Terras indígenas da Austrália, Brasil e Canadá abrigam e protegem alta biodiversidade

 

Terra Indígena Waimiri-Atroari
Terra Indígena Waimiri-Atroari. Foto: EBC/CIMI

 

Estudo destaca a importância de colaborar com comunidades indígenas para proteger a biodiversidade

Por Lou Corpuz-Bosshart * **

Mais de um milhão de espécies de plantas e animais em todo o mundo estão em extinção, segundo um recente relatório das Nações Unidas. Agora, um novo estudo conduzido pela UBC sugere que as terras administradas por indígenas podem ter um papel crítico em ajudar as espécies a sobreviver.

Os pesquisadores analisaram dados de terras e espécies da Austrália, Brasil e Canadá – três dos maiores países do mundo – e descobriram que o número total de aves, mamíferos, anfíbios e répteis era o mais alto em terras administradas ou co-geridas por comunidades indígenas.

Áreas protegidas, como parques e reservas de vida selvagem, tiveram o segundo maior nível de biodiversidade, seguido por áreas selecionadas aleatoriamente que não estavam protegidas.

O estudo, que focou em 15.621 áreas geográficas no Canadá, Brasil e Austrália, também descobriu que o tamanho de uma área e sua localização geográfica não afetam a diversidade de espécies.

“Isso sugere que são as práticas de manejo de terras de muitas comunidades indígenas que mantêm as espécies em alta”, disse o principal autor Richard Schuster, bolsista de pós-doutorado Liber Ero da Carleton University, que realizou a pesquisa na UBC. “No futuro, colaborar com os administradores das terras indígenas provavelmente será essencial para garantir que as espécies sobrevivam e prosperem”.

O estudo é o primeiro a comparar a biodiversidade e o manejo da terra em uma escala geográfica tão ampla, dizem os pesquisadores.

“Analisamos três países com climas e espécies muito diferentes, para ver se o padrão se aplica a essas diferentes regiões – e foi o que aconteceu”, disse o co-autor Ryan Germain, um pós-doutorado na Universidade de Cornell. “De sapos e pássaros canoros até grandes mamíferos como ursos pardos, jaguares e cangurus, a biodiversidade era mais rica em terras administradas por indígenas.”

Os programas tradicionais de conservação dependiam da designação de certas áreas como parques e reservas, e esses resultados destacam a importância de expandir a conservação além de suas fronteiras típicas, diz o autor sênior do estudo, Peter Arcese, professor de florestas da UBC .

“As áreas protegidas são um dos pilares da conservação da biodiversidade globalmente, mas os níveis atuais de proteção serão insuficientes para deter a crise de extinção planetária”, disse Arcese, presidente da Renovação de Florestas da BC em Biologia da Conservação na UBC. “Precisamos administrar uma fração maior da área do mundo de forma a proteger as espécies e levar a resultados positivos para as pessoas e as espécies nas quais eles dependem há milênios.”

Os pesquisadores notaram que, no passado, quando as áreas protegidas eram estabelecidas, os povos indígenas eram às vezes excluídos do uso de terras nas quais dependiam anteriormente para alimentos e materiais. Isso foi prejudicial para muitas comunidades indígenas e não atingiu necessariamente as metas originais de conservação.

“As terras administradas por indígenas representam um importante repositório de biodiversidade em três dos maiores países da Terra, e os povos indígenas atualmente administram ou têm estabilidade em cerca de um quarto da área terrestre do planeta”, disse o co-autor Nick Reo, professor adjunto. de estudos ambientais e estudos nativos americanos no Dartmouth College e um cidadão do Sault Ste. Marie, tribo de Ontário de índios Chippewa.

“À luz disso, colaborando com indígenas, comunidades e organizações podem ajudar a conservar a biodiversidade, assim como apoiar os direitos indígenas à terra, o uso sustentável dos recursos e o bem-estar.”

O estudo foi publicado na semana passada na Environmental Science & Policy .

Referência:

Vertebrate biodiversity on indigenous-managed lands in Australia, Brazil, and Canada equals that in protected areas
Richard Schusterab, Ryan R.Germaina, Joseph R.Bennett, Nicholas J.Reo, Peter Arcese
Environmental Science & Policy
Volume 101, November 2019, Pages 1-6
https://doi.org/10.1016/j.envsci.2019.07.002

 

* Com informações da University of British Columbia (UBC)

** Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/08/2019

Terras indígenas da Austrália, Brasil e Canadá abrigam e protegem alta biodiversidade, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 2/08/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/08/02/terras-indigenas-da-australia-brasil-e-canada-abrigam-e-protegem-alta-biodiversidade/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top