Redução da umidade aumenta a ameaça de incêndios florestais

árvores queimadas após incêndio florestal na Califórnia
Foto: Robert Waltman/iStock/UCLA

 

Redução da umidade aumenta a ameaça de incêndios florestais

A umidade atmosférica diminuiu em um terço na Califórnia e em Nevada, segundo estudo

David Colgan *, University of California – Los Angeles

Um artigo publicado na Nature Climate Change descobriu que, desde 1950, a umidade no sudoeste dos Estados Unidos caiu em média 22% nos dias mais quentes de verão.

Na Califórnia e em Nevada, o efeito foi ainda mais pronunciado, com queda de 33%.

Para uma região já árida, a perda de umidade torna as condições do incêndio florestal ainda piores, de acordo com a cientista climática da UCLA Karen McKinnon, principal autora do artigo.

“Em alguns casos, não podemos secar muito mais”, disse McKinnon.

Baseando-se nas informações de três bancos de dados separados, o estudo examinou as mudanças de umidade em locais não costeiros da Califórnia, Nevada, Arizona, Colorado, Utah e Novo México. Em alguns lugares, como a área do Vale Central perto de Fresno, a umidade diminuiu em até dois terços.

Para a Califórnia, um estado ainda se recuperando do recorde da temporada de incêndios florestais de 2020, a umidade mais baixa em dias quentes piora o risco de incêndio de duas maneiras principais. Primeiro, aumenta o número de dias de clima de alto risco de incêndio, que são determinados por fatores meteorológicos, incluindo temperatura e umidade. Em segundo lugar, como a baixa umidade coincide com os momentos em que a maior parte da umidade da terra já evaporou, a atmosfera seca também suga a umidade das plantas, ressecando ainda mais a vegetação seca que alimenta os incêndios florestais.

A mudança climática está causando um ar mais quente que pode reter mais umidade, portanto, a umidade em geral está aumentando globalmente. Mas o sudoeste dos Estados Unidos é uma anomalia – o solo já está seco na região e há poucas grandes massas de água para fornecer umidade à atmosfera. Como as tempestades do Oceano Pacífico são rastreadas ao norte por correntes de vento, a umidade do maior corpo de água do mundo se estende por menos de 160 quilômetros para o interior.

Um fator que poderia potencialmente mitigar a diminuição da umidade na região poderia ser um aumento nas chuvas de verão, como projetam muitos modelos climáticos. O clima futuro é freqüentemente projetado para incluir invernos e primaveras mais secos, juntamente com verões mais úmidos.

“O fator X será a precipitação”, disse McKinnon. “Se você entrar no verão com solos secos, mas chover muito, você está potencialmente recuperando a umidade do solo.”

Em última análise, isso significa mais incerteza sobre o futuro, o que representa um desafio de planejamento para aqueles que visam proteger a vida selvagem, administrar incêndios florestais e tornar as comunidades humanas mais sustentáveis.

Medidas de mitigação de incêndios florestais já estão sendo exploradas, como melhor manejo florestal, limitação de ignições de origem humana e remoção de vegetação ao redor das casas. Mas o documento ressalta a necessidade de lidar com o grande problema da mudança climática reduzindo as emissões de carbono e o dióxido de carbono atmosférico.

Referência:

McKinnon, K.A., Poppick, A. & Simpson, I.R. Hot extremes have become drier in the United States Southwest. Nat. Clim. Chang. (2021). https://doi.org/10.1038/s41558-021-01076-9

 

Henrique Cortez *, tradução e edição.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top