Degelo extremo na Groenlândia aumenta o risco de inundação global

 

Degelo na Groenlândia
Degelo na Groenlândia. Foto: Centre for Polar Observation and Modelling, University of Leeds

Degelo extremo na Groenlândia aumenta o risco de inundação global

O aquecimento global fez com que eventos extremos de degelo na Groenlândia se tornassem mais frequentes e intensos nos últimos 40 anos, de acordo com novas pesquisas, aumentando o nível do mar e o risco de inundações em todo o mundo.

University of Leeds*

Somente na última década, 3,5 trilhões de toneladas de gelo derreteram da superfície da ilha e fluíram para o oceano. Isso é gelo derretido suficiente para cobrir todo o Reino Unido com cerca de 15 metros de água derretida, ou cobrir toda a cidade de Nova York com cerca de 4.500 metros.

O novo estudo, liderado pela Universidade de Leeds, é o primeiro a usar dados de satélite para detectar esse fenômeno – conhecido como escoamento da camada de gelo – do espaço.

As descobertas, publicadas na Nature Communications, revelam que o escoamento da água de degelo na Groenlândia aumentou 21% nas últimas quatro décadas e se tornou 60% mais irregular de um verão para o outro.

O autor principal, Dr. Thomas Slater, pesquisador do Centro de Observação e Modelagem Polar da Universidade de Leeds, disse:

“Como vimos em outras partes do mundo, a Groenlândia também é vulnerável a um aumento de eventos climáticos extremos.

“À medida que nosso clima aquece, é razoável esperar que os casos de derretimento extremo na Groenlândia aconteçam com mais frequência – observações como essas são um passo importante para nos ajudar a melhorar os modelos climáticos e prever melhor o que acontecerá neste século.”

O estudo, financiado pela Agência Espacial Europeia (ESA) como parte de seu projeto de Viabilidade de Balanço de Massa Polar + Superfície, usou medições da missão do satélite CryoSat-2 da ESA.

A pesquisa mostra que, na última década (2011 a 2020), o aumento do escoamento da água de degelo da Groenlândia elevou o nível do mar global em um centímetro. Um terço desse total foi produzido em apenas dois verões quentes (2012 e 2019), quando as condições climáticas extremas levaram a níveis recordes de derretimento de gelo nunca vistos nos últimos 40 anos.

O aumento do nível do mar causado pelo derretimento do gelo aumenta o risco de inundações para as comunidades costeiras em todo o mundo e perturba os ecossistemas marinhos do Oceano Ártico, dos quais as comunidades indígenas dependem para se alimentar.

Ele também pode alterar os padrões de circulação oceânica e atmosférica que afetam as condições climáticas em todo o planeta.

Durante a última década, o escoamento da Groenlândia foi em média de 357 bilhões de toneladas por ano, atingindo um máximo de 527 bilhões de toneladas de gelo derretido em 2012, quando mudanças nos padrões atmosféricos fizeram com que um ar excepcionalmente quente ocupasse grande parte do manto de gelo. Isso foi mais do que o dobro do escoamento mínimo de 247 bilhões de toneladas ocorrido em 2017.

As mudanças estão relacionadas a eventos climáticos extremos, como ondas de calor, que se tornaram mais frequentes e agora são a principal causa da perda de gelo da Groenlândia por causa do escoamento que produzem.

O Dr. Slater disse: “Existem, no entanto, razões para ser otimista. Sabemos que definir e cumprir metas significativas para reduzir as emissões poderia reduzir as perdas de gelo da Groenlândia por um fator de três, e ainda há tempo para isso ”.

Essas primeiras observações do escoamento da Groenlândia do espaço também podem ser usadas para verificar como os modelos climáticos simulam o derretimento da camada de gelo que, por sua vez, permitirá melhores previsões de quanto a Groenlândia aumentará o nível do mar global no futuro à medida que eventos climáticos extremos se tornem mais comuns.

O coautor do estudo, o Dr. Amber Leeson, professor sênior em Ciência de Dados Ambientais na Universidade de Lancaster, disse:

“As estimativas do modelo sugerem que a camada de gelo da Groenlândia contribuirá com cerca de 3 a 23 cm para o aumento do nível do mar global em 2100.

“Essa previsão tem um amplo alcance, em parte por causa das incertezas associadas à simulação de processos complexos de derretimento de gelo, incluindo aqueles associados a condições climáticas extremas. Essas novas estimativas espaciais de escoamento nos ajudarão a entender melhor esses processos complexos de derretimento do gelo, melhorar nossa capacidade de modelá-los e, assim, nos permitir refinar nossas estimativas de aumento futuro do nível do mar. ”

Finalmente, o estudo mostra que os satélites são capazes de fornecer estimativas instantâneas do derretimento do gelo no verão, o que apoia os esforços para expandir a capacidade hidrelétrica da Groenlândia e a ambição da Europa de lançar a missão CRISTAL para suceder ao CryoSat-2.

Referência

Slater, T., Shepherd, A., McMillan, M. et al. Increased variability in Greenland Ice Sheet runoff from satellite observations. Nat Commun 12, 6069 (2021). https://doi.org/10.1038/s41467-021-26229-4

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 31/10/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top