Enchentes levam poluentes do leito dos rios para as áreas alagadas

 

Enchentes levam poluentes do leito dos rios para as áreas alagadas

Um perigo de longo prazo das enchentes é frequentemente subestimado: os rios turbulentos removem os poluentes de seus sedimentos que se originam da poluição ambiental de décadas ou séculos atrás.

Essas substâncias nocivas não podem causar apenas danos ecológicos no rio. Eles também podem se depositar em áreas inundadas e afetar plantações, gado e humanos

Isso foi apontado por uma equipe de pesquisa internacional em uma revisão de estudos científicos sobre eventos de enchentes em todo o mundo. O artigo foi publicado no Journal of Hazardous Materials e foi produzido sob a liderança da Goethe University

Goethe-Universität Frankfurt am Main*

Os sedimentos são considerados a memória de longo prazo de um rio. Eles compreendem principalmente partículas que são erodidas do solo, terminando em algum ponto em deltas de rios ou no mar. No entanto, os sedimentos também podem permanecer estáveis por um tempo relativamente longo – e ligar poluentes que, por exemplo, entraram nos rios através da mineração ou águas residuais industriais. Como consequência, muitos sedimentos de rios antigos contêm poluentes como “bombas-relógio químicas”, como metais pesados ou dioxinas e compostos semelhantes a dioxinas que não são facilmente degradáveis.

Durante eventos de inundação nas regiões mais industriais da Europa, América do Norte e Ásia, sedimentos antigos podem ser agitados como resultado das altas velocidades em que a água está fluindo. No processo, os poluentes neles contidos são regularmente liberados de uma só vez e contaminam as áreas inundadas. Uma equipe interdisciplinar de pesquisadores da Goethe University, RWTH Aachen University e da University of Saskatchewan, no Canadá, juntamente com outros parceiros, compilou uma revisão de estudos científicos anteriores sobre o assunto.

Nele, os pesquisadores, liderados pela líder do grupo de pesquisa júnior Dra. Sarah Crawford em Frankfurt e pelo pesquisador canadense Professor Markus Brinkmann, mostram, por exemplo, quais cargas de poluentes foram medidas após vários eventos de inundação,quais sistemas de teste foram desenvolvidos para diferentes poluentes e como os diferentes sedimentos se comportam quando a água flui em altas velocidades. Descreve os riscos para a produção de água potável, a influência da temperatura na ingestão de poluentes pelos peixes e métodos de avaliação dos custos económicos associados à remobilização de poluentes.

A remobilização de poluentes de sedimentos durante inundações severas é uma consequência até agora subestimada de eventos extremos
A remobilização de poluentes de sedimentos durante inundações severas é uma consequência até agora subestimada de eventos extremos. Gráficos: Crawford, S. et al. (2021)

 

Apesar dos muitos anos de pesquisa sobre o assunto, Henner Hollert, professor de toxicologia ambiental da Universidade Goethe e autor sênior da publicação em questão, está muito preocupado: “Tenho a impressão de que o problema dos poluentes de sedimentos antigos é muito subestimado em Alemanha e também na Europa como um todo. Uma razão para isso também pode ser que até o momento não houve praticamente nenhum estudo sobre as consequências econômicas desse problema, como pudemos mostrar. No entanto, os sedimentos contaminados são uma bomba-relógio que pode explodir toda vez que houver uma enchente. O que precisamos agora é de uma boa gestão do rio em todas as áreas, que não olhe apenas para os riscos imediatos para os humanos, animais e infraestrutura, mas também para as consequências de longo prazo resultantes dos poluentes nos leitos dos rios. É imperativo, por exemplo,que examinemos as áreas inundadas usadas na agricultura para poluentes específicos do rio, para que eles não acabem em nossos pratos na forma de carne e laticínios ”.

Em uma abordagem interdisciplinar, pesquisadores da Goethe University Frankfurt, em colaboração com a RWTH Aachen University, a University of Saskatchewan no Canadá, o Helmholtz Centre for Environmental Research em Leipzig, o Institute for Social-Ecological Research (ISOE), o Senckenberg Institute, o LOEWE Center for Translational Biodiversity Genomics e muitos outros parceiros, também estão estudando os recentes eventos de inundações extremas na Renânia-Palatinado e North Rhine-Westphalia em termos de engenharia hidráulica e biológica, ecotoxicológica, ecológica, geocientífica, mas também sócio-ecológica e econômica consequências. Esses estudos estão incorporados no novo cluster de pesquisa RobustNature na Goethe University,que está examinando a robustez e resiliência dos sistemas natureza-sociedade no Antropoceno em mudança e visa contribuir para a pesquisa de transformação baseada no conhecimento usando os exemplos da biodiversidade e da água – isto é, do conhecimento à ação.

Referência:

Sarah E. Crawford, Markus Brinkmann, Jacob D. Ouellet, Frank Lehmkuhl, Klaus Reicherter, Jan Schwarzbauer, Piero Bellanova, Peter Letmathe, Lars M. Blank, Roland Weber, Werner Brack, Joost T. van Dongen, Lucas Menzel, Markus Hecker, Holger Schüttrumpf & Henner Hollert: Remobilization of pollutants during extreme flood events poses severe risks to human and environmental health. Journal of Hazardous Materials 421 (2022) 126691 https://doi.org/10.1016/j.jhazmat.2021.126691

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top