‘O pessoal desaprendeu a jogar tomate’, diz criador da ONG Projeto Baleia Franca, José Truda Palazzo Jr.

''O pessoal desaprendeu a jogar tomate'' - Expulso da ONG que criou, o Projeto Baleia Franca, ele afirma que ativistas se deslumbraram com o poder e perderam a verve. Expulso da entidade que ele mesmo criou, o ambientalista e jardineiro José Truda Palazzo Jr., de 46 anos, diz que ainda acredita nas organizações não governamentais de "fundo de quintal". Por criticar instituições que ?se vendem por patrocínio?, Truda chegou a ser

Um encrenqueiro a menos no front ambiental, artigo de Marcos Sá Corrêa

[O Estado de S. Paulo] Do gaúcho José Palazzo Truda, o mínimo que se pode dizer é que ele sempre foi um legítimo encrenqueiro. Pertence à melhor linhagem do ambientalismo brasileiro, a que comprava qualquer briga em favor da natureza. Logo, a uma espécie a caminho da extinção, condenada à obsolescência política pelas verbas oficiais e às rédeas partidárias que trata as ONGs verdes como marionetes do governo. Em outras palavras,

Uma demão de verde: os laços entre grupos ambientais, governos e grandes negócios, artigo de Andréa Rabinovici

Sucesso e suspeita caminham juntos; a percepção, a análise e interpretação dos fatos relacionados ao sucesso às vezes demoram um pouco... O ambientalismo, seus protagonistas individuais e institucionalizados, principalmente em Organizações Não Governamentais (ONGs), têm ganhado importância e visibilidade crescentes desde a década de 1960. Um campo por definição transversal, que lida com assuntos globais e com questões das quais depende o futuro de todos no planeta, tem merecido atenção. Muito

Decreto restringe entrada de ONGs e missionários em terras indígenas

Texto obriga religiosos e cientistas a submeterem seus projetos à prévia análise do Ministério da Justiça Um decreto à espera da assinatura do presidente Luiz Inácio Lula da Silva criará restrições para a entrada de pesquisadores, missionários e organizações não-governamentais em terras indígenas. O texto obriga os religiosos, cientistas e ONGs a submeterem seus projetos à prévia análise do Ministério da Justiça. Se a reserva estiver próxima à faixa de fronteira

Quem vai julgar qual organização poderá atuar?, pergunta D. Tomás Balduíno

Para d. Tomás, questão não é técnica e decisão deveria caber a um conselho, com ampla participação dos índios Quem vai definir qual pesquisador, missionário ou organização poderá entrar em terras indígenas? Essa é a preocupação do bispo d. Tomás Balduíno, assessor do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), organização vinculada à Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e que ele ajudou a fundar, no ano de 1972 - em plena ditadura

Conselho Geral da Tribo Sateré-Mawé (CGTSM) denuncia ação irregular de ONG e empresa francesas que exploram guaraná

A COIAB recebeu, ontem, (10/11) denúncias do Conselho Geral da Tribo Sateré-Mawé (CGTSM) contra o italiano Maurício Frabonne, articulador de um consórcio empresarial encabeçado pela Associação de Consultoria e Pesquisa Indianista da Amazônia (ACOPIAMA). Este consórcio comercializa produtos industrializados e derivados do Guaraná, fruta típica da Terra Indígena Andirá/Marau, localizada no município de Parintins, Maués e Barreirinha (AM). A patente do guaraná pertence ao povo Sateré-Mawé, que é representado judicial e

Denúncia: ONG ‘Circo de Todo Mundo’ é despejada em Belo Horizonte pelo Governo Aécio Neves e pelo Poder Judiciário

Amiga/o, eis, em anexo, DENÚNCIA grave: Em Belo Horizonte, a ONG "CIRCO DE TODO MUNDO" foi despejada pela Polícia, a mando do Joder Judiciário e do Governo Aécio Neves. Na região do Horto, na capital mineira, o Circo de Todo Mundo fazia um ótimo trabalho social e cultural com mais de 300 crianças e adolescentes em situação de risco social. Conclamos a solidariedade da sociedade civil viva e dos cidadãos e

Luta em defesa do Rio Madeira é retomada por Ongs

"NÃO entregaremos o rio Madeira. Não passarão sobre os nossos povos." Essas frases sintetizam com precisão a determinação dos participantes do Seminário-Acampamento contra a Privatização do Rio Madeira e pela Soberania da Amazônia, realizado entre os dias 16 e 18 de setembro, na área do canteiro de obras da barragem de Santo Antônio, às margens do rio Madeira, em Porto Velho (RO). A proposta de ação também é clara: retomar

