendo, Mori diz ser Leopold o “patrono da ética ambiental” (MORI, 1994:4). Impulsionados pela gravidade dos problemas sociais e ambientais contemporâneos, os ecologistas partiram, nos anos 70, para uma estratégia de ações locais e globais.

Neste período, as pesquisas ambientais delineavam um perfil catastrófico sobre os ecossistemas terrestres e os estudos ecológicos passaram a orientar os discursos, baseados, entre outros, nos conceitos prescritivos da Ecologia Aplicada. Posteriormente, observou-se a assimilação ampla nos discursos dos setores políticos convencionais, em escala mundial.

A Conferência Científica da Organização das Nações Unidas (ONU) sobre Conservação e Utilização de Recursos Naturais (UNSCCUR-USA, em 1949) foi “o primeiro marco importante na ascensão do movimento ambientalista internacional” (MCCORMICK, 1992: 53).

O relatório do Clube de Roma, sobre os ‘limites do crescimento’ (MEADOWS, 1978), causou uma grande controvérsia ao defender a paralisação do crescimento populacional, econômico e tecnológico. Com base em modelos computacionais que deram origem ao Relatório Meadows, previa-se um futuro de catástrofes ambientais, caso o processo de crescimento não fosse revertido.

Embora o relatório tenha sido muito criticado por sua inconsistência e excessos nas previsões, isto é, pelo seu caráter malthusiano ou neo-malthusiano, diversas questões foram trazidas para o debate posterior.

Como na Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano, em Estocolmo (1972), sendo esta, sem dúvida, um marco fundamental no crescimento do ambientalismo internacional que determinou uma transição do novo ambientalismo emocional e ocasionalmente ingênuo dos anos 60, para uma perspectiva mais racional, política e global dos anos 70 (MCCORMICK, 1992).

Na década de 80, foi dada continuidade às questões anteriores por meio do relatório “Nosso Futuro Comum” (BRUNDTLAND, 1991), que resultou na Conferência das Nações Unidas sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento (CNUMAD) no Rio de Janeiro em 1992.

Com uma visão crítica deste documento, Coutinho afirma que a ciência seria a grande redentora, segundo o relatório Brundtland, pois dependeria dela a realização do potencial tecnológico na solução dos problemas ambientais. Começa a se usar tecnologicismo e inovação como apanágio da solução dos problemas ambientais gerados pelo desequilíbrio do arranjo socioeconômico.

O relatório apontava o papel que a comunidade científica e as organizações não governamentais tiveram num passado recente, recomendando manter esta aliança para a transição do desenvolvimento insustentável ao sustentável. Assim, a Ecologia Aplicada se tornaria a base do discurso tecnocrático que se diferenciaria conceitualmente do discurso de denúncia da década de 70 (COUTINHO, 1992).

Por outro lado, VIOLA & LEIS (1995) argumentam que a complexa dinâmica do ambientalismo em nível global torna este movimento histórico e ideológico não apenas um ator multidimensional, mas um ator ético-prático com grandes capacidades.

O ambientalismo seria o único movimento contemporâneo em condições de desenvolver valores e conhecimentos do novo tipo. Mais do que produzir meios para uma maior acomodação ou tolerância das diferenças, significa gerir meios para uma ativa cooperação sinérgica entre atores com interesses e perspectivas diferentes, e até mesmo contraditórias.

No campo filosófico, MORI (1994) constata que a novidade do debate ético contemporâneo seria a expansão do horizonte moral, da bioética, iniciada no final dos anos 60.

E do movimento pela libertação animal e da ética ecologista, onde a natureza na sua totalidade, passa a ter um valor intrínseco, independente da valoração humana, reivindicando uma visão não antropocêntrica ou ecocêntrica de mundo. Como diria o jurista alemão Wolf Paul, da Universidade de Frankfurt.

Ele manifesta que o pensamento jurídico precisa evoluir do antropocentrismo para o ecocentrismo.

Não se pode mais conviver com uma simbologia que produz pérolas ao ficar discutindo se lobos marinhos, leões-marinhos e focas tem personalidade jurídica ou se são classificados como coisas pelos pandecistas alemães.

