A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 1/7, artigo de Roberto Naime

artigo

[EcoDebate] SILVA et al (1997) propõem que a questão ambiental deve ser compreendida através das relações e interpretações que se estabeleceram historicamente entre o homem e a natureza.

ROSSET (1989) argumenta que as filosofias (apesar de um certo arbítrio) são classificáveis em “naturalistas” e “artificialistas”. Considera que, na história da filosofia ocidental, este é o caso de dois breves períodos, nos quais o pensamento artificialista representou oficialmente a filosofia, na ausência momentânea de qualquer paisagem naturalista oferecida à crença dos homens pela imaginação filosófica.

Deste modo, essas lacunas da paisagem naturalista seriam suficientemente possantes para engendrar filosofias artificialistas, ou seja, haveria um momento de “depressão filosófica” intercalando-se entre a derrocada de uma representação naturalista e a reorganização de uma nova, a qual estaria encarregada de assegurar a importância dos temas naturalistas interrompidos temporariamente.

A história da filosofia ocidental, segundo o autor, conheceu duas grandes depressões: a pré-socrática, após a ruína da representação animista e antes do naturalismo antigo de Platão e Aristóteles e a pré-cartesiana, após a ruína do aristotelismo e antes da reconstituição de um naturalismo moderno por Descartes, Locke e Rosseau (ROSSET, 1989).

Um outro mundo é possível. Ocorre enfatizar que nada é contra a livre-iniciativa. Que sem dúvida sempre foi e parece que sempre será o sistema que melhor recepciona a liberdade e a democracia.

Mas uma nova autopoiese sistêmica para o arranjo social, é urgente. Que transcenda posicionamentos meramente filosóficos.

Habermas considera que a racionalização progressiva da sociedade está ligada à institucionalização do progresso científico e técnico, através do qual as próprias instituições modificam-se e antigas legitimações desmontam-se. Portanto, “secularização” e “desenfeitiçamento” das imagens do mundo são a contrapartida de uma racionalidade crescente do agir social (HABERMAS, 1983).

Ao se referir à ciência contemporânea, Hottois prefere empregar o termo tecnociência pois este destaca a estreita ligação entre o técnico e o epistêmico, a ação e a cognição, assim como a ruptura com o antigo projeto filosófico do saber.

A tecnociência, para ele produziu um mito evolucionista que vê a física, a biologia e as tecnologias da inteligência sob um ângulo sistemista e operacionalista, destacando que o mito tecnocientífico busca se desenvolver de “forma absolutizada ou autonomizada”, fora de toda consideração antropológica e, bem entendida, ética (HOTTOIS,1994).

Deste modo, para tentar melhor compreender todas as rápidas transformações ocorridas nas relações homem/natureza e suas implicações ético-filosóficas, sociais, ambientais e políticas, pode-se buscar na instauração do mundo moderno, ou seja, na passagem dos séculos XVI para o XVII, as bases do projeto atual de dominação da natureza pelo saber-fazer tecnocientífico. Que mistifica este posicionamento como ciência isenta, como se isto fosse possível.

Com as descobertas do século XVI, um período de transformações profundas surge no Ocidente. Como escreve Châtelet, “o recomeço da filosofia nos séculos XVI e XVII está ligado ao aparecimento de um outro contexto, o da ciência” (CHÂTELET, 1994:53).

Discursos inovadores são elaborados então, num contexto científico incipiente, através de diversos pensadores, entre eles, Francis Bacon (1561-1626). Precocemente, Bacon registrou o que seria marcado pelo século do “artificialismo” (da metade do século XVI à metade do XVII), ao afirmar que: “preconceito é olhar a arte como uma espécie de apêndice da natureza. As coisas artificiais não diferem das naturais nem pela forma nem pela essência, mas somente pela causa eficiente. E quando as coisas são dispostas para produzir um determinado efeito, pouco importa que isso se faça com ou sem o homem” (ROSSET, 1989: 64-65). Desta forma, estavam lançadas as bases científicas para a intervenção técnica sobre os processos naturais.

A experiência e os sentidos passaram a ser utilizados na validação de hipóteses, constituindo, deste modo, um marco na revolução científica que separa a Idade Medieval do Mundo Moderno.

Nicolau Copérnico (1473-1543) e Andrès Vesalio (1514-1564), entre outros, ao utilizarem o método experimental e indutivo, estão entre os pioneiros na aplicação do novo método científico que revolucionará ideias e comportamentos.

Giordano Bruno (1562-1600) demonstrou o significado que este método e a cosmologia copernicana representaram para a nova visão de mundo que se instaurava. “os deuses deram ao homem o intelecto e as mãos) outorgando-lhe poder sobre os demais animais. Eles supõem não só que o homem seja capaz de atuar conforme a sua própria natureza mas que também possa operar à margem das leis naturais, para deste modo triunfar mantendo-se como deus da terra” (Bruno, 1852 apud EDMUNDS & LETEY, 1975:37).

