Pesquisa indica que o modelo proposto para a agricultura da UE não é viável para o futuro

 

Pesquisadores analisam planos de reforma da Comissão Europeia para a Política Agrícola Comum (PAC)

Por Sebastian Tilch * **

 

Paisagens monótonas criadas pela intensificação agrícola
Paisagens monótonas criadas pela intensificação agrícola. A reforma da PAC proposta pela UE arrisca a expansão dessas paisagens, segundo os cientistas. (Foto: Sebastian Lakner)

 

As atuais propostas de reforma da Comissão Européia sobre a Política Agrícola Comum (PAC) não devem melhorar a proteção ambiental, dizem pesquisadores liderados pelo Centro Alemão de Pesquisa Integrativa em Biodiversidade (iDiv), o Centro Helmholtz de Pesquisa Ambiental (UFZ) e a Universidade de Göttingen na revista Science.

Embora a UE se tenha comprometido com uma maior sustentabilidade, isso não se reflete na proposta de reforma da PAC. Os autores mostram como o processo de reforma em curso ainda pode acomodar descobertas científicas conclusivas e demanda pública para enfrentar os desafios ambientais, incluindo a mudança climática.

As áreas agrícolas cobrem 174 milhões de hectares, ou 40% da área da UE (mais de 50% na Alemanha). A intensificação do uso da terra, principalmente pela agricultura, é identificada pela Plataforma Intergovernamental de Política Científica sobre Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos (IPBES) como a causa número um de perda de biodiversidade, com risco ao bem-estar humano resultante de perdas de biodiversidade e serviços ecossistêmicos.

A União Européia e, portanto, também a Alemanha, comprometeram-se em vários acordos internacionais a mudar para uma agricultura sustentável, a proteção da biodiversidade e a luta contra as mudanças climáticas. Com aproximadamente 40% do orçamento total, a Política Agrícola Comum (PAC) da União Europeia, é uma das áreas políticas mais importantes para a implementação destes compromissos internacionais.

Os pesquisadores analisaram a proposta para a PAC pós-2020 com foco em três questões: a proposta de reforma é compatível com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU, reflete o debate público sobre agricultura e oferece uma clara melhora em comparação? para o atual PAC? A análise foi baseada em uma revisão abrangente da literatura com cerca de 450 publicações, abordando questões como eficácia, eficiência e relevância da PAC.

Conclusão dos cientistas: A PAC proposta representa um claro passo atrás em comparação com a atual. “Levar a sustentabilidade e os ODSs a sério exige uma profunda reflexão sobre a política agrícola, seus orçamentos e instrumentos, e desenvolver bons indicadores para medir o sucesso”, diz o ecologista Guy Pe’er. “Além das palavras, encontramos pouco disso.” Segundo os pesquisadores,

Os pesquisadores também criticam que a UE quer manter alguns dos instrumentos da PAC que se mostraram ineficientes, prejudiciais ao meio ambiente e socialmente injustos. Um exemplo-chave para um instrumento ineficiente são os Pagamentos Diretos no chamado Pilar 1 da PAC. Cerca de 40 mil milhões de euros (cerca de 70% do orçamento da PAC) são pagos aos agricultores apenas com base na área cultivada. Isso leva a uma distribuição de financiamento desigual: 1,8% dos destinatários recebem 32% do dinheiro. “Esses pagamentos compensatórios, provisoriamente introduzidos em 1992 como uma solução provisória, carecem de uma justificativa científica sólida”, diz o economista agrícola Sebastian Lakner, da Universidade de Göttingen. De acordo com a análise dos pesquisadores, os Pagamentos Diretos contribuem muito pouco para objetivos ambientais ou sociais.

A Comissão da União Européia propõe manter e até mesmo expandir os Pagamentos Diretos, mas surgiu com a chamada “arquitetura verde” em resposta às críticas generalizadas. Isto inclui uma expansão dos Critérios Agrícolas de Bom Ambiente e novas medidas voluntárias chamadas ‘eco-esquemas’ no Pilar 1.

