Proposta de rastreabilidade e monitoramento para o ouro brasileiro

 

ouro
Foto: EBC

Proposta de rastreabilidade e monitoramento para o ouro brasileiro

Iniciativa defende a adoção de soluções tecnológicas por setores envolvidos na cadeia do ouro, que podem ser facilmente adotadas pelo governo e por empresas para conferir maior segurança às operações

Uma proposta de rastreabilidade para a cadeia do ouro foi apresentada pelo Instituto Escolhas no estudo Blockchain, rastreabilidade e monitoramento para o ouro brasileiro. A implementação da proposta pode otimizar as ações de fiscalização e frear o comércio ilegal do minério no país, aumentando a transparência em todo o setor. O sistema se apoia sobre tecnologias de ponta para transformar o cenário da produção e comercialização de ouro no Brasil.

“É possível, sim, rastrear a origem do ouro. Já existem tecnologias para isso, precisamos agora adotar os processos. E muita coisa pode mudar. Poderemos combater a derrubada da floresta, a poluição dos rios e a violação recorrente dos direitos indígenas, que são as populações mais diretamente atingidas pela exploração e o comércio de ouro ilegal”, explica Larissa Rodrigues, gerente de portfólio do Escolhas e coordenadora do projeto que deu origem à proposta.

Na proposta do Escolhas, o sistema de rastreabilidade e monitoramento do ouro usa a tecnologia DLT (Distributed Ledger Technology), que funciona como um banco de dados no qual as informações inseridas são registradas em blockchain. Uma outra inovação trazida pela proposta é a marcação física do ouro com isótopos de prata logo após a extração do metal. Essa marcação cria uma espécie de código de barras molecular, que se mantém mesmo após o refino, e já é utilizada em outros países.

O estudo detalha, ainda, a documentação que deve ser adotada para registrar a movimentação do ouro e em que etapas cada um desses documentos deve ser registrado digitalmente no sistema, cuja implementação e gestão caberia à Agência Nacional de Mineração (ANM). Outras instituições como o Banco Central e a Receita Federal e órgãos – a exemplo da Funai, o ICMBio e o Inpe – também teriam suas bases de dados conectadas ao sistema.

Embora robusto, o sistema lança mão de estruturas e agentes que já estão estabelecidos, o que facilita a sua implementação pelo poder público. Enquanto isso não acontece, no entanto, o trabalho idealizado pelo Escolhas traz uma série de ações que já podem ser levadas adiante pelo setor privado para garantir que o ouro utilizado em seus produtos não tenha origem na destruição da Floresta Amazônica e das vidas dos povos originários.

“Além da adoção desse sistema, precisamos com urgência alterar a lei que impulsiona a ‘lavagem do ouro’, ao estabelecer que as transações entre garimpos e instituições financeiras são feitas de boa-fé. O que vemos na prática é justamente o contrário. O mercado inundado por ouro de origem duvidosa e a invasão ilegal de Terras Indígenas”, ressalta Rodrigues. “Diante da situação de violência e de destruição ambiental que se instaurou na Amazônia, os países importadores precisam também classificar o Brasil como uma área de conflitos e alto risco para suas importações de ouro”, finaliza.

Para acessar o estudo, clique em Blockchain, rastreabilidade e monitoramento para o ouro brasileiro.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/06/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe um comentário

Top