‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 1/6, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] LÉTORNEAU (2014) assevera que muitos termos possuem um sentido técnico sem que ele seja evidente para todos como a “governança ambiental”.

Termo que remete no contexto atual a uma participação cidadã nesse tipo de questão, por exemplo, da saúde de um ecossistema específico, tal como uma floresta ou um vale agrícola, a partir de preocupações partilhadas e não a partir de uma problemática de controle organizacional.

Governança transcende a assistencialismo social. Conceito transposto da área empresarial, neste contexto significa mediar de forma sistêmica, os interesses envolvidos de todas as partes interessadas, buscando a máxima satisfação possível com a conciliação das demandas emergentes. De forma sistêmica e permanente, sem espontaneísmos e improvisações.

Mediar e compatibilizar interesses legítimos e que transcendem caráter pessoal ou financista. E que ampliem a conceituação de preservação ambiental e de empreendimentos, procurando satisfazer as demandas das populações locais atingidas.

Após ter tornado preciso o que é a “expertise” e quais são os principais problemas postos pelo recurso à “expertise” nos contextos da ação cidadã, proponho que as expertises técnicas podem ser postas no mesmo nível, referindo principalmente aos saberes comuns, à prática e à experiência concreta, dita “de campo”, o que corresponde a uma ampliação.

LÉTORNEAU (2014) assevera a preocupação com o exercício do poder e com a tomada de decisões sobre questões de organização da cidade que afetam a todos.

O que se passa com as questões de ética ambiental? Os pesquisadores especializados nesse assunto limitaram-se geralmente a refletir se a ética ambiental deveria ser ecocentrista ou biocentrista ou, então, se deveria pelo menos ser antropocêntrica. Com base em uma clarificação dos princípios e das justificações, se propugna uma orientação prática que se supõe que obtém adesão e conduz a uma reorientação prática.

Se houver preocupação com questões que dizem respeito ao ambiente, deve se fazer apelo a pessoas com certa “expertise”. Isso pode se produzir em função de instâncias “autorreguladas”, como um comitê de cidadãos. Pode se tratar também de práticas de governança que se exercem local ou regionalmente, de maneira contínua, recorrente e frequente.

Ocorre refletir nos trabalhos de comitês técnicos que fornecem pareceres aos departamentos de recursos hídricos, ou nos engenheiros chamados em socorro de um comitê de questões fluviais que quer saber o estado de certa barragem ou as condições de sua reconstrução.

Como se interessar pelas florestas, pelos cardumes, pelos recursos minerais ou pelo cuidado ou gestão dos recursos de água sem dever imediatamente recorrer aos “experts”. Difícil deixar de lado a “expertise” com sua dificuldade para convencer a governança, especialmente no plano internacional, com sua incapacidade atual de operar de maneira eficaz.

Por incrível que pareça, alguns dos “experts” chamados com maior assiduidade são os filósofos. Sua função é em parte educacional e motivacional. O trabalho filosófico consiste em esclarecer a situação de um ponto de vista terminológico e conceitual, pois os termos do debate não são claros.

É preciso perguntar sobre o espaço social e as mediações concretas das quais se necessita e que são às vezes instrumentos para se ocupar das questões ambientais de maneira eficaz. Para tanto, o filósofo se apóia nas questões do simples cidadão e também nas ciências humanas e sociais.

Esta perspectiva apresenta a vantagem de não partir somente de uma consideração de princípio, obrigando a considerar os contextos e o conjunto dos valores relevantes e também os fins visados bem como os resultados previsíveis de nossas ações.

Como se denota, o problema do papel da “expertise” na sociedade moderna, democrática e complexa, foi levantado por John Dewey em 1927 em “The public and its problems”.

LÉTORNEAU (2014) assevera que mesmo as perspectivas que consideram uma democracia mais deliberativa e mais participativa devem levar em consideração os problemas colocados pelas exigências de especialistas em nossas sociedades, incluindo o diálogo com outros tipos de “expertise”, em concepção multidisciplinar, oriundos de outros setores da sociedade civil.

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

Referências:

AFEISSA, H. F. (Ed.). Éthique de l’environnement. Paris: Vrin, 2007.

AGRAWAL, A. Dismantling the divide between indigenous and scientific knowledge. Development and Change, 26, 3, p. 413-39, 1995.

AGRAWAL, A. & GIBSON, C. C., Enchantment and disenchantment: the role of community in natural resource conservation. World Development, 27, 4, p. 629-49, 1999.

ASCHER, W., STEELMAN, T. & HEALY, R. (Ed.). Knowledge and environmental policy. Re-imagining the boundaries of science and politics. Cambridge: The MIT Press, 2010.

BOCKING, S., Nature’s experts. Science, politics, and the environment. New Brunswick: Rutgers University Press, 2006.

BRUNKORST, H., KREIDE, R. & LAFONT, K. (Ed.). Habermas Handbuch. Stuttgart: Metzler Verlag, 2009.

CALLON, M., LACOUSMES, P. & BARTHE, Y., Agir dans un monde incertain. Paris: Seuil, 2001.

DEWEY, J., Le public et ses problèmes. Traduction J. Zask. Paris: Farrago, 2003 [1927].

GOODWIN, J. (Ed.). Betweeen scientists and citizens: proceedings of a conference at Iowa State University, June 1-2, 2012. Ames: GPSSA, 2012.

HABERMAS, J., Droit et démocratie. Traduction C. Bouchindhomme & R. Rochlitz. Paris: Gallimard, 1997.

JAMIESON, D. (Ed.). A companion to environmental philosophy. Oxford: Blackwell, 2003

LÉTOURNEAU, A., La transdisciplinarité considérée en général et en sciences de l’environnement. Vertigo, 8, 2, Oct. 2008. Disponível em: <http://vertigo.revues.org/index5253.html>. Acesso em: 20 mar. 2014.

LIGHT, A. & KATZ, E. (Ed.). Environmental pragmatism. London: Routledge, 1996.

LIPPMANN, W., Public opinion. New York: Free Press, 1922.

MAXIM, L. & ARNOLD, G. (Ed.). Les chercheurs au cœur de l’expertise. Paris: CNRS Éditions, 2012.

NANZ, P. ÖFFENTLICHKEIT., In: Brunkorst, H.; Kreide, R. & Lafont, K. (Ed.). Habermas Handbuch. Stuttgart: Metzler Verlag, 2009. p. 358-60.

NORTON, B. G., Sustainability. Chicago: University of Chicago Press, 2007.

VICTOR, P. A., Managing without growth. Chelthenham: Edward Elgar, 2008.

LÉTOURNEAU, Alain, O problema da expertise e as questões da governança ambiental, Sci. stud. vol. 12 no. 3 São Paulo jul./set. 2014, http://dx.doi.org/10.1590/S1678-31662014000300007

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/10/2018

‘Expertise’ e governança ambiental, Parte 1/6, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/10/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/10/30/expertise-e-governanca-ambiental-parte-16-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top