Índice classifica a vulnerabilidade das florestas tropicais ao clima e aos impactos humanos

 

Índice classifica a vulnerabilidade das florestas tropicais ao clima e aos impactos humanos

Índice classifica a vulnerabilidade das florestas tropicais ao clima e aos impactos humanos

Um novo índice mostra que as florestas tropicais do mundo estão respondendo de maneira diferente a ameaças como o aquecimento do clima e o desmatamento.

Por Carol Rasmussen*,
Laboratório de Propulsão a Jato da NASA

Cientistas do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA no sul da Califórnia e outras instituições internacionais de pesquisa criaram um índice de vulnerabilidade da floresta tropical. Ele detectará e avaliará a vulnerabilidade desses diversos ecossistemas a duas categorias principais de ameaças: o aquecimento e o clima seco e as consequências do uso da terra pelo homem, como desmatamento e fragmentação por invasão de estradas, campos agrícolas e extração de madeira.

O índice mostra que as três principais áreas de floresta tropical do mundo têm diferentes graus de suscetibilidade a essas ameaças. A Bacia Amazônica na América do Sul é extremamente vulnerável às mudanças climáticas e às mudanças no uso da terra pelo homem. A Bacia do Congo, na África, está passando pelas mesmas tendências de aquecimento e secagem que a Amazônia, mas é mais resistente. A maioria das florestas tropicais asiáticas parece estar sofrendo mais com as mudanças no uso da terra do que com as mudanças climáticas.

“As florestas tropicais são talvez o habitat mais ameaçado da Terra – o canário na mina de carvão da mudança climática”, disse Sassan Saatchi, cientista do JPL e principal autor do novo estudo publicado em 23 de julho na revista OneEarth.

Esses diversos ecossistemas abrigam mais da metade das formas de vida do planeta e contêm mais da metade de todo o carbono da vegetação terrestre. Eles servem como um freio natural no aumento do dióxido de carbono na atmosfera devido à queima de combustível fóssil, porque eles “inspiram” dióxido de carbono e armazenam carbono à medida que crescem.

Mas, no último século, 15 a 20% das florestas tropicais foram cortadas e outros 10% foram degradados. O clima mais quente de hoje, que tem levado a incêndios florestais cada vez mais frequentes e generalizados, está limitando a capacidade das florestas de absorver dióxido de carbono à medida que crescem, ao mesmo tempo que aumenta a taxa na qual as florestas liberam carbono para a atmosfera à medida que se decompõem ou queimam.

A National Geographic Society reuniu uma equipe de cientistas e conservacionistas em 2019 para desenvolver o novo índice. O índice é baseado em múltiplas observações de satélite e dados terrestres de 1982 a 2018, como o Landsat e a missão Global Precipitation Measurement , cobrindo condições climáticas, uso da terra e características da floresta.

Quando um ecossistema não consegue mais se recuperar do estresse tão rápida ou completamente como antes, isso é um sinal de sua vulnerabilidade.

Os pesquisadores correlacionaram dados sobre fatores de estresse, como temperatura, disponibilidade de água e grau de degradação com dados sobre o funcionamento das florestas: a quantidade de biomassa viva, a quantidade de dióxido de carbono que as plantas estavam absorvendo, a quantidade de água que as florestas transpirar para a atmosfera, a integridade da biodiversidade de uma floresta e muito mais. As correlações mostram como diferentes florestas responderam aos estressores e como as florestas estão vulneráveis agora.

A equipe então usou modelos estatísticos para estender as tendências ao longo do tempo, procurando áreas com vulnerabilidade crescente e possíveis pontos de inflexão onde as florestas tropicais farão a transição para florestas secas ou planícies gramíneas.

Os dados do índice de vulnerabilidade da floresta tropical fornecem aos cientistas a oportunidade de realizar exames mais aprofundados dos processos naturais da floresta tropical, como armazenamento e produtividade de carbono, mudanças nos ciclos de energia e água e mudanças na biodiversidade.

Esses estudos ajudarão os cientistas a entender se existem pontos de inflexão e o que provavelmente serão. As informações também podem ajudar os formuladores de políticas que estão planejando atividades de conservação e restauração florestal.

Referência

Sassan Saatchi, Marcos Longo, Liang Xu, Yan Yang, Hitofumi Abe, Michel André, Juliann E. Aukema, Nuno Carvalhais, Hinsby Cadillo-Quiroz, Gillian Ann Cerbu, Janet M. Chernela, Kristofer Covey, Lina María Sánchez-Clavijo, Isai V. Cubillos, Stuart J. Davies, Veronique De Sy, Francois De Vleeschouwer, Alvaro Duque, Alice Marie Sybille Durieux, Kátia De Avila Fernandes, Luis E. Fernandez, Victoria Gammino, Dennis P. Garrity, David A. Gibbs, Lucy Gibbon, Gae Yansom Gowae, Matthew Hansen, Nancy Lee Harris, Sean P. Healey, Robert G. Hilton, Christine May Johnson, Richard Sufo Kankeu, Nadine Therese Laporte-Goetz, Hyongki Lee, Thomas Lovejoy, Margaret Lowman, Raymond Lumbuenamo, Yadvinder Malhi, Jean-Michel M. Albert Martinez, Carlos Nobre, Adam Pellegrini, Jeremy Radachowsky, Francisco Román, Diane Russell, Douglas Sheil, Thomas B. Smith, Robert G.M. Spencer, Fred Stolle, Hesti Lestari Tata, Dennis del Castillo Torres, Raphael Muamba Tshimanga, Rodrigo Vargas, Michelle Venter, Joshua West, Atiek Widayati, Sylvia N. Wilson, Steven Brumby, Aurora C. Elmore.
Detecting vulnerability of humid tropical forests to multiple stressors. One Earth, 2021; 4 (7): 988 DOI: 10.1016/j.oneear.2021.06.002

 

Henrique Cortez, tradução e edição.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 27/07/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top