Aumento do nível do mar acelera a submersão costeira em todo o mundo

 

Aumento do nível do mar acelera a submersão costeira em todo o mundo

Ao combinar dados de satélite e modelos digitais, os pesquisadores mostraram que o galgamento costeiro (ou submersão costeira) e, consequentemente, o risco de inundações, deve acelerar ainda mais ao longo do século 21, em até 50 vezes sob um cenário de aquecimento global de alta emissão, especialmente no trópicos.

Esse aumento é causado principalmente por uma combinação da elevação do nível do mar e das ondas do mar.

As regiões costeiras baixas hospedam quase 10% da população mundial. Além da erosão contínua e da elevação do nível do mar, essas áreas e seus ecossistemas únicos estão enfrentando riscos destrutivos, incluindo inundações episódicas devido ao galgamento da proteção natural / artificial, como no caso do furacão Katrina, que atingiu os Estados Unidos em 2005, o ciclone Xynthia na Europa em 2010 e o tufão Haiyan na Ásia em 2013 (o maior ciclone tropical já medido).

Espera-se que esses eventos episódicos se tornem mais graves e frequentes devido ao aquecimento global, enquanto as consequências também aumentarão devido ao aumento da pressão antrópica, como desenvolvimento costeiro e de infraestrutura, rápida urbanização. Embora a magnitude e a frequência desses eventos permaneçam incertas,os cientistas acreditam que os países nos trópicos serão particularmente afetados.

Apesar do papel significativo que as ondas do mar desempenham na determinação dos níveis do mar costeiro, sua contribuição para as inundações costeiras havia sido amplamente esquecida, principalmente devido à falta de informações topográficas costeiras precisas.

Medir eventos passados para estimar riscos futuros

Neste estudo, pesquisadores franceses -do IRD, CNES, Mercator Océan- juntamente com colegas holandeses, brasileiros, portugueses, italianos e nigerianos, combinaram um modelo digital global sem precedentes para elevação de superfície com novas estimativas dos níveis extremos do mar. Esses níveis extremos de água contêm marés, análise de ondas impulsionadas pelo vento e medições existentes de defesas costeiras naturais e artificiais.

O estudo começou quantificando o aumento de eventos de submersão global que ocorreram entre 1993 e 2015. Para isso, dados de satélite foram usados para definir dois parâmetros-chave para a topografia costeira: a encosta da praia local e a elevação subaerial máxima das costas. O nível extremo das águas costeiras foi calculado em intervalos de tempo de hora em hora, a fim de identificar o número potencial anual de horas durante as quais as defesas costeiras poderiam ser ultrapassadas em cada área.

“A combinação de marés e episódios de ondas grandes é o principal contribuinte para episódios de transbordamento costeiro”, diz Rafaël Almar, pesquisador em dinâmica costeira do IRD e coordenador do estudo. “Identificamos pontos críticos, onde o aumento do risco de galgamento é maior, como no Golfo do México, Sul do Mediterrâneo, Oeste da África, Madagascar e Mar Báltico”.

Aceleração durante o século 21

Os cientistas também realizaram uma avaliação global inicial do potencial galgamento costeiro ao longo do século 21, levando em consideração diferentes cenários de elevação do nível do mar. Os resultados mostram que o número de horas de galgamento pode aumentar com um ritmo mais rápido do que a taxa média de aumento do nível do mar. “A frequência de galgamento está se acelerando exponencialmente e será claramente perceptível já em 2050, independente do cenário climático.

Até o final do século, a intensidade da aceleração dependerá das trajetórias futuras das emissões de gases de efeito estufa e, portanto, do aumento no nível do mar. No caso de um cenário de altas emissões, o número de horas de galgamento globalmente pode aumentar 50 vezes em comparação com os níveis atuais “, alerta Rafaël Almar. “À medida que avançamos ao longo do século 21,mais e mais regiões estarão expostas a galgamento e consequentes inundações costeiras, especialmente nos trópicos, no noroeste dos Estados Unidos, na Escandinávia e no Extremo Oriente da Rússia. ”

Mais estudos serão necessários nos níveis local e regional para dar corpo a essas projeções globais, que fornecem uma base sólida para propor medidas de adaptação eficazes nos hotspots identificados.

Diagrama explicando o fenômeno da submersão marinha
Diagrama explicando o fenômeno da submersão marinha. © Rafaël Almar & al., Nature Communications

 

Referência:

Almar, R., Ranasinghe, R., Bergsma, E.W.J. et al. A global analysis of extreme coastal water levels with implications for potential coastal overtopping. Nat Commun 12, 3775 (2021). https://doi.org/10.1038/s41467-021-24008-9

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original do L’Institut de recherche pour le développement (IRD)

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top