Reflorestamento passivo pode expandir a regeneração natural das florestas

 

Reflorestamento passivo pode expandir a regeneração natural das florestas

Um estudo de reflorestamento passivo de longo prazo mostrou que a regeneração natural da floresta poderia dar uma contribuição significativa para cumprir as ambiciosas metas de plantio de árvores do Reino Unido – potencialmente sem custo e em prazos relativamente curtos.

A pesquisa, liderada pelo Centro de Ecologia e Hidrologia do Reino Unido (UKCEH), descobriu que o crescimento natural devido à dispersão de sementes por pássaros, mamíferos e o vento pode produzir florestas resistentes e biodiversas.

O desenvolvimento da floresta pode ser rápido, evitando o custo, a gestão e os tubos de plástico envolvidos nos esquemas de plantio.

O estudo – publicado na revista PLOS ONE – descobriu que depois de apenas 15 anos, campos agrícolas antes vazios se tornaram arbustos ricos em vida selvagem. Em 40-50 anos, ela progrediu para carvalho nativo de copa fechada, freixo e bordo do campo, com densidades de até 390 árvores por hectare.

Cumprir a meta do governo de plantar 30.000 hectares de floresta a cada ano no Reino Unido até 2025 deverá ter um alto custo para o contribuinte, com esquemas como a ‘Floresta do Norte’ de £ 5,7 milhões planejada entre Liverpool e Hull.

Embora a regeneração natural dependa da proximidade de florestas existentes ou árvores maduras e não seja adequada para todos os locais, os cientistas envolvidos no estudo dizem que incorporar o reflorestamento passivo aos alvos nacionais de plantio pode resultar em economias de custo significativas.

Sua pesquisa informou ao novo esquema de oferta de criação de florestas da Inglaterra (EWCO) da Comissão Florestal , que está oferecendo subsídios aos proprietários de terras para a colonização de árvores naturais pela primeira vez.

O Dr. Richard Broughton do UKCEH, que liderou o estudo, disse: “Florestas ricas em biodiversidade que são resilientes à seca e reduzem o risco de doenças podem ser criadas sem qualquer contribuição nossa. Nosso estudo fornece evidências essenciais de que o reflorestamento passivo tem o potencial de expandir o habitat da floresta nativa sem nenhum custo e em escalas de tempo relativamente curtas.

“A colonização natural pode desempenhar um papel significativo em ajudar a cumprir as ambiciosas metas do Reino Unido para a criação de florestas , bem como a recuperação da natureza e emissões líquidas de gases de efeito estufa até 2050 . É uma opção eficaz para expandir a floresta em muitos lugares sem os custos de plantio, o risco de doenças do transporte de mudas cultivadas em viveiros ou o uso de tubos de plástico para árvores que são feios e poluem o meio ambiente. ”

O Dr. Broughton diz que a pesquisa também destaca o papel crucial dos dispersores naturais de sementes, como o vento, mamíferos e pássaros – especialmente os gaios, que são comumente considerados pragas pelos proprietários de terras e são perseguidos por sua predação de outras aves. “Os enormes benefícios que os gaios fornecem na colonização natural, dispersando sementes de árvores, especialmente bolotas, ajudam a criar mais habitat florestal para toda a vida selvagem e superam em muito qualquer impacto de predação”, acrescenta.

O estudo foi realizado por cientistas do UKCEH e da Bournemouth University; a Academia Polonesa de Ciências; o Instituto de Recursos Naturais da Finlândia; Universidade de Ciências da Vida de Poznan, na Polônia; e a Universidade de Cambridge.

A equipe de pesquisa estudou o desenvolvimento da floresta em dois antigos campos agrícolas ao longo de 24 e 59 anos, respectivamente – um campo de dois hectares de pastagem abandonado em 1996 e um campo de cevada de quatro hectares abandonado em 1961. Os dois locais estão próximos à Reserva Natural Nacional Monks Wood em Cambridgeshire, uma floresta antiga documentada desde 1279 DC.

O crescimento de árvores e arbustos em Monks Wood tem sido monitorado por pesquisadores ao longo de várias décadas. Isso incluiu a contagem de árvores durante os levantamentos de campo, bem como a medição da altura da vegetação e cobertura espacial usando dados de sensoriamento remoto (varredura a laser Lidar de aeronaves).

É importante ressaltar que o estudo descobriu que a floresta em desenvolvimento não era prejudicada por herbívoros como veados e coelhos, portanto, não precisava de cercas. As árvores jovens eram protegidas pelo crescimento inicial de amoreiras e arbustos espinhosos, dando verdade ao velho ditado: ‘O espinho é a mãe do carvalho’.

A floresta jovem também foi resiliente a períodos de seca em verões secos, o que será importante para as futuras florestas que lidam com as mudanças climáticas.

Reserva Natural Nacional Monks Wood, em Cambridgeshire, no momento inicial do monitoramento
Reserva Natural Nacional Monks Wood, em Cambridgeshire, no momento inicial do monitoramento

Reserva Natural Nacional Monks Wood, em Cambridgeshire, 24 anos depois do início do monitoramento
Reserva Natural Nacional Monks Wood, em Cambridgeshire, 24 anos depois do início do monitoramento

Reserva Natural Nacional Monks Wood, em Cambridgeshire, 59 anos depois do início do monitoramento
Reserva Natural Nacional Monks Wood, em Cambridgeshire, 59 anos depois do início do monitoramento

Referência:

Broughton et al. 2021. Long-term woodland restoration on lowland farmland through passive rewilding. PLOS ONE. DOI: 10.1371/journal.pone.0252466

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original do UK Centre for Ecology & Hydrology (UKCEH)

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 21/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top