NOTA PÚBLICA: A cana será devastadora para a Amazônia e insustentável para o planeta

    A Articulação das CPT’s da Amazônia denuncia, por meio de nota, a ameaça aos biomas da Amazônia e do Pantanal contida no Decreto 10.084, assinado no dia 05 de novembro. A decisão - que passa a permitir o cultivo de cana-de-açúcar para produção de etanol nos dois biomas - é apontada como mais uma das causas de aumento da grilagem de terras e das queimadas registradas no ano de 2019.

Amazônia: Substituição da floresta por pasto ou áreas de plantio tem provocado a redução do período de chuvas

    Desmatamento já reduz chuvas e pode afetar safra no sul da Amazônia IHU Estudo aponta que substituição em larga escala da floresta por pasto ou áreas de plantio tem provocado a redução do período de chuvas. Desmatamento indiscriminado pode colocar em risco prática de dupla safra na região. Somado ao efeito das mudanças climáticas e outros fatores de larga escala, o período de chuvas na região, que compreende Rondônia, sul do Amazonas, norte do Mato Grosso e sul do Pará, foi encurtado em 27 dias

Estudo da NASA indica que atividades humanas estão secando a Amazônia

  Um novo estudo da NASA mostra que, nos últimos 20 anos, a atmosfera acima da floresta amazônica está secando, aumentando a demanda por água e deixando os ecossistemas vulneráveis ​​a incêndios e secas. Também mostra que esse aumento na secura é principalmente o resultado de atividades humanas. Cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena, Califórnia, analisaram décadas de dados terrestres e de satélite sobre a floresta amazônica para

Liberação da cana na Amazônia é ‘desnecessária e perigosa’, alerta professor da USP

  Decreto que acaba com Zoneamento Agroecológico da cana-de-açúcar cria riscos para biodiversidade e imagem do bioetanol brasileiro, aponta diretor do Instituto de Biociências da USP, Marcos Buckeridge Por Herton Escobar, Jornal da USP Foto: Portal Brasil/Embrapa O presidente Jair Bolsonaro revogou no início de novembro um decreto que restringia o plantio de cana-de-açúcar na Amazônia. O Decreto 6.961, de 17 de setembro de 2009, estabelecia o Zoneamento Agroecológico (ZAE) da cana-de-açúcar no Brasil, com

Florestas amazônicas com maior diversidade evolutiva são as mais produtivas

    Diversidade evolutiva está associada à produtividade da floresta amazônica University of Leeds* Uma equipe internacional de pesquisadores liderada pela Universidade de Leeds revelou pela primeira vez que as florestas amazônicas com maior diversidade evolutiva são as mais produtivas. A equipe usou registros de longo prazo de 90 parcelas como parte da Rede de Inventário Florestal da Amazônia (RAINFOR) e ForestPlots.net para rastrear a vida e a produtividade de árvores individuais na região amazônica.

Índices de ameaça e pressão de desmatamento em áreas protegidas na Amazônia aumentam 39% em um ano, mostra Imazon

  Relatório anual feito pelo Imazon mostra as áreas de proteção da Amazônia que mais sofrem ameaça e pressão de desmatamento. Reserva Extrativista Chico Mendes, no Acre, está entre no topo do ranking Por Stefânia Costa De agosto de 2018 a julho deste ano, o Sistema de Alerta de Desmatamento do Imazon detectou um total de 5.054 km² de desmatamento na Amazônia Legal. Um novo estudo divulgado pelo instituto, que cruza esses dados

Sínodo para a Amazônia abriu o futuro, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

    [EcoDebate] O processo de preparação do Sínodo levou mais de 3 anos em território brasileiro. Foram realizados 16 seminários regionais e mais um Pan-Amazônico. Desse processo, inclusive da consulta sinodal enviada pelo Vaticano, participaram cerca de 87 mil pessoas. A primeira novidade desse Sínodo foi escutar os povos amazônidas. Portanto, houve uma mudança de interlocutores. Francisco não estava interessado em ouvir apenas autoridades, políticos, especialistas, mas ouvir a voz dos povos

Desmatamento e degradação aumentam na Amazônia em setembro deste ano, aponta monitoramento do Imazon

  Desmatamento teve um crescimento de 80% e a degradação aumentou 787% na Amazônia Legal, em comparação a setembro de 2018. Pará lidera o ranking dos estados que mais desmataram Por Stefânia Costa     De acordo com o Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, Imazon, em setembro deste ano, a Amazônia perdeu 802 km² de floresta. Os dados são do Sistema de Alerta de Desmatamento (SAD), sistema de monitoramento liderado por pesquisadores

Serviços ambientais da fauna na Amazônia, artigo de Roberto Naime

  Serviços ambientais da fauna na Amazônia [EcoDebate] Claudio Ângelo afirma que a Fauna da Amazônia presta serviço ambiental de US$ 5 trilhões ao Brasil Assim um serviço cujo valor é estimado em pelo menos US$ 5 trilhões, quase três vezes o PIB do Brasil, vai sendo literalmente abatido a tiros no norte do país. Trata-se do valor do carbono mantido na Amazônia por grandes animais, como o macaco-aranha e a anta, mortos

Participantes no Sínodo sobre a Amazônia renovam o ‘Pacto das Catacumbas’ com foco na Ecologia Integral

  Seguindo os passos de alguns dos Padres conciliares, em 1965, um grupo de participantes no Sínodo sobre a Amazônia foi às Catacumbas de Domitilla para reafirmar a opção preferencial pelos pobres. A Igreja renova, no mesmo lugar e com o mesmo espírito, o forte compromisso assinado em 16 de novembro de 1965, poucos dias antes do encerramento do Concílio Vaticano II. O texto, também conhecido como “Pacto das Catacumbas”, teve a adesão

Artigo analisa dificuldades de acesso à água potável e saneamento básico na Amazônia

    Tecnologias testadas enfrentam dificuldades impostas pela dinâmica de alagamentos da várzea, ecossistema amazônico, e também por questões culturais Por Júlia de Freitas Segundo levantamentos da ONU, cerca de 30% da população mundial não tem acesso adequado a água limpa e a serviços de saneamento e 12% ainda praticam a defecação à céu aberto. O acesso inadequado a estes serviços básicos gera, diariamente, milhares de mortes por doenças evitáveis. No Brasil, as dificuldades de

Amazônia – Como e porque a ciência defende a floresta. Entrevista com Carlos Afonso Nobre

    IHU Hoje, na Amazônia, é possível alcançar “um equilíbrio entre o saber tradicional e a ciência e a tecnologia modernas”, de modo a oferecer ao mundo um modelo econômico capaz de conciliar desenvolvimento e defesa da floresta. A reportagem é de Sergio Suchodolak, publicada em L’Osservatore Romano, 11-10-2019. A tradução é de Moisés Sbardelotto. Quem está convencido disso é o cientista brasileiro Carlos Afonso Nobre, Prêmio Nobel da Paz em 2007 e membro da Comissão de Ciências Ambientais do Conselho Nacional de Desenvolvimento

Top