Novo mapa descreve a degradação ambiental em toda a Terra, entre 1992 e 2015

 

Degradação Ambiental – Ao comparar 24 anos de imagens de satélite, o mapa ajuda a iluminar desastres como o encolhimento do Mar de Aral e o que motiva os “refugiados do clima” a fugir

Monitorar as mudanças globais na cobertura da terra é importante devido às preocupações sobre seu impacto no meio ambiente e no clima

Por Michael Miller, University of Cincinnati*

Um novo mapa da Universidade de Cincinnati ilustra uma força motivadora por trás das caravanas de migrantes que deixam a Guatemala e Honduras para chegar aos Estados Unidos.

O professor de geografia da UC Tomasz Stepinski criou o novo mapa mundial mostrando mudanças dramáticas no uso da terra ao longo do último quarto de século. Stepinski, professor da Faculdade McMicken de Artes e Ciências da Universidade da Califórnia, transformou imagens de satélite de alta resolução da Agência Espacial Européia em um dos aspectos mais detalhados até agora sobre como as pessoas estão reformulando o planeta.

“Neste exato momento, há caravanas de pessoas caminhando para os Estados Unidos. Muitas delas vêm da Guatemala”, disse Stepinski.

Agências de notícias como o The Guardian chamaram alguns dos migrantes da América Central de “refugiados da mudança climática”, já que muitos estão fugindo de anos sucessivos de quebra de safra. Mas Stepinski disse que a mudança climática conta apenas parte da história. Seu mapa mostra como a Guatemala tem sofrido um desmatamento generalizado.

“E eles perderam a floresta porque as pessoas usam madeira como combustível”, disse Stepinski. “É uma parte da crise dos refugiados”.

O projeto foi publicado no International Journal of Applied Earth Observation e Geoinformation .

O mapa digital ilustra como 22 por cento da superfície habitável da Terra foi alterada de forma mensurável, principalmente da floresta para a agricultura, entre 1992 e 2015.

“É muito informativo. Não há nada como isso”, disse Stepinski. “Há mapas de perda de floresta, mas nenhum mapa mostra tudo.”

O mapa conta uma nova história onde quer que você olhe, desde as perdas de terras úmidas no sudeste dos Estados Unidos até a devastação do Mar de Aral até o desmatamento nos trópicos e florestas tropicais temperadas.

“Claro, isso aumenta os alarmes. Mas eles não são novos”, disse Stepinski. “Nós já sabíamos sobre o desmatamento ou a perda de terras úmidas ou o aumento da urbanização. Mas agora podemos ver exatamente onde tudo isso está acontecendo”, disse ele.

A Agência Espacial Européia, em 1992, começou a capturar imagens de satélite da Terra para estudar as mudanças climáticas, disse Stepinski. A cobertura da superfície pode influenciar drasticamente a temperatura, dependendo de absorver ou refletir a luz do sol. Da mesma forma, a cobertura florestal absorve mais dióxido de carbono do que os centros comerciais.

“A grande conquista da Agência Espacial Européia era garantir que as imagens de satélite fossem compatíveis de ano para ano, para que você pudesse compará-las”, disse Stepinski.

Stepinski disse que o mapa mostra como recursos naturais finitos estão sendo explorados em escala global.

“O que torna isso tão deprimente é que ele está examinando uma escala de tempo mais curta do que a nossa vida”, disse Stepinski.

Um dos exemplos mais óbvios de mudança no uso da terra é encontrado em torno das cidades, disse o principal autor do estudo e ex-colega de pós-doutorado em UC, Jakub Nowosad.

“O impacto direto das ações humanas é refletido nos padrões de urbanização. Por exemplo, você pode ver a suburbanização e a densificação de cidades na América do Norte e na Europa”, disse Nowosad, agora professor assistente na Universidade Adam Mickiewicz na Polônia.

O pesquisador de geografia da UC, Pawel Netzel, também contribuiu para o projeto.

Nowosad disse que o oeste da China tem visto uma vasta urbanização, enquanto o desenvolvimento mais óbvio da Índia foi em suas cidades menores.

“Espero que este mapa torne as pessoas mais conscientes do impacto humano em nosso planeta”, disse Nowosad. “Como sociedade, precisamos estar mais bem informados sobre a escala das mudanças que fazemos na Terra e, em minha opinião, essa consciência pode influenciar futuras mudanças nas políticas ambientais.”

Nowosad disse que seu mapa não faz inferências sobre o que os próximos 24 anos podem trazer. Mas os dados demográficos sugerem que a nossa pegada só ficará maior.