Que além de recusarem ações, condenam o pagamento de custas aos demandantes das ações, que podem ser animais representados por ONGs.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

Nota da Redação: Sugerimos que leia, também, as partes anteriores desta série de artigos:

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 1/7

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 2/7

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 3/7

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 4/7

 

Referências:

ACOT, P., 1990. História da Ecologia. Rio de Janeiro: Campos.

ANDERSON, T. L. & LEAL, D., 1992. Ecologia de Livre Mercado. Rio de Janeiro/Porto Alegre: Expressão e Cultura/Instituto Liberal.

BERTALANFFY, L. V., 1977. Teoria Geral dos Sistemas. Petrópolis: Vozes.

BORNHEIM, G., 1989. Tecnologia e política. In: Anais do Seminário Universidade e Meio Ambiente: Documentos Básicos, pp. 165-167, Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ­ IBAMA.

BRUNDTLAND, G.H., 1991. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

BRÜSEKE, F. J., 1993. Para uma teoria não-linear e pluri-dimensional do desenvolvimento. In: As Ciências Sociais e a Questão Ambiental Rumo à Interdisciplinaridade (P. F. Vieira & D. Maimon, orgs.), pp. 189-216, Rio de Janeiro/Belém: Associação de Pesquisa e Ensino em Ecologia e Desenvolvimento ­ APED/Universidade Federal do Pará ­ UFPA.

CHÂTELET, F., 1994. Uma História da Razão: Entrevistas com Emile Noël. Rio de Janeiro: Zahar.

COMUNE, A. E., 1994. Meio ambiente, economia e economistas. Uma breve discussão. In: Valorando a Natureza (P. H. May & R. S. da Motta, orgs.), pp. 45-58, Rio de Janeiro: Campus.

COSTA, W. M., 1989. Bases epistemológicas da questão ambiental: determinações, mediações e contradições. In: Anais do Seminário Universidade e Meio Ambiente: Documentos Básicos, pp. 99-105, Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis/IBAMA.

COUTINHO, M., 1992. Ecologia e Pensamento Ambientalista. Uma Reflexão acerca do Tráfego de Idéias e Conceitos. Tese de Doutorado, São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais, Universidade de São Paulo.

CRAMER, J. & VAN DEN DAELE, W., 1985. Ecology an “alternative” natural science? Synthese, 65:347-400.

DESCARTES, R., 1966. Discours de la Méthode. Paris: Garnier-Flammarion.

DUPUY, J. P., 1980. Introdução à Crítica da Ecologia Política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

EDMUNDS, S. & LETEY, J., 1975. Ordenación y Gestion del Medio Ambiente. Madrid: Instituto de Estudios de Administración Local.

FERNANDEZ, M. I. T., 1995. Acerca del Ver, Pensar, Actuar y Salud. Tese de Doutorado, Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz.

FERRY, L., 1994. A Nova Ordem Ecológica: A Árvore, o Animal e o Homem. São Paulo: Ensaio.

FUCKS, M., 1992. Natureza e meio ambiente: a caminho da construção de um consenso social. In: Ecologia, Ciência e Política (M. Goldenberg, coord.), pp. 121-134, Rio de Janeiro: Revan.

HABERMAS, J., 1983. Textos Escolhidos. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

HOTTOIS, G., 1994. Vérité objective, puissance et système, solidarité. (D’ une étique pour l’age technoscientifique). Revue Transdisciplinaires en Santé, 1:69-84.

JONAS, H., 1973. Philosophical Essays: From Ancient Creed to Technological Man. Chicago/Londres: The University of Chicago Press

LADRIÈRE, J., (s/data). Ética e Pensamento Científico: Abordagem Filosófica da Problemática Ética. São Paulo: Letras & Letras.

LAGO, A. & PÁDUA, J. A., 1985. O que é Ecologia? São Paulo: Brasiliense.

LEOPOLD, A., 1949. A Sand Country Almanac and Sketches Here and There. New York: Oxford University Press.