Além disso, a Comissão da UE afirma que 40 por cento da PAC deve ser rotulada como ‘amiga do clima’. Mas, segundo os pesquisadores, esse cálculo continua sendo questionável. E enquanto as emissões de gases com efeito de estufa na agricultura estão atualmente a aumentar, em vez de diminuir, a Comissão não oferece instrumentos específicos adequados para lidar com as alterações climáticas.

O segundo pilar, denominado “Programa de Desenvolvimento Rural”, oferece ferramentas muito melhores para abordar a proteção da biodiversidade e as mudanças climáticas. Enquanto os instrumentos ambientais no Pilar 2 recebem apenas um décimo do Pilar 1, a Comissão sugere cortar consideravelmente o Pilar 2 em 28 por cento nos próximos anos, colocando em risco tanto o meio ambiente como as sociedades rurais, de acordo com os pesquisadores.

Os pesquisadores acreditam que a principal razão para as deficiências ambientais está em um processo de reforma desequilibrado que permite que organizações de lobby poderosas oportunidades de longo alcance influenciem a reforma e promovam os próprios interesses, excluindo atores importantes da ciência e da sociedade.

“A UE obviamente não tem a vontade de atender à demanda pública por agricultura sustentável e de implementar as metas globais de meio ambiente e desenvolvimento que teve participação na adoção”, diz Pe’er. “Os interesses do lobby claramente superaram tanto a ampla evidência quanto os interesses públicos.” Segundo uma pesquisa da UE, 92% dos cidadãos e 64% dos agricultores dizem que a PAC deve melhorar seu desempenho com relação à proteção ambiental e climática. Os investigadores vêem a cessação dos pagamentos diretos uma tarefa fundamental para melhorar a PAC. No curto prazo, o Pilar 2 deve ser fortalecido, e medidas que provaram ser benéficas para a biodiversidade e a sustentabilidade devem ser apoiadas para atender os ODS.

Pe’er e Lakner vêem o recém-eleito Parlamento Europeu como uma oportunidade para reformular o processo de reforma, a fim de satisfazer ainda a vontade pública e os compromissos da UE relativamente às obrigações internacionais: “Existem provas científicas suficientes sobre o que funciona e o que não funciona. especialmente com relação ao meio ambiente ”, diz Pe’er. “Deve ser do interesse central da Comissão da UE usar o dinheiro dos contribuintes de forma mais eficiente para apoiar os objetivos da sociedade, como a manutenção da biodiversidade ou, em geral, a agricultura sustentável”, acrescenta Lakner. Os cientistas acreditam que um processo genuíno de reforma, que envolve todas as partes interessadas relevantes e leva as descobertas científicas a sério, pode ajudar a reconstruir o apoio público e a aceitação da PAC.

Referência:

Pe’er, G., Zinngrebe, Y., Moreira, F., Sirami, C., Schindler, S., Müller, R., Bontzorlos, V., Clough, D., Bezák, P., Bonn, A., Hansjürgens, B., Lomba, A., Möckel, S., Passoni, G., Schleyer, C., Schmidt, J. & Lakner, S. (2019) A greener path for the EU Common Agricultural Policy. Science, 365, 449-451. DOI: 10.1126/science.aax3146

 

* Com informações do German Centre for Integrative Biodiversity Research (iDiv) Halle-Jena-Leipzig

** Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/08/2019

Pesquisa indica que o modelo proposto para a agricultura da UE não é viável para o futuro, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 2/08/2019, https://www.ecodebate.com.br/2019/08/02/pesquisa-indica-que-o-modelo-proposto-para-a-agricultura-da-ue-nao-e-viavel-para-o-futuro/.

 

PUBLICIDADE / CONTEÚDO RELACIONADO



 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Deixe uma resposta

Top