“A população humana ainda está aumentando, criando mais demanda por terra e recursos naturais”, disse Nowosad. “Além disso, sabemos que as sociedades nos países desenvolvidos usam mais recursos; portanto, com o crescente desenvolvimento nos países mais pobres, podemos esperar que a pressão sobre a terra seja ainda maior do que o previsto apenas como efeito do crescimento populacional”.

As imagens de satélite são tão detalhadas que os geógrafos da UC podem organizá-las em redes de 300 metros quadrados chamadas de pixels. Cada pixel identificou mudanças entre 22 categorias de uso da terra, descrevendo vários tipos de terras agrícolas, florestas, zonas úmidas, pastagens ou desenvolvimento urbano. Mas os pequenos tamanhos de pixel e um grande número de variáveis ??tornaram a análise global praticamente impossível. Nesta encarnação, o mapa parecia uma tigela de seixos frutados.

Assim, Stepinski organizou os pixels em quadrados maiores de 9 quilômetros e reduziu o número de usos da terra para nove tipos, refletindo descrições mais amplas, como agricultura, floresta ou desenvolvimento. Ao comparar as diferenças entre os mapas de 1992 e 2015, ele usou três tons de cor para identificar a extensão da mudança de um uso da terra para outro.

Logo a história dos últimos 25 anos começou a tomar forma. O mapa mostra que o deserto do Saara no norte da África está crescendo.

“Esta é a área de transição chamada Sahel. E, se você notar, verá as perdas das pastagens por causa das mudanças climáticas – mais desertificação”, disse Stepinski.

O mapa dos Estados Unidos mostra enormes perdas de terras úmidas no sudeste, junto com a crescente urbanização fora das cidades.

O mapa ilustra o dramático desaparecimento do Mar de Aral, que secou na década de 1990, depois que agricultores do Cazaquistão e do Uzbequistão desviaram seus afluentes para campos de algodão.

“Foi um desastre total. Este foi um grande lago de água salgada alimentado por dois rios. Eles desviaram água para o algodão e o mar secou em pastagens”, disse Stepinski. “Hoje, você vê enormes barcos sentados no meio dos campos.”

Stepinski já usou mapas antes para contar histórias fascinantes semelhantes. O site de notícias Quartz em 2017 chamou seu mapa de diversidade racial nos Estados Unidos de “insanamente detalhado”. No início deste ano, ele usou dados do WorldClim para comparar climas em qualquer lugar da Terra e projetar como o clima deve mudar nos próximos 50 anos.

Seu último projeto apresentou desafios únicos.

Como muitos mapas mundiais tendem a exagerar o tamanho dos países mais distantes do equador, Stepinski traçou seus resultados usando um mapa de projeção desenvolvido em 1943 por Buckminster Fuller, que mostra o tamanho comparativo dos continentes. Mas isso exigia que a UC desenvolvesse um software especial que manteria a integridade dos dados para a tradução.

Enquanto o mapa conta a história do desenvolvimento em traços largos, os pesquisadores podem examinar qualquer parte dele detalhadamente. O mapa apresenta dados de cada pixel de 300 metros quadrados.

 

Uma parte do novo mapa mundial do professor de geografia UC Tomasz Stepinski mostra a mudança de paisagens na América do Norte e do Sul. Branco indica pouca ou nenhuma mudança. Tons mais escuros indicam a maior taxa de mudança em cada categoria. Graphic / Tomasz Stepinski / UC
Uma parte do novo mapa mundial do professor de geografia UC Tomasz Stepinski mostra a mudança de paisagens na América do Norte e do Sul. Branco indica pouca ou nenhuma mudança. Tons mais escuros indicam a maior taxa de mudança em cada categoria. Graphic / Tomasz Stepinski / UC

 

Referência:

Nowosad, J., Stepinski, T. F., Netzel, P. (2018). Global assessment and mapping of changes in mesoscale landscapes: 1992–2015. International Journal of Applied Earth Observation and Geoinformation, DOI: 10.1016/j.jag.2018.09.013
https://doi.org/10.1016/j.jag.2018.09.013

 

* Tradução e edição de Henrique Cortez, EcoDebate.

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/11/2018

Novo mapa descreve a degradação ambiental em toda a Terra, entre 1992 e 2015, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/11/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/11/20/novo-mapa-descreve-a-degradacao-ambiental-em-toda-a-terra-entre-1992-e-2015/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top