MCCORMICK, J., 1992. Rumo ao Paraíso: A História do Movimento Ambientalista. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

MEADOWS, D. H., 1978. Limites do Crescimento.Um Relatório para o Projeto do Clube de Roma sobre o Dilema da Humanidade. Coleção Debates. São Paulo: Perspectiva.

MORI, M., 1994. L’ambiente nel dibattito etico contemporaneo. In: Costituzioni, Razionalità, Ambiente, (S. Scamuzzi, org.), pp. 91-127, Torino: Bollati-Boringhieri.

MORIN, E., 1977. O Método I: A Natureza da Natureza. Portugal: Europa-América.

MOSCOVICI, S., 1977. A Sociedade contra Natureza. Lisboa: Bertrand.

NAESS, A., 1973. The shallow and the deep, long-range ecology movement. Inquiry, 16:95-100.

ODUM, E. P., 1971. Fundamentals of Ecology. 3a ed., Filadélfia: W. B. Saunders Company.

ODUM, E. P., 1986. Ecologia. Rio de Janeiro: Ed.Guanabara.

PIAGET, J. & GARCIA, R., 1987. Psicogênese e História das Ciências. Lisboa: Dom Quixote.

PRIGOGINE, I. & STENGERS, I., 1992. Entre o Tempo e a Eternidade. São Paulo: Companhia das Letras.

RIBEIRO, G. L., 1992. Ambientalismo e desenvolvimento sustentado: nova ideologia/utopia do desenvolvimento. In: Meio Ambiente, Desenvolvimento e Reprodução ­ Versões da ECO 92 pp. 5-36, Rio de Janeiro: Instituto de Estudos da Religião.

ROSSET, C., 1989. A Anti-Natureza: Elementos para uma Filosofia Trágica. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo.

SCHMIDHEINY, S., 1992. Mudando de Rumo: Uma Perspectiva Empresarial Global sobre o Desenvolvimento e o Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

SCHRAMM, F. R., 1992. Ética e ecologia: algumas reflexões comuns. In: Saúde, Ambiente e Desenvolvimento: Uma Análise Interdisciplinar (M. C. Leal; P. C. Sabroza; R. H. Rodriguez & P. M. Buss, orgs.), pp. 207-216, São Paulo: Hucitec/Rio de Janeiro: Abrasco.

SCHWARZ, W. & SCHWARZ, D., 1990. Ecologia: Alternativa para o Futuro. São Paulo: Paz e Terra.

SINGER, P., 1994. Ética Prática. São Paulo: Martins Fontes.

TAUK-TORNISIELO, S. M.1995. Análise ambiental: os princípios da interdisciplinaridade. In: Análise Ambiental. Estratégias e Ações (S. M. Tauk-Tornisiello; N. Gobbi; C. Foresti & S. T. Lima, orgs.), pp. 9-17, São Paulo: T. A. Queiroz/Editora da Universidade Estadual Paulista.

THOMAS, K., 1989. O Homem e o Mundo Natural. Mudanças de Atitudes em Relação às Plantas e aos Animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras.

VIOLA, E. 1992. O movimento ambientalista no Brasil (1971-1991): da denúncia e conscientização pública para a institucionalização e o desenvolvimento sustentável. In: Ecologia, Ciência e Política (M. Goldenberg, coord.), pp. 49-75, Rio de Janeiro: Revan.

VIOLA, E. J. & LEIS, H. R., 1991. Desordem global da Biosfera e a nova ordem internacional: o papel organizador do ecologismo. In: Ecologia e Política Mundial (H. R. Leis, org.), pp. 23-50. Rio de Janeiro: Vozes.

VIOLA, E. J. & LEIS, H. R., 1995. O ambientalismo multissetorial no Brasil para além da Rio-92: o desafio de uma estratégia globalista viável. In: Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cidadania: Desafios para as Ciências Sociais (UFSC, ed.), pp. 134-160, São Paulo: Cortez/Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina.

SILVA, Elmo Rodrigues, SCHRAMM, Fermin Roland, A questão ecológica: entre a ciência e a ideologia/utopia de uma época, Cad. Saúde Pública vol. 13 n. 3 Rio de Janeiro Jul./Sep. 1997, http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1997000300002

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/08/2018

[cite]

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top