Secas crescentes ameaçam a humanidade e os ecossistemas

 

Secas crescentes ameaçam a humanidade e os ecossistemas

A seca é um dos desastres naturais mais destrutivos em termos de impactos na agricultura e segurança alimentar, ecossistemas, saúde humana e recursos hídricos. 

Exacerbadas pela degradação da terra e mudanças climáticas, as secas estão aumentando em frequência e gravidade, 29% desde 2000, com 55 milhões de pessoas afetadas a cada ano.

Quando mais de 2,3 bilhões de pessoas já enfrentam estresse hídrico, isso é um grande problema. Nenhum país está imune.

Este ano, o tema do Dia Internacional Contra a Desertificação e a Seca , em 17 de junho, é “Recordar juntos da seca”. Enfatiza a necessidade de uma ação precoce para evitar consequências desastrosas para a humanidade e os ecossistemas planetários.

A OMM está na vanguarda das iniciativas para combater a seca de forma pró-ativa e integrada . A OMM e a Global Water Partnership (GWP) co-patrocinam o Programa Integrado de Gestão da Seca (IDMP) e fazem parceria com cerca de 40 organizações parceiras. O IDMP desenvolveu os três pilares da gestão integrada da seca: 1) alerta precoce e monitoramento da seca, 2) vulnerabilidade à seca e avaliações de risco e 3) mitigação de risco, preparação e resposta.

De maneira mais geral, a OMM está trabalhando para estender a cobertura dos serviços de alerta precoce – inclusive para enchentes e secas e tempestades de areia e poeira e para fortalecer o sistema de observação hidrológica como parte de uma Coalizão Água e Clima mais ampla.

Desertificação e dia de seca

Os desafios estão crescendo.

“Houve uma diminuição da umidade do solo em muitas partes do mundo e isso é muito impressionante quando se trata de produção agrícola. Vimos um aumento no derretimento das geleiras, o que significa que estamos recebendo menos água doce nos rios. Vimos mudanças nos padrões de chuva. Algumas partes do mundo estão ficando mais secas e algumas partes do mundo têm mais problemas de inundação”, diz o secretário-geral da OMM, Prof. Petteri Taalas.

“Secas recentes apontam para um futuro precário para o mundo. A escassez de alimentos e água, bem como os incêndios florestais causados ​​pela seca severa, intensificaram-se nos últimos anos”, diz Ibrahim Thiaw, Secretário Executivo da Convenção das Nações Unidas sobre Desertificação e Seca.

O evento deste ano é organizado pelo governo da Espanha. A Espanha – como toda a região mediterrânea – é vulnerável à seca, escassez de água e impactos relacionados às mudanças climáticas. Este ano não é exceção. A península ibérica foi tomada esta semana por uma onda de calor incomum e intensa que está se espalhando do norte da África pela Europa.

O serviço nacional de meteorologia e hidrologia espanhol AEMET  disse que as temperaturas no interior do país ultrapassaram os 40°C. Altas temperaturas e seca combinadas em um risco extremo de incêndio para grande parte da Espanha e parte de Portugal. O Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA)  registou o Maio mais quente desde 1931 e a grave situação de seca está a afectar 97% do território.

A França viu seu maio mais quente e seco já registrado. Grandes áreas do sudeste da Europa Central ao noroeste do Mar Negro também estão sofrendo com a seca.

Do outro lado do Atlântico, grande parte do oeste dos EUA está enfrentando o segundo ou terceiro ano consecutivo de seca (dependendo da região), com temores de um crescente estresse hídrico na temporada de verão. Os dois maiores reservatórios dos EUA, Lake Mead e Lake Powell, no Arizona, estão atualmente nos níveis mais baixos desde que foram preenchidos: ambos estão um pouco abaixo de 30% da capacidade, segundo o US Drought Monitor.

Agências meteorológicas, incluindo a OMM, e parceiros humanitários emitiram um alerta conjunto de que a ameaça de fome na África Oriental surge após quatro estações chuvosas fracassadas e que a situação deve piorar. A atual seca extrema, generalizada e persistente de várias estações que afeta a Somália, as terras áridas e semi-áridas do Quênia e as áreas pastorais do leste e do sul da Etiópia, é sem precedentes. Quatro estações chuvosas consecutivas falharam, um evento climático não visto em pelo menos 40 anos.

As últimas previsões sazonais de longo prazo, apoiadas por um amplo consenso de especialistas em meteorologia, indicam que agora existe um risco concreto de que a estação chuvosa de outubro-dezembro (OND) também possa falhar. Caso essas previsões se concretizem, a já grave emergência humanitária na região se aprofundará ainda mais, disse.

Detalhes sobre Desertificação e Dia da Seca estão aqui

 

Fonte: OMM

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 17/06/2022

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top