Especialistas debatem violações de direitos humanos na mídia brasileira

 

câmera de tv

 

As violações de direitos na mídia brasileira, principalmente em relação a crianças e adolescentes, foram debatidas ontem (18) no último dia do seminário Andi 21 anos – A Mídia Brasileira e os Direitos Humanos: Avanços e Desafios, realizado em Brasília nesta semana. Um dos assuntos abordados foi a aprovação, na comissão especial, da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 171/1993, que reduz a maioridade penal de 18 para 16 anos, e sua relação com os chamados “programas policialescos” e as mídias que tratam o adolescente autor de ato infracional como bandido.

Presidente do Conselho Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente (Conanda) e secretária Nacional dos Direitos da Criança e do Adolescente, da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República, Angelica Moura Goulart disse que a sociedade civil precisa se organizar para conseguir derrubar a proposta, que será votada no plenário da Câmara no dia 30. Como se trata de PEC, para ser aprovada são necessários os votos favoráveis de, no mínimo, 308 dos 513 deputados.

No primeiro dia de debates do seminário da Andi, o assunto foi tema central das discussões.

“O que temos hoje é uma situação de constatação e impotência diante das aberrações na mídia, principalmente em relação a crianças e adolescentes. O fato de ter cometido ato infracional não retira desses meninos o direito de cidadão. Isso não fica claro e as organizações ficam sem recursos para enfrentar a enxurrada de violações [na mídia]”, informou Goulart.

De acordo com a diretora da Andi, Miriam Pragita, no segundo semestre deste ano a entidade apresentará um trabalho de pesquisa de monitoramento de violações na mídia que, segundo ela, revelam um constante desrespeito à legislação brasileira sobre o respeito aos direitos humanos.

Para a presidente do Conanda, “esse instrumento será uma celebração para o momento de retrocessos, de falta de entendimento. Grande parte do que assistimos é uma campanha da mídia para derrubar, desconstruir princípios construídos nos últimos 25 anos”, explicou Goulart. Ele destacou que o trabalho poderá basear qualquer confrontação com os meios de comunicação que argumentam que regular a mídia é fazer censura.

Presidente da Associação Brasileira de Magistrados, Promotores de Justiça e Defensores Públicos da Infância e da Juventude, Maria Roseli Guiessmann afirmou que a mídia tem o papel fundamental de assegurar os direitos das crianças e adolescentes, inclusive para esclarecer que eles são punidos e podem ser presos quando cometerem alguma infração.

“Apesar do Estatuto da Criança e do Adolescente [ECA] colocar internação e não prisão, parece até uma tarefa impossível levar ao conhecimento da população que temos crianças trancadas o dia todo em uma cela. São vários termos que levam a sociedade a acreditar que não há nenhuma responsabilização. É inquestionável o poder da mídia de passar essas informações.”

Guiessmann acrescentou que o ECA é descumprido nessas situações, já que a internação deveria vir acompanhada de medidas socioeducativas para reinserção dos adolescentes na sociedade.

Também foram debatidos hoje os instrumentos atuais de regulação da mídia, entre eles a classificação indicativa de programas do Ministério da Justiça, o papel fiscalizador do Ministério das Comunicações e da Anatel e a autorregulação dos próprios veículos.

Para a coordenadora executiva do Intervozes, Bia Barbosa, é necessário um acompanhamento sistemático dos meios de comunicação, publicizar os casos de violação apurados, punir com instrumentos mais efetivos e multas mais altas os veículos, inclusive com suspensão da outorga, e informar a população sobre os canais de denúncia.

“Precisamos desconstruir a ideia de que regulação é censura. Se conseguirmos a classificação indicativa desses programas, já será um avanço. Algumas coisas não poderiam sequer passar na televisão. Isso é proteger as crianças, proteger os direitos humanos e não cercear a liberdade de expressão. O discurso da maioridade penal é inflado pelos programas policialescos”, concluiu Bia.

Por Andreia Verdélio, da Agência Brasil.

Publicado no Portal EcoDebate, 19/06/2015


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Um comentário em “Especialistas debatem violações de direitos humanos na mídia brasileira

  1. Há que dar Educação a 100% das crianças e adolescentes, para evitar que estes cometam crimes hediondos, e consequentemente o encarceramento destes.
    Quem defende que não se deve encarcerar adolescentes por crimes hediondos, é aquele que nunca teve um familiar, um amigo ou um conhecido assassinado por um criminoso menor de idade.
    O tipo de regulação que é pretendido neste texto, é naturalmente censurar a liberdade de expressão.
    Não devemos esquecer que temos uma taxa de homicídio nacional a roçar os 30 por 100 mil moradores, o que nos dá cerca de 60.000 homicídios ano. Há que trabalhar para combater esta alta violência e não concentramo-nos na censura dos mídia.

Comentários encerrados.

Top