Pesquisadores avaliam os efeitos diretos e indiretos do crescimento urbano na perda de biodiversidade

 

Em um mundo em rápida urbanização, a conversão de habitats naturais em áreas urbanas leva a uma perda significativa de biodiversidade nas cidades.

No entanto, esses efeitos diretos do crescimento urbano parecem ser muito menores que os indiretos fora das cidades, como a liberação urbana de gases de efeito estufa que causa mudanças climáticas globalmente ou a crescente demanda por alimentos e recursos nas cidades que levam à mudança no uso da terra. áreas rurais. Tanto a mudança no clima quanto o uso da terra são os principais impulsionadores da perda global de biodiversidade.

German Centre for Integrative Biodiversity Research (iDiv)*
Halle-Jena-Leipzig

Uma equipe internacional de pesquisadores, incluindo pesquisadores da The Nature Conservancy (TNC), do Centro Alemão de Pesquisa Integrativa em Biodiversidade (iDiv), da Universidade Martin Luther Halle-Wittenberg (MLU) e de outras instituições, avaliou os efeitos diretos e indiretos em escala global. Os resultados foram publicados na revista Nature Sustainability.

Estamos vivendo o período de crescimento urbano mais rápido da história da humanidade, com mais de 2 bilhões de pessoas esperadas nas cidades até 2030 – um ritmo equivalente à construção de uma cidade do tamanho da cidade de Nova York a cada 6 semanas. Mas o que os cientistas sabem e não sabem sobre como o crescimento urbano está afetando a biodiversidade? Para responder a essa pergunta, uma equipe internacional de pesquisadores revisou mais de 900 estudos. O trabalho do grupo de trabalho de síntese altamente internacional foi financiado e apoiado pelo sDiv, o centro de síntese do Centro Alemão de Pesquisa Integrativa em Biodiversidade (iDiv).

Os pesquisadores descobriram que os efeitos diretos das cidades no habitat natural e na biodiversidade são grandes e fáceis de mapear usando dados de satélite. Efeitos diretos ocorrem quando as áreas urbanas se expandem, convertendo o habitat natural em cidades. Os efeitos diretos são cumulativamente significativos, com previsão de 290.000 km 2 de habitat natural a serem convertidos para usos da terra urbana entre 2000 e 2030. Isso é igual a uma área maior que todo o Reino Unido. As áreas urbanas estão causando a maior destruição de habitats de alta biodiversidade em locais como o litoral da China, Brasil e Nigéria. Isso resulta em uma grande perda de biodiversidade, porque a riqueza de espécies (número de espécies) em um local é globalmente, em média, 50% mais baixa em locais urbanos do que em um habitat natural intacto.

No entanto, o efeito indireto do crescimento urbano na biodiversidade é provavelmente muito maior que o efeito direto. Os efeitos indiretos incluem os impactos na biodiversidade dos recursos consumidos na cidade, bem como os impactos da poluição liberada pelas cidades. Os pesquisadores estimam que apenas a área necessária para alimentar as cidades do mundo é 36 vezes maior que a área urbana das cidades. “Em outras palavras, os alimentos que os habitantes urbanos comem se mostram mais importantes para a biodiversidade global do que o impacto ambiental direto das áreas urbanas”, disse a co-autora Dra. Andressa Vianna Mansur, pesquisadora de pós-doutorado do iDiv. Conclusões semelhantes podem ser feitas para outros efeitos indiretos, incluindo o papel das emissões de gases de efeito estufa das cidades para piorar as mudanças climáticas.

Até o momento, muita pesquisa foi feita sobre os efeitos diretos da expansão urbana em determinadas cidades ou lugares – de 900 estudos, mais de 600 trataram dos efeitos diretos do crescimento urbano. No entanto, os efeitos do crescimento urbano não são estudados nas regiões onde os dados de satélite sugerem os efeitos mais intensos. “A maioria dos estudos ocorre em países desenvolvidos como Estados Unidos e União Européia. Relativamente poucos artigos são de países em desenvolvimento, onde as cidades estão se expandindo mais rapidamente para um habitat de alta biodiversidade ”, comentou o primeiro autor Robert McDonald, da The Nature Conservancy. “Como resultado, não sabemos muito sobre como os ecossistemas mudam nesses habitats em resposta à urbanização.”

Em contraste com os efeitos diretos, pouca pesquisa foi feita sobre os efeitos indiretos do crescimento urbano – apenas 34% de todos os estudos de impactos urbanos na biodiversidade consideram efeitos indiretos. “Em outras palavras, estamos gastando cerca de duas vezes mais esforço para estudar efeitos diretos do que efeitos indiretos, embora os efeitos indiretos pareçam ser muito mais importantes em magnitude”, disse Robert McDonald.

Essa lacuna na literatura pode ter um efeito na formulação de políticas: “A falta de dados sobre a importância da perda de biodiversidade urbana em países de renda média e baixa pode levar os formuladores de políticas a subestimar a importância da questão”, disse o Prof Henrique Pereira, pesquisador. chefe de grupo da iDiv e da MLU. Além disso, faltam informações sobre como processos socioeconômicos únicos nos países em desenvolvimento, como assentamentos informais (favelas), afetam a biodiversidade. “Somente ao fechar essas lacunas de pesquisa, a sociedade poderá tomar decisões inteligentes e informadas sobre como proteger a biodiversidade em um mundo cada vez mais urbano”.

Impactos diretos previstos do crescimento urbano no habitat (2000-2030)
Impactos diretos previstos do crescimento urbano no habitat (2000-2030). (Foto: Nature Sustainability)

 

Referência:

McDonald, R.I., Mansur, A.V., Ascensão, F. et al. Research gaps in knowledge of the impact of urban growth on biodiversity. Nat Sustain (2019) doi:10.1038/s41893-019-0436-6
https://doi.org/10.1038/s41893-019-0436-6

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/12/2019

[cite]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top