Emergência Climática – Tempestades, queimadas, frio e calor extremos preocupam especialistas

 

onda de calor na Europa
Onda de calor na Europa, 02/08/2021

Emergência Climática – Tempestades, queimadas, frio e calor extremos preocupam especialistas

Nas últimas semanas, fomos impactados por muitas notícias desastrosas sobre as crises climáticas em várias partes do mundo.

Por Danieli Crevelaro

Na Alemanha, inundações invadiram ruas e destruíram casas deixando centenas de pessoas mortas e feridas. Os incêndios florestais no Canadá chegaram a queimar uma cidade inteira. Com uma onda de calor recorde, os incêndios nos Estados Unidos consumiram mais de 4 mil quilômetros quadrados. A China também está sendo alvo de fortes enchentes. 

No Brasil, as baixas temperaturas dos últimos dias também vêm causando espanto. O frio negativo chegou até Minas Gerais. A temperatura mais baixa foi registrada na cidade de Bom Jardim da Serra, em Santa Catarina, com – 7,5ºC.

Mas afinal, o que está causando todo esse desequilíbrio em nosso planeta?

Há anos os especialistas do clima vêm alertando a comunidade mundial sobre os efeitos das mudanças climáticas. O Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC), órgão das Nações Unidas que avalia esse fenômeno, estima que, até o fim do século 21, caso não haja nenhuma mudança nos padrões de consumo e produção, haverá um aumento de 2 a 3 graus celsius na temperatura média do Planeta.

Respondendo à pergunta anterior, uma das principais causas de todas as mudanças climáticas que vem impactando o mundo é justamente o aquecimento global. Entre os anos de 2006 e 2015, o planeta aqueceu cerca de 0,87°C em relação aos anos de 1850-1900. De acordo com os estudos do IPCC, o clima global mudou em relação ao período pré-revolução industrial, reforçando as evidências de que a principal causa são as ações antrópicas, ou seja, aquelas causadas pelos seres humanos.

O coordenador e professor do curso de Tecnologia em Gestão Ambiental do Centro Universitário Internacional Uninter, Rodrigo Silva, explica que as variações de temperatura global são fenômenos naturais, existindo períodos de frio e calor extremos, como exemplo, as eras glaciais. A questão, é que o ser humano está acelerando muito esse processo.

Os cientistas trabalham com duas principais possibilidades de aumento de temperatura: 1,5°C ou 2°C. Falando assim, parece que 0,5°C é pouco, mas, na prática, basta compararmos com a febre. Se nossa temperatura corporal está em 36,5°C, estamos ótimos. Com 37°C queremos a nossa cama e uma coberta. Com o planeta acontece a mesma coisa, afinal, a Terra é um ser vivo”, exemplifica o professor.

Essa metáfora mostra que um pequeno aumento da temperatura global trará consequências trágicas em curto, médio e longo prazos, com efeitos irreversíveis.

O impacto na humanidade

Segundo Silva, as consequências das mudanças climáticas são separadas em dois blocos:

  • Primeiro, os impactos que sentimos diretamente em nosso cotidiano: maiores períodos de estiagem e seca, aumento na incidência de furacões, tufões e tsunamis, inundações e poluição hídrica, flutuações severas de temperaturas.

  • No segundo bloco temos as consequências que não sentimos diretamente em nosso cotidiano, mas que nos afeta ou afetará drasticamente: perda da biodiversidade (insetos, plantas e vertebrados), acidificação dos oceanos, perda da produtividade alimentícia e insegurança alimentar, alterações nos sistemas de geração de energia e transporte, disseminação de espécies invasoras, pragas e doenças, aumento da pobreza e dos fenômenos de imigração.

Embora os efeitos do primeiro bloco sejam mais perceptíveis, os resultados do segundo bloco são tão, ou mais severos, pois afetarão completamente a maneira como vivemos”, alerta o professor.

O que podemos fazer?

Está marcado para novembro, o maior evento mundial sobre as mudanças climáticas – a COP26 (Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas). Neste encontro, serão determinadas as novas diretrizes mundiais que devem ser assinadas e seguidas por praticamente todos os países.

Mas, apesar desse comprometimento, não parece que estamos no caminho certo para alcançarmos a meta de 1,5 graus celsius até o fim do século. Muito pelo contrário, segundo Silva, os relatórios indicam que há sérios indícios de que haverá um aumento de 3 graus celsius, isto é, o dobro do que se pretendia.

Nesse sentido, as autoridades governamentais de todo o planeta devem estabelecer prioridades de proteção climática que vão desde o combate ao desmatamento, como é o caso do Brasil, até a redução drástica de emissão de gases de efeito estufa, em prioridade nos Estados Unidos e China.

Individualmente, devemos pensar em ações para a redução dos padrões de consumo e do desperdício em geral, como o racionamento da água, diminuição do uso de automóveis e viagens de avião, estes, os grandes vilões da sustentabilidade individual.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/08/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top