O impacto das mudanças climáticas na produtividade da agricultura de conservação

 

O impacto das mudanças climáticas na produtividade da agricultura de conservação

Particularmente desenvolvida nos Estados Unidos, onde é possível em particular lutar contra a erosão hídrica e eólica dos solos, a agricultura de conservação, também conhecida como agricultura de conservação do solo, tem experimentado, nos últimos anos, um interesse renovado pelo mundo agrícola europeu. Se o interesse da agricultura de conservação está em sua capacidade de armazenar carbono no solo, ela há muito tem uma má publicidade, acusada de levar a rendimentos mais baixos.

Um artigo recente, publicado na Nature Climate Change por uma equipe de pesquisa da AgroParisTech – INRAE, mostra que a agricultura de conservação frequentemente se mostra eficiente em lavouras de campo em áreas sujeitas a estresse hídrico significativo, especialmente em futuras condições climáticas.

Benoît Gabrielle, professor-pesquisador da AgroParisTech, David Makowski e Yang Su, pesquisadores do INRAE, comparam a produtividade dos sistemas de agricultura de conservação e suas variantes aos sistemas baseados em preparo convencional com preparo do solo. Seu estudo concentra-se em particular em oito espécies principais cultivadas sob as condições climáticas atuais e futuras.

Para estudar desenvolvimentos futuros em um contexto de mudança climática, os cientistas adotaram uma abordagem probabilística em escala global a fim de levar em consideração diferentes fontes de incerteza. De acordo com Yang Su, ” esta abordagem é original e muito poderosa porque se baseia no uso de métodos de aprendizado de máquina aplicados a vários milhares de dados experimentais que cobrem as principais regiões agrícolas do mundo “.

Seu trabalho mostra, do ponto de vista das mudanças climáticas, que a agricultura de conservação tem mais probabilidade de aumentar a produtividade em áreas sujeitas ao estresse hídrico. A reportagem destaca ainda que é uma solução para a falta de água em regiões mais secas.

De acordo com Benoît Gabrielle “ Existem grandes diferenças na probabilidade de ganho ou perda de rendimento com a agricultura de conservação, dependendo de vários fatores: tipos de culturas, práticas agrícolas, zonas climáticas e regiões geográficas. A plena aplicação dos três princípios da agricultura de conservação – cobertura da terra, rotação de culturas e plantio direto – também desempenha um papel importante no que diz respeito à produtividade. ”

Os resultados mostram que, nas futuras condições climáticas, o desempenho da agricultura de conservação deverá aumentar para algumas culturas, especialmente o milho.

De acordo com David Makowski, “ A alta variabilidade no impacto da agricultura de conservação na produtividade das culturas explica em parte as controvérsias científicas em torno desta forma de agricultura. Ao sintetizar os inúmeros resultados experimentais produzidos pela comunidade científica nos últimos 30 anos, nosso estudo permite identificar as lavouras e áreas geográficas onde a agricultura de conservação tem alta probabilidade de ser mais eficiente do que os sistemas baseados em preparo convencional ”.

Este estudo foi financiado pelo Institut de Convergence CLAND da Universidade de Paris-Saclay.

Referência:

Su, Y., Gabrielle, B. & Makowski, D. The impact of climate change on the productivity of conservation agriculture. Nat. Clim. Chang. (2021). https://doi.org/10.1038/s41558-021-01075-w

 

Henrique Cortez, tradução e edição, a partir de original da AgroParisTech

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/06/2021

 

A manutenção da revista eletrônica EcoDebate é possível graças ao apoio técnico e hospedagem da Porto Fácil.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top