É preciso adaptar a geração de energia atual às mudanças climáticas

 

energias
Imagem: Jornal da USP

É preciso adaptar a geração de energia atual às mudanças climáticas

Pedro Luiz Côrtes diz que é necessário diversificar ainda mais as fontes de energia atuais e direcionar investimentos significativos às energias eólica e solar

Jornal da USP no Ar / Rádio USP

A Crise do Apagão, que aconteceu no início deste século, revelou para o Brasil a vulnerabilidade das usinas hidrelétricas durante períodos de estiagens mais severos. A partir dela, criaram-se investimentos para diversificar a geração de energia elétrica, mas foram suficientes para evitar novas crises ou o modelo de produção ainda é suscetível a colapsos?

Pedro Luiz Côrtes, professor da Escola de Comunicações e Artes (ECA) e do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental do Instituto de Energia e Ambiente (IEE) da Universidade de São Paulo, responde em entrevista ao Jornal da USP no Ar 1° Edição.

“O nosso sistema era muito dependente das condições hídricas das nossas bacias e a partir da Crise do Apagão o governo incentivou a construção de usinas termoelétricas para suprir a crescente demanda e dar mais flexibilidade para o sistema de produção de energia”, explica. Outro investimento do governo foi na interligação dos sistemas, de acordo com Côrtes, que possibilitou a transferência de energia entre regiões. “Ao longo dos últimos sete anos também tivemos um aumento significativo em plantas eólicas”, complementa o professor, “nós temos, principalmente no Nordeste, mas também no Sul do País, importantes áreas geradoras de energia a partir de fonte eólica, dando mais resiliência ao conjunto do sistema”.

Porém, essa resiliência mostrou-se insuficiente diante da crise atual. Para Côrtes, é preciso repensar e adaptar o sistema de geração e distribuição de energia de acordo com as mudanças climáticas atuais. “Os relatório do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas da ONU alerta há vários anos sobre a ocorrência de eventos extremos, como estiagens prolongadas e severas que acontecem na bacia do Paraná ou episódios de chuvas muito intensos. E essas mudanças climáticas se apresentam de maneira intensa, o que demanda uma revisão do nosso sistema de geração de energia”, ressalta.

É necessário diversificar ainda mais as fontes de energia atual e direcionar investimentos significativos à energia eólica, por exemplo. “O que as usinas termoelétricas produziram em 20 anos, a energia eólica oferece ao longo de sete anos. Então, um prognóstico que faço é que, nos próximos dez anos, a energia eólica terá uma capacidade equivalente à das usinas termoelétricas instaladas”, reforça o professor da ECA. A energia solar também pode ser outra grande fonte de geração e abastecimento de energia, segundo Côrtes, como na microgeração solar em residências, tornando-as pouco dependentes da rede pública e fornecedoras em caso de superávit. “É uma solução que ainda é cara e demanda mais estudos para torná-la acessível. O que precisamos, efetivamente, é repensar o sistema de geração para que ele seja resistente e resiliente às mudanças climáticas.”

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top