Parece chato discussão filosófica. Mas aqui começa a se entender porque o distanciamento tecnologicista de qualquer sistema político com a natureza.

A abordagem sociológica e antropológica alicerça movimentos da sociedade que propugnam alterações ideológicas como apanágios para a solução de problemas ambientais.

Não ocorre encaminhamento de soluções, pois tanto vertentes socialistas como da livre iniciativa rezam pela cartilha de crescimento permanente como forma de incrementar círculos econômicos virtuosos.

E a raiz destas posições, sejam socialistas ou de livre iniciativa, está assentada em outras abordagens. Começa com o homem se considerando um Deus na terra.

Referências:

ACOT, P., 1990. História da Ecologia. Rio de Janeiro: Campos.

ANDERSON, T. L. & LEAL, D., 1992. Ecologia de Livre Mercado. Rio de Janeiro/Porto Alegre: Expressão e Cultura/Instituto Liberal.

BERTALANFFY, L. V., 1977. Teoria Geral dos Sistemas. Petrópolis: Vozes.

BORNHEIM, G., 1989. Tecnologia e política. In: Anais do Seminário Universidade e Meio Ambiente: Documentos Básicos, pp. 165-167, Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis ­ IBAMA.

BRUNDTLAND, G.H., 1991. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

BRÜSEKE, F. J., 1993. Para uma teoria não-linear e pluri-dimensional do desenvolvimento. In: As Ciências Sociais e a Questão Ambiental Rumo à Interdisciplinaridade (P. F. Vieira & D. Maimon, orgs.), pp. 189-216, Rio de Janeiro/Belém: Associação de Pesquisa e Ensino em Ecologia e Desenvolvimento ­ APED/Universidade Federal do Pará ­ UFPA.

CHÂTELET, F., 1994. Uma História da Razão: Entrevistas com Emile Noël. Rio de Janeiro: Zahar.

COMUNE, A. E., 1994. Meio ambiente, economia e economistas. Uma breve discussão. In: Valorando a Natureza (P. H. May & R. S. da Motta, orgs.), pp. 45-58, Rio de Janeiro: Campus.

COSTA, W. M., 1989. Bases epistemológicas da questão ambiental: determinações, mediações e contradições. In: Anais do Seminário Universidade e Meio Ambiente: Documentos Básicos, pp. 99-105, Brasília: Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis/IBAMA.

COUTINHO, M., 1992. Ecologia e Pensamento Ambientalista. Uma Reflexão acerca do Tráfego de Idéias e Conceitos. Tese de Doutorado, São Paulo: Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Sociais, Universidade de São Paulo.

CRAMER, J. & VAN DEN DAELE, W., 1985. Ecology an “alternative” natural science? Synthese, 65:347-400.

DESCARTES, R., 1966. Discours de la Méthode. Paris: Garnier-Flammarion.

DUPUY, J. P., 1980. Introdução à Crítica da Ecologia Política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

EDMUNDS, S. & LETEY, J., 1975. Ordenación y Gestion del Medio Ambiente. Madrid: Instituto de Estudios de Administración Local.

FERNANDEZ, M. I. T., 1995. Acerca del Ver, Pensar, Actuar y Salud. Tese de Doutorado, Rio de Janeiro: Escola Nacional de Saúde Pública, Fundação Oswaldo Cruz.

FERRY, L., 1994. A Nova Ordem Ecológica: A Árvore, o Animal e o Homem. São Paulo: Ensaio.

FUCKS, M., 1992. Natureza e meio ambiente: a caminho da construção de um consenso social. In: Ecologia, Ciência e Política (M. Goldenberg, coord.), pp. 121-134, Rio de Janeiro: Revan.

HABERMAS, J., 1983. Textos Escolhidos. Coleção Os Pensadores. São Paulo: Abril Cultural.

HOTTOIS, G., 1994. Vérité objective, puissance et système, solidarité. (D’ une étique pour l’age technoscientifique). Revue Transdisciplinaires en Santé, 1:69-84.

JONAS, H., 1973. Philosophical Essays: From Ancient Creed to Technological Man. Chicago/Londres: The University of Chicago Press

LADRIÈRE, J., (s/data). Ética e Pensamento Científico: Abordagem Filosófica da Problemática Ética. São Paulo: Letras & Letras.

LAGO, A. & PÁDUA, J. A., 1985. O que é Ecologia? São Paulo: Brasiliense.

LEOPOLD, A., 1949. A Sand Country Almanac and Sketches Here and There. New York: Oxford University Press.

MCCORMICK, J., 1992. Rumo ao Paraíso: A História do Movimento Ambientalista. Rio de Janeiro: Relume-Dumará.

MEADOWS, D. H., 1978. Limites do Crescimento.Um Relatório para o Projeto do Clube de Roma sobre o Dilema da Humanidade. Coleção Debates. São Paulo: Perspectiva.

