Restaurar terras áridas degradadas é vital para 2 bilhões de pessoas

 

Restaurar terras áridas degradadas é vital para 2 bilhões de pessoas

A restauração de terras áridas degradadas é urgentemente necessária para ajudar a mitigar as mudanças climáticas, reverter a desertificação e garantir a subsistência de dois bilhões de pessoas que vivem ali, alertam os especialistas em um novo artigo publicado na Nature Ecology & Evolution .

Cientistas que lideram o Global Arid Zone Project examinaram os resultados da semeadura para restauração em 174 locais em seis continentes, abrangendo 594.065 observações de 671 espécies de plantas – com as lições aprendidas importantes para atender às ambiciosas metas de restauração futuras.

O Dr. Martin Breed da Flinders University, um dos três pesquisadores australianos que ajudaram a coordenar a coleta de dados para o banco de dados ao vivo, diz que o novo artigo é realmente importante para a Austrália.

“Grande parte da Austrália é formada por terras áridas e enormes áreas dessas terras áridas na Austrália estão degradadas”, diz ele.

“Eles foram limpos, cultivados de forma insustentável, queimados  e, geralmente, não foram bem cuidados. Consequentemente, vastas áreas de nossas terras áridas estão agora sendo restauradas para ajudar a devolver a biodiversidade e fornecer muitos serviços ecossistêmicos importantes, como ar e água limpos, apoiando nossa boa saúde mental e aumentando a produtividade agrícola.

“Essa restauração geralmente requer revegetação, principalmente por meio de nova semeadura em áreas de sequeiro. A escala desse esforço de semeadura globalmente é realmente enorme, encorajada não menos pela Década das Nações Unidas sobre Restauração de Ecossistemas, que começou este ano. Os orçamentos anuais envolvidos giram em torno de 10 a 100 bilhões de dólares ”, diz o Dr. Breed.

“Esta pesquisa estabelece uma base sólida para inovar novas maneiras de efetivamente semear novamente as áreas de sequeiro. Ele reúne uma compreensão global de quão eficaz é essa nova semeadura nessas terras áridas. Isso mostra que a nova semeadura geralmente funciona – se você semear as sementes, a planta tem uma boa chance de estar lá no futuro.

“No entanto, a nova semeadura é realmente arriscada, com quase 20% dos eventos de semeadura falhando. De forma alarmante, esse risco aumentou à medida que as áreas eram mais áridas – e com os aumentos realizados e previstos na aridez com as mudanças climáticas, isso não é um bom presságio para a restauração baseada em sementes em terras áridas.

O artigo da Nature Ecology & Evolution diz que há motivos para otimismo, embora as metas globais definidas para a restauração de terras secas para restaurar milhões de hectares de terras degradadas tenham sido questionadas como excessivamente ambiciosas.

Mas sem uma avaliação global de sucessos e fracassos, é impossível avaliar a viabilidade, dizem os pesquisadores.

A semeadura teve um impacto positivo na presença das espécies: em quase um terço de todos os tratamentos, 100% das espécies semeadas estavam crescendo no primeiro monitoramento.

No entanto, a restauração de terras secas é arriscada: 17% dos projetos falharam, sem o estabelecimento de nenhuma espécie com sementes, e declínios consistentes foram encontrados nas espécies com sementes conforme os projetos amadureciam.

Em todos os projetos, taxas de semeadura mais altas e tamanhos de sementes maiores resultaram em uma maior probabilidade de recrutamento, com outras influências no sucesso das espécies, incluindo aridez do local, identidade taxonômica e forma de vida da espécie.

Os resultados sugerem que as investigações que examinam esses fatores preditivos produzirão uma tomada de decisão de restauração mais eficaz e informada.

Mapa-múndi mostrando as áreas secas do site do Global Arid Zone Project
Mapa-múndi mostrando as áreas secas do site do Global Arid Zone Project.

 

Referência:

Shackelford, N., Paterno, G.B., Winkler, D.E. et al. Drivers of seedling establishment success in dryland restoration efforts. Nat Ecol Evol (2021). https://doi.org/10.1038/s41559-021-01510-3

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da Flinders University

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top