A crise das ONGs e das políticas sociais, artigo de Paul Singer

Há mais de um ano as relações entre o Estado brasileiro e as organizações não-governamentais estão em estado quase catatônico, devido a um enrijecimento crescente dos controles de convênios que regem as parcerias entre ambos. [Folha de S.Paulo] As causas desse enrijecimento são múltiplas. O número de ONGs vem crescendo cada vez mais depressa, conforme os censos do IBGE das Fasfil (fundações e associações sem fins lucrativos): em 1996, havia 107.332

Nota de repúdio de Ongs e Movimentos Sociais contra a tentativa de nuclearização da América do Sul

O texto, assinado por organizações e movimentos sociais do Brasil, Argentina, Chile, Paraguai, Colômbia e Uruguai, rejeita o Pacote Nuclear desenvolvido pelos governos argentino e brasileiro, que inclui a criação de uma empresa binacional voltada para o enriquecimento de urânio, produção de radioisótopos e desenvolvimento de reatores nucleares. O assunto foi tratado em reunião entre os presidentes dos dois países na semana passada, em Brasília. 4610

Nestlé espiona ONGs ambientalistas, acusa entidade suíça

A Nestlé se envolveu em uma polêmica de espionagem com ramificação no Brasil. ONGs suíças estão acusando a empresa de ter infiltrado uma espiã entre seus militantes para obter informações sobre movimentos que possam prejudicar a multinacional. A reportagem é de Jamil Chade e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 06-08-2008. 3413

Ativistas da Amazônia questionam finalidade do recadastramento das ONGs

Setores da sociedade civil consideram positiva a iniciativa do governo em estabelecer marcos legais para a atuação do chamado terceiro setor, formado pelas organizações não-governamentais, especialmente na Amazônia, mas questionam o alcance e a clareza da finalidade da norma. De acordo com a Portaria n° 1.272, de 3 de julho de 2008, as ONGs que atuam em todo o país têm 120 dias para se recadastrar no Ministério da Justiça.

ONGs criticam propostas do governo e do Congresso para Amazônia

Representantes de organizações não-governamentais (ONGs) ambientalistas estão recolhendo assinaturas durante a 3° Conferência Nacional do Meio Ambiente contra propostas do Executivo e do Legislativo, que, segundo eles, vão aumentar a grilagem e a exploração ilegal dos recursos naturais da Amazônia. Por Luana Lourenço, da Agência Brasil. 1231

Carta pede rejeição de propostas que impactam Amazônia

Articulação de ONGs ambientalistas e movimentos sociais do campo entrega documento que repudia projeto de lei que reduz a reserva legal na Amazônia e condena medida provisória do governo que facilita compra de terras públicas Por Maurício Hashizume, da Agência de Notícias Repórter Brasil. 1230

controle militar de ONGs na Amazonia: Cerco deve atingir ONGs brasileiras. Entidades temem mais burocracia e autoritarismo

O governo pretende estender para as organizações não-governamentais (ONGs) brasileiras que atuam na Amazônia o cerco que será feito às ONGs estrangeiras. A idéia é montar um arsenal jurídico que coíba a biopirataria, a influência sobre os índios e a ocupação irregular de terras na região. A reportagem é de Felipe Recondo e publicada pelo jornal O Estado de S. Paulo, 25-04-2008. 771

Jobim anuncia controle militar de ONGs na Amazonia

'Há este conceito de que a Amazônia é um lugar livre, mas ela é território soberano brasileiro', disse o ministro - SÃO PAULO - Conforme havia antecipado o Estado, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, anunciou na quinta-feira, 24, planos para um controle militar sobre ONGs, grupos religiosos e outras entidades estrangeiras que atuam na Amazônia. O 'Estado' antecipou o anúncio nesta quinta-feira, 24. Por Reese Ewing, da Agência

Políticas Públicas no Brasil e o papel das Fundações, ONGs e OSCIPs nesta formulação, por José Roberto Guedes de Oliveira

[EcoDebate] Em razão da extensão territorial do nosso país, mais ainda, a dificuldade de locomoção em certas regiões, principalmente a amazônica, não há como exigir que o Estado possa cumprir satisfatoriamente a sua missão de política pública. Seria realmente pedir demais, para quem, ao longo da nossa história, não se preocupou com a devida ocupação da terra, em termos sociais e econômicos - muita coisa ficou à deriva. 2354

Top