MORI, M., 1994. L’ambiente nel dibattito etico contemporaneo. In: Costituzioni, Razionalità, Ambiente, (S. Scamuzzi, org.), pp. 91-127, Torino: Bollati-Boringhieri.

MORIN, E., 1977. O Método I: A Natureza da Natureza. Portugal: Europa-América.

MOSCOVICI, S., 1977. A Sociedade contra Natureza. Lisboa: Bertrand.

NAESS, A., 1973. The shallow and the deep, long-range ecology movement. Inquiry, 16:95-100.

ODUM, E. P., 1971. Fundamentals of Ecology. 3a ed., Filadélfia: W. B. Saunders Company.

ODUM, E. P., 1986. Ecologia. Rio de Janeiro: Ed.Guanabara.

PIAGET, J. & GARCIA, R., 1987. Psicogênese e História das Ciências. Lisboa: Dom Quixote.

PRIGOGINE, I. & STENGERS, I., 1992. Entre o Tempo e a Eternidade. São Paulo: Companhia das Letras.

RIBEIRO, G. L., 1992. Ambientalismo e desenvolvimento sustentado: nova ideologia/utopia do desenvolvimento. In: Meio Ambiente, Desenvolvimento e Reprodução ­ Versões da ECO 92 pp. 5-36, Rio de Janeiro: Instituto de Estudos da Religião.

ROSSET, C., 1989. A Anti-Natureza: Elementos para uma Filosofia Trágica. Rio de Janeiro: Espaço e Tempo.

SCHMIDHEINY, S., 1992. Mudando de Rumo: Uma Perspectiva Empresarial Global sobre o Desenvolvimento e o Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas.

SCHRAMM, F. R., 1992. Ética e ecologia: algumas reflexões comuns. In: Saúde, Ambiente e Desenvolvimento: Uma Análise Interdisciplinar (M. C. Leal; P. C. Sabroza; R. H. Rodriguez & P. M. Buss, orgs.), pp. 207-216, São Paulo: Hucitec/Rio de Janeiro: Abrasco.

SCHWARZ, W. & SCHWARZ, D., 1990. Ecologia: Alternativa para o Futuro. São Paulo: Paz e Terra.

SINGER, P., 1994. Ética Prática. São Paulo: Martins Fontes.

TAUK-TORNISIELO, S. M., 1995. Análise ambiental: os princípios da interdisciplinaridade. In: Análise Ambiental. Estratégias e Ações (S. M. Tauk-Tornisiello; N. Gobbi; C. Foresti & S. T. Lima, orgs.), pp. 9-17, São Paulo: T. A. Queiroz/Editora da Universidade Estadual Paulista.

THOMAS, K., 1989. O Homem e o Mundo Natural. Mudanças de Atitudes em Relação às Plantas e aos Animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras.

TOYNBEE, A., 1982. A Humanidade e a Mãe-Terra. Rio de Janeiro: Zahar.

VIOLA, E. 1992. O movimento ambientalista no Brasil (1971-1991): da denúncia e conscientização pública para a institucionalização e o desenvolvimento sustentável. In: Ecologia, Ciência e Política (M. Goldenberg, coord.), pp. 49-75, Rio de Janeiro: Revan.

VIOLA, E. J. & LEIS, H. R., 1991. Desordem global da Biosfera e a nova ordem internacional: o papel organizador do ecologismo. In: Ecologia e Política Mundial (H. R. Leis, org.), pp. 23-50. Rio de Janeiro: Vozes.

VIOLA, E. J. & LEIS, H. R., 1995. O ambientalismo multissetorial no Brasil para além da Rio-92: o desafio de uma estratégia globalista viável. In: Meio Ambiente, Desenvolvimento e Cidadania: Desafios para as Ciências Sociais (UFSC, ed.), pp. 134-160, São Paulo: Cortez/Florianópolis: Editora da Universidade Federal de Santa Catarina.

SILVA, Elmo Rodrigues, SCHRAMM, Fermin Roland, A questão ecológica: entre a ciência e a ideologia/utopia de uma época, Cad. Saúde Pública vol. 13 n. 3 Rio de Janeiro Jul./Sep. 1997, http://dx.doi.org/10.1590/S0102-311X1997000300002

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/07/2018

A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 1/7, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 19/07/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/07/19/a-questao-ambiental-entre-a-ciencia-e-a-ideologia-parte-17-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “A questão ambiental entre a ciência e a ideologia, Parte 1/7, artigo de Roberto Naime

  1. Me interesaria leer el articulo de Roberto Naime completo y no por capitulos para poder luego citarlo. No esta en Internet?

  2. Prezado Juan,

    O artigo não está disponível porque é inédito e foi concebido para ser publicado em partes, em razão de seu tamanho.

    Atenciosamente

    Redação Ecodebate

Comentários encerrados.

Top