Consumidor Digital: Varejo Sem Loja no Brasil

 

compra online
Foto: EBC

Consumidor Digital: Varejo Sem Loja no Brasil

Uma nova espécie de consumidor digital, aquela que será a maioria no futuro próximo, está emergindo globalmente.

Artigo de José Austerliano Rodrigues

[EcoDebate] O cenário de mudanças cria um conjunto de paradoxos para os profissionais de marketing sustentável enfrentarem, sendo um deles a interação on-line versus a interação off-line (Marketing 4.0). Ambas devem coexistir e ser complementares, com o objetivo comum de fornecer uma experiência superior ao consumidor. Além disso, existe o paradoxo do consumidor informado versus o consumidor distraído. Mesmo com a conectividade munindo os consumidores com informações abundantes, eles também se tornam dependentes demais das opiniões dos outros (círculo social), que muitas vezes se sobrepõem às preferências pessoais (KOTLER; KARTAJAYA; SETIAWAN, 2017; RODRIGUES, 2020).

As mudanças e tendências estão aí. Uma nova espécie de consumidor digital, aquela que será a maioria no futuro próximo, está emergindo globalmente – jovem, urbana, de classe média, com mobilidade e conectividade fortes.

Embora a maioria das mercadorias e dos serviços seja vendida em lojas, mais conhecido como loja de departamentos, o varejo sem soja tem crescido muito mais rapidamente do que as lojas de varejo, principalmente em razão do e-commerce (venda pela internet) e do m-commerce (venda via celulares e tablets). O varejo sem loja pode ser dividido em quarto categorias principais: venda direta, marketing direto (que inclui o telemarketing e a venda pela internet), máquinas de venda automática e serviços de compra (KOTLER; KELLER, 2018).

Portanto, as empresas brasileiras precisam entender que mais pontos de contato e volume mais alto nas mensagens não se traduzem necessariamente em maior influência. É preciso se destacar da multidão e conectar-se de forma significativa com os consumidores em apenas alguns poucos pontos de contato cruciais (cultural, social e pessoal). Além disso, converter novos consumidores digitais em defensores fiéis envolve uma série de atividades de engajamento do consumidor na era da Revolução Digital (KOTLER; KARTAJAYA; SETIAWAN, 2017).

A Revolução Digital começou na metade do século XX, mais precisamente entre o fim dos anos 1950 e 1970. Passamos pelo desenvolvimento da tecnologia: mecânica, analógica e digital (SOC, 2019).

A tecnologia tem feito com que as empresas repensem as formas de tratar e atrair seus consumidores digitais. O público-alvo procura sempre aqueles que possam tratar seus problemas e dúvidas de maneira mais ágil e dinâmica.

De acordo com a Criteo, mais de 40% das compras feitas em lojas sem varejo (varejo digital) movimenta os mercados asiáticos como Coreia do Sul e Japão a partir de via smartphones, enquanto as compras por smartphones no Brasil, Reino Unido, EUA, Turquia, Alemanha, Itália, França e Rússia representam de 8 a 18% (VIARDOT; NYLUND, 2017).

Pesquisa de marketing realizada no Brasil mostrou que a Indústria 4.0 ou a Quarta Revolução Industrial ainda se encontra num estágio incipiente. As empresas devem ser cautelosas na adoção da Indústria 4.0. Entres outras descobertas, a pesquisa mostrou que se o consumidor e demais stakeholders não forem integradas na Indústria 4.0, o fracasso será demasiado (FIESP).

José Austerliano Rodrigues. Especialista Sênior em Sustentabilidade de Marketing e Doutor em Marketing Sustentável pela UFRJ, com ênfase em Sustentabilidade e Marketing, com interesse em pesquisa em Marketing Sustentável, Sustentabilidade de Marketing, Responsabilidade Social e Comportamento do Consumidor. E-mail: austerlianorodrigues@bol.com.br.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 09/09/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top