A bomba-relógio do declínio dos polinizadores

 

A bomba-relógio do declínio dos polinizadores

A mudança no uso da terra está ligada ao declínio dos polinizadores, mas não sabemos se essas mudanças estão afetando o sucesso reprodutivo das plantas.

Para determinar se o uso da terra pelo homem está associado à limitação do pólen na reprodução das plantas, realizamos uma síntese de dados globais e uma meta-análise.

Por Joanne Bennett*

A grande maioria das plantas precisa de polinizadores animais para transferir seu pólen para se reproduzir. As plantas fornecem alimento, abrigo e recursos para todos os outros organismos vivos da Terra, razão pela qual os relatos de declínios generalizados de polinizadores são tão preocupantes.

Apesar dessa preocupação, não sabemos quais tipos de plantas e em quais condições os declínios de polinizadores levarão a declínios no sucesso reprodutivo de plantas, conforme destacado pela Plataforma Intergovernamental de Ciência e Política sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES). Nosso estudo foi projetado para abordar essa lacuna de conhecimento fundamental.

A mudança no uso da terra é reconhecida como a principal ameaça tanto para as plantas quanto para os polinizadores, mas pode ter efeitos diferentes em diferentes grupos de animais polinizadores. Por exemplo, as práticas agrícolas podem promover a abundância de abelhas, mas podem reduzir a abundância de outros polinizadores, como abelhas selvagens e borboletas. Desta forma, a mudança global do uso da terra pode interromper as interações coevoluídas entre algumas plantas e seus polinizadores, fazendo com que sua reprodução seja limitada pela polinização.

Para vincular o uso da terra à limitação de pólen, precisávamos de um conjunto de dados global que quantificasse o grau em que o pólen limita o sucesso da reprodução das plantas. A solução para este problema foram milhares de experimentos publicados de suplementação de pólen. Experimentos de suplementação de pólen estimam a magnitude da limitação de pólen comparando o número de sementes produzidas por flores polinizadas naturalmente com flores que recebem pólen suplementado manualmente. A limitação do pólen na reprodução das plantas é indicada se as plantas que recebem pólen suplementado manualmente produzem mais frutos ou sementes do que as plantas que recebem apenas pólen natural.

Em 2003, Knight, Ashman e Steets compraram juntos todos os experimentos de suplementação de pólen publicados disponíveis na época, que eram 1003 experimentos conduzidos em 306 espécies de plantas. No entanto, seu conjunto de dados tendia a se concentrar no uso natural da terra e tinha um viés europeu e norte-americano. Em 2015, após o lançamento do relatório de síntese do IPBES, Knight, Ashman e Steets decidiram que era hora de atualizar o banco de dados. Eles também queriam incluir estudos publicados em periódicos regionais em outros idiomas além do inglês. Eles procuraram especialistas em polinização na Ásia, América do Sul e África do Sul para reunir uma equipe internacional de especialistas. Como uma equipe, nos encontramos três vezes na Alemanha para expandir o conjunto de dados temporal e espacialmente e para realizar workshops e gerar novas ideias. Compilar os dados e transformá-los em um formato limpo utilizável foi liderado pelo Dr. Joanne Bennett, mas também deu muito trabalho para toda a equipe de 16 cientistas. O trabalho árduo valeu a pena, no novo conjunto de dados GLoPL publicado em Dados científicos , o conjunto de dados é 3 vezes maior e tem uma distribuição mais global.

Em última análise, esses dados nos permitiram realizar uma meta-análise global que mostrou que as plantas em paisagens intensamente utilizadas, como áreas urbanas, são altamente limitadas em pólen. Descobrimos que as plantas que são especializadas em sua polinização estão particularmente em risco de limitação de pólen, mas isso varia entre os diferentes tipos de uso da terra com base nos taxa polinizadores em que são especializadas. Nossos resultados, publicados na Nature Communications, sugerem que futuras mudanças no uso da terra diminuirão a polinização e o sucesso reprodutivo das plantas e podem fazer com que as comunidades de plantas sejam mais dominadas por espécies que são generalizadas em sua polinização.

Mapa mostrando a localização dos estudos de limitação de pólen
Mapa mostrando a localização dos estudos de limitação de pólen publicados no conjunto de dados GLoPL. Os pontos laranja indicam um tamanho de efeito positivo (ou seja, limitação de pólen) e os pontos verdes indicam um tamanho de efeito de zero ou inferior (ou seja, sem limitação de pólen). Crédito: Valentin Ştefan.

 

Joanne Bennett, Bolsista de pesquisa de pós-doutorado, University of Canberra

* Tradução e edição de Henrique Cortez

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 18/08/2020

 

Para pesquisar mais sobre este tema ou outros, use a ferramenta de pesquisa

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate com link e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top