Grilagem e venda ilegal de terras públicas se intensificam na Amazônia

 

Grilagem e venda ilegal de terras públicas se intensificam na Amazônia

Levantamento mostra como a ofensiva ruralista no Executivo e Legislativo tem aquecido a grilagem e venda ilegal de terras públicas

Um levantamento feito pelo Greenpeace em áreas de quatro pontos da Amazônia – no entorno da BR-163, nos municípios de Altamira e Novo Progresso; em São Félix do Xingu; na Transamazônica e na Tríplice Fronteira entre Acre, Amazonas e Rondônia, aponta para indícios de grilagem com exemplos concretos de especulação de terras públicas, com grandes áreas desmatadas e venda pela internet – dinâmica que tende a se agravar com a aprovação de projetos de lei como o 2633/2020 e 510/2021, em discussão no Congresso Nacional.

Veja a investigação na íntegra aqui.

“A crescente corrida pela ocupação dos mais de 50 milhões de hectares de florestas públicas não destinadas na Amazônia é incentivada pelos acenos de Brasília, dentre eles estão as propostas na Câmara (PL 2633/2020) e no Senado (PL 510/2021) que visam anistiar grileiros e facilitar a entrega do patrimônio nacional a criminosos”, comenta Cristiane Mazzetti, porta-voz da campanha de Amazônia do Greenpeace.

Visando passar a boiada, parlamentares ruralistas têm pressa em aprovar uma série de propostas sem debater com a sociedade, dentre eles estão projetos que visam flexibilizar os critérios da regularização fundiária, abertura de terras indígenas para atividades predatórias e redução nas áreas das Unidades de Conservação. Estes sinalizam que o crime será tolerado e premiado estimulando, assim, novos ciclos de grilagem e desmatamento em terras públicas, sejam elas destinadas ou protegidas por lei.

Com isso, o comércio de terras públicas transformou a grilagem em um negócio milionário, criando uma nova espécie de destruidor da Amazônia. Os GRILONARIOS! Aqueles que estão ficando milionários com a especulação imobiliária de terras que são públicas, ou seja, patrimônio de todos os brasileiros e brasileiras. “Quem perde é a sociedade brasileira, vide que a conservação dessas áreas é de suma importância para a manutenção de serviços ambientais que garantem o bem-estar humano, a economia do país e o equilíbrio climático”, conclui Cristiane.

Os “grilonários”, destroem a floresta valendo-se de ferramentas tecnológicas (como imagens de satélites, SIG), da impunidade ao crime ambiental, e do caos fundiário para avançar sobre terras públicas e criar a necessidade de reforma nas leis. Um exemplo claro da ação desenfreada dos grileiros está ilustrado em grandes áreas desmatadas em curtos intervalos de tempo e venda de milhões de hectares de floresta pela internet.

Essa dinâmica precisa ser interrompida, a começar pela rejeição dos projetos de lei 2633/2020 e 510/2021, bem como aqueles que fragilizam os direitos e territórios indígenas, em discussão no Congresso Nacional, que agravam ainda mais a preocupante situação do desmatamento no país.

grilagem na Amazônia

 

Fonte: Greenpeace

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top