Natureza sistêmica da realidade e sustentabilidade, Parte 3/3 (Final), artigo de Roberto Naime

artigo

[EcoDebate] CÓRDULA (2011) registra que em linhas gerais, a terra possui seus processos naturais de retornar a homeostase (CAPRA, 2006).

E o grande paradigma climático, não é consensual, e está se revertendo no resfriamento global, segundo alguns (RIDENOUR, 2002). De alguma forma, Gaia não sucumbe à força impetuosa da humanidade, que é guiada por ações de consumo desenfreado dos seus recursos naturais e que decretam o destino de todos que nela habitam (CAPRA, 2006; LOVELOCK, 2006a).

A autopoiese sistêmica dominante necessita ser alterada. Pois hoje só o consumismo garante a manutenção dos círculos virtuosos da sociedade. Aumento de consumo gera maiores tributos, maior capacidade de intervenção estatal, maior lucratividade organizacional e manutenção das taxas de geração de ocupação e renda.

O consumismo precisa ser substituído pela ideia de satisfazer as necessidades dentro de ciclos.

Quanto mais estudamos os principais problemas de nossa época, mais somos levados a perceber que eles não podem ser entendidos isoladamente. São problemas sistêmicos, o que significa que estão interligados e são interdependentes (CAPRA, 1996, p.23).

Para LOVELOCK (2006a), o planeta Terra não é simplesmente uma massa sólida sobre influências gravitacionais do sol e do universo, e sim Gaia, uma entidade de grande complexidade e em constante manutenção do equilíbrio das suas condições superficiais, para propiciar e sustentar a vida.

Uma visão da Terra como um sistema autorregulador constituído da totalidade dos organismos, rochas de superfície, oceano e atmosfera estreitamente unidos como um sistema em evolução (LOVELOCK, 2006a, p. 155).

Infelizmente, este processo de auto-reconstrução do planeta, em virtude, das reações as mudanças brutais impomos a ele ao longo dos séculos, se refletem em escala global, delineando um novo mapa abiótico, tanto geológico, climático, aquífero e biótico ou da biosfera, como reflexo de seus processos cíclicos em busca da homeostase ecossistêmica (CAPRA, 2006; LOVELOCK, 2006b).

No meio desta torrente, apesar de sermos organismos muito adaptáveis, por se modificar o ambiente ou introduzir artificialmente maneiras de propiciar sobrevivência, não se está tendo percepção dentro deste processo (MATURANA; VARELA, 1997), e as tragédias humanas ocorrem, onde centenas ou milhares de vidas são sacrificadas por tsunamis, vulcões, tornados, terremotos, enchentes ou nevascas.

É necessário entender que isto continuará a ocorrer até a completo equilíbrio planetária (DIAS, 2004; CAPRA, 2006). Mas quando estes processos diminuirão e minimizar seus impactos, isto não sabemos (RIDENOUR, 2002).

O que se sabe é por que começaram e em qual momento de nossa história iniciaram, já que se é protagonista deste processo que se denomina de crise ecológica (CARSON, 1969; VERNIER, 1994; CAPRA, 2006).

Há soluções para os principais problemas de nosso tempo, algumas delas até mesmo simples. Mas requerem uma mudança radical em nossas percepções, no nosso pensamento e nos nossos valores (CAPRA, 1996, p.23)

Segundo TANNER (1978, p.19), na busca de soluções para a sobrevivência do planeta, é preciso ter como objetivo, que a “humanidade seja capaz de se manter indefinidamente, num sistema de equilíbrio dinâmico com a Terra e seus recursos”.

Esta busca da humanidade para BOFF (1999), é de uma necessidade urgente de uma nova “ethos” (casa) humana, designando uma nova ética mundial e nas formas de relação interpessoal e intrapessoal com o meio ambiente, sendo o que chama de cuidar.

O que se opõe ao descuido e ao descaso é o cuidado. Cuidar é mais que um ato; é uma atitude. Portanto, abrange mais que um momento de atenção, de zelo e de desvelo. Representa uma atitude de ocupação, preocupação, de responsabilização e de envolvimento afetivo com o outro (BOFF,1999 , p. 33).

Segundo Capra (1996), para termos um novo paradigma de valores, é preciso mudar a forma de pensamento interativo, que alterará a nossa percepção do mundo, possibilitando uma reflexão profunda de nosso modelo de vida socioeconômico e tecnológico, para que permita que valores como conservação, cooperação, qualidade e parcerias sejam incorporadas verdadeiramente a nossa vida cotidiana.

Este processo de autopoiese que é a busca da satisfação do ser humano como entidade única, singular e social (MATURANA; VARELA, 1997), e ao mesmo tempo intimamente relacionada como parte interativa do meio ambiente, possibilitará uma cura planetária de todos os paradigmas socioambientais (BOFF, 1999).

A civilização humana determinará nova autopoiese sistêmica, na acepção de Niklas Luhmann e Ulrich Beck, que contemple a solução dos maiores problemas e contradições exibidas pelo atual arranjo de equilíbrio. Para sua própria sobrevivência, o “sistema” vai acabar impondo uma nova metamorfose efetiva.

Ocorre tentar sensibilizar a humanidade, para que um futuro próspero e sustentável venha a existir contemplação e sobrevivência.

O tempo não para, e o planeta continua a encontrar meios para superar as mudanças impostas a ele pela humanidade e, como a existência que possibilita a vida é cíclica, rítmica e sistêmica, nossa ótica para garantir um futuro para as próximas gerações, deve estar centradas em nós mesmos, conforme CÓRDULA (2011).

É preciso entender nossa conexão com o ambiente e com o todo. É necessário ter sensibilidade aos paradigmas socioambientais e mudar gradativamente toda a base evolutiva de nossa sociedade técnico-científica, repensando de uma forma sustentável e de ação efetiva, sem deixar que as próximas gerações herdem o que agora, precisa ser mudado.

BOFF, L. Saber Cuidar: Ética do humano – compaixão pela terra. 16ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 199 p., 1999.

CARSON, R. Primavera Silenciosa. 2ª ed. Tradução de Raul de Polillo. São Paