Comunidades reagem e discutem sobre mudanças climáticas após eventos climáticos extremos

 

Vista da destruição nas Bahamas causada pela passagem do pelo furacão Dorian
Vista da destruição nas Bahamas causada pela passagem do pelo furacão Dorian. Foto: Foto ONU/Mark Garten

Comunidades reagem e discutem sobre mudanças climáticas após eventos climáticos extremos

Afiliações políticas, presença de organizações ambientais locais e cobertura prévia da mídia local sobre mudanças climáticas desempenham um papel na maneira como uma comunidade reage a um evento climático extremo, conclui um artigo publicado na Nature Climate Change.

Oregon State University*
School of Public Policy in the College of Liberal Arts

“Eventos climáticos extremos, como um incêndio catastrófico, uma inundação de 500 anos ou uma onda de calor recorde podem resultar em alguma discussão e ação local em torno da mudança climática, mas não tanto quanto se poderia esperar e nem em todas as comunidades”, disse Hilary Boudet, principal autor do artigo e professor associado de políticas públicas na Escola de Políticas Públicas da Universidade Estadual do Oregon, na Faculdade de Artes Liberais.

“Em termos de estabelecer vínculos com as mudanças climáticas, as reações locais a um evento climático extremo dependem tanto de aspectos do evento em si, mas também de tendências e recursos políticos dentro da comunidade antes da realização do evento.”

O trabalho de Boudet faz parte de um crescente corpo de pesquisa que explora os vínculos entre a experiência pessoal com um evento climático extremo e a mobilização social em torno das mudanças climáticas. O estudo fez parte de um projeto que examinava as reações da comunidade ao clima extremo nos EUA.

Os pesquisadores procuraram entender melhor como eventos climáticos extremos podem influenciar atitudes e ações locais relacionadas às mudanças climáticas.

Os pesquisadores realizaram 164 entrevistas com residentes locais e líderes comunitários em 15 comunidades nos Estados Unidos que sofreram eventos climáticos extremos que causaram pelo menos quatro mortes entre 2012 e 2015. Eles também analisaram a cobertura da mídia para entender melhor que tipos de discussões públicas, ações e políticas em torno da mudança climática ocorreram nessas comunidades.

Das 15 comunidades, nove mostraram evidências de discussão pública sobre a conexão do evento às mudanças climáticas após o desastre.

“Embora muitos dos eventos extremos que estudamos tenham provocado respostas de emergência significativas de voluntários e doações para esforços de resgate e recuperação, descobrimos que esses eventos provocaram pouca mobilização em torno das mudanças climáticas”, disse Boudet. “No entanto, houve também uma diferença distinta entre os casos em que a discussão sobre mudança climática na comunidade ocorreu e onde não ocorreu, permitindo-nos traçar caminhos para essa discussão”.

Quando havia alguma certeza científica de que o evento climático estava relacionado à mudança climática, era mais provável que houvesse discussões sobre a conexão, principalmente em comunidades que se inclinavam democratas ou onde os moradores eram altamente educados, disse Boudet.

No entanto, mesmo em comunidades onde as mudanças climáticas foram discutidas em relação ao evento climático, muitas vezes era uma questão marginal. Outras preocupações mais imediatas, como gerenciamento de resposta a emergências e recuperação econômica, geraram muito mais discussões e ações subsequentes.

Alguns dos entrevistados sugeriram que abordar o tema das mudanças climáticas em meio a esforços de recuperação de desastres poderia ser interpretado como uma tragédia para avançar uma agenda política, disse Boudet.

“Mudanças recentes nas opiniões dos EUA sobre as mudanças climáticas sugerem que pode se tornar um tópico de conversa mais aceitável após um evento climático extremo”, disse Boudet. “No entanto, nossos resultados indicam que pode levar tempo para que essas discussões ocorram, principalmente em comunidades de tendência republicana”.

Enquanto o trabalho desafia a noção de que um único evento climático extremo trará rápida mobilização social local em torno das mudanças climáticas, os pesquisadores descobriram que as comunidades ainda podem fazer mudanças importantes após o evento para garantir respostas mais efetivas a eventos futuros.

Boudet e sua equipe estão atualmente examinando as ações políticas locais pós-evento para entender como essas ações se relacionam com a discussão local sobre mudanças climáticas.

Referência:

Boudet, H., Giordono, L., Zanocco, C. et al. Event attribution and partisanship shape local discussion of climate change after extreme weather. Nat. Clim. Chang. (2019) doi:10.1038/s41558-019-0641-3
https://doi.org/10.1038/s41558-019-0641-3

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 10/12/2019

[cite]

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top