‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 6/6 (Final), artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] LÉTORNEAU (2014) considera o caso das previsões que se quereriam adequadas para preparar uma “adaptação” às mudanças climáticas.

Nesta situação, não basta consultar climatologistas, também serão necessários economistas, especialistas em relações internacionais e especialistas da comunicação, sem esquecer os “experts” em construção de edifícios ao abrigo dos acasos ambientais, em logística para facilitar o trabalho no caso de evacuação, incêndio ou deslizamento de terreno.

Estas questões estão nas mãos de um pequeno número de “experts”, o que põe toda uma série de dificuldades, que se menciona. Visto que essas pessoas não estão habituadas, nem são solicitadas de maneira habitual, a trabalhar juntas, os problemas de comunicação entre elas correm o risco de serem amplificados.

E como o político está ligado aos interesses econômicos, esse tipo de questão tem a tendência de ser tratado de maneira mínima, atribuindo-se um peso prevalente a certas “expertises” e colocando de lado abordagens econômicas mais marginais como a dos economistas ecológicos.

Está claro que a questão prática da “expertise” não será colocada da mesma maneira se adotarmos um quadro de governança de tipo intra-organizacional, com uma veleidade central de controle sobre os atores, ou se for concebida a governança como participação de uma rede de atores em que todos têm recursos e “expertise”.

LÉTORNEAU (2014) atesta que estas demandas de participação sobre questões complexas e que causam impacto no longo prazo são igualmente muito elevadas e exigem acesso a uma informação vasta e contextualizada.

Quando se trata das “expertises”, não se examina os fenômenos de fronteira entre os conhecimentos, seus pontos de contato e os vazios entre elas.

De fato, temos necessidade de desenvolver abordagens inter-expertise, que são transdisciplinares, dentro da multidisciplinariedade.

O que é uma “expertise” senão um tipo de disciplinariedade baseada na resolução de problemas práticos, que difere portanto, a esse respeito de uma disciplina no sentido acadêmico.

Daí decorre a conexão que permite articular a questão da inter-expertise com o tema da inter-profissionalização, visto que especialistas também são profissionais.

A concepção de governança ambiental é ampla e derivada. Não é pretensão cristalizar uma conceituação completa e inquestionável, até mesmo porque esta situação não existiria.

Governança transcende a assistencialismo social. Conceito transposto da área empresarial, neste contexto significa mediar de forma sistêmica, os interesses envolvidos de todas as partes interessadas.

Buscando a máxima satisfação possível com a conciliação das demandas emergentes. De forma sistêmica e permanente, sem espontaneísmos e improvisações.

Mediar e compatibilizar interesses legítimos e que transcendem caráter pessoal ou financista.

E que ampliem a conceituação de preservação ambiental e de empreendimentos, procurando satisfazer as demandas das populações locais atingidas.

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

Nota da redação: Sugerimos que leia, também, a parte anterior desta série de artigos:

‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 1/6

‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 2/6

‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 3/6

‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 4/6

‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 5/6

Referências:

AFEISSA, H. F. (Ed.). Éthique de l’environnement. Paris: Vrin, 2007.

AGRAWAL, A. Dismantling the divide between indigenous and scientific knowledge. Development and Change, 26, 3, p. 413-39, 1995.

AGRAWAL, A. & GIBSON, C. C., Enchantment and disenchantment: the role of community in natural resource conservation. World Development, 27, 4, p. 629-49, 1999.

ASCHER, W., STEELMAN, T. & HEALY, R. (Ed.). Knowledge and environmental policy. Re-imagining the boundaries of science and politics. Cambridge: The MIT Press, 2010.

BOCKING, S., Nature’s experts. Science, politics, and the environment. New Brunswick: Rutgers University Press, 2006.

BRUNKORST, H., KREIDE, R. & LAFONT, K. (Ed.). Habermas Handbuch. Stuttgart: Metzler Verlag, 2009.

CALLON, M., LACOUSMES, P. & BARTHE, Y., Agir dans un monde incertain. Paris: Seuil, 2001.

DEWEY, J., Le public et ses problèmes. Traduction J. Zask. Paris: Farrago, 2003 [1927].

GOODWIN, J. (Ed.). Betweeen scientists and citizens: proceedings of a conference at Iowa State University, June 1-2, 2012. Ames: GPSSA, 2012.

HABERMAS, J., Droit et démocratie. Traduction C. Bouchindhomme & R. Rochlitz. Paris: Gallimard, 1997.

JAMIESON, D. (Ed.). A companion to environmental philosophy. Oxford: Blackwell, 2003

LÉTOURNEAU, A., La transdisciplinarité considérée en général et en sciences de l’environnement. Vertigo, 8, 2, Oct. 2008. Disponível em: <http://vertigo.revues.org/index5253.html>. Acesso em: 20 mar. 2014.

LIGHT, A. & KATZ, E. (Ed.). Environmental pragmatism. London: Routledge, 1996.

LIPPMANN, W., Public opinion. New York: Free Press, 1922.

MAXIM, L. & ARNOLD, G. (Ed.). Les chercheurs au cœur de l’expertise. Paris: CNRS Éditions, 2012.

NANZ, P. ÖFFENTLICHKEIT., In: Brunkorst, H.; Kreide, R. & Lafont, K. (Ed.). Habermas Handbuch. Stuttgart: Metzler Verlag, 2009. p. 358-60.

NORTON, B. G., Sustainability. Chicago: University of Chicago Press, 2007.

VICTOR, P. A., Managing without growth. Chelthenham: Edward Elgar, 2008.

LÉTOURNEAU, Alain, O problema da expertise e as questões da governança ambiental, Sci. stud. vol. 12 no. 3 São Paulo jul./set. 2014, http://dx.doi.org/10.1590/S1678-31662014000300007

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/11/2018

‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 6/6 (Final), artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 20/11/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/11/20/expertise-e-governanca-ambiental-parte-66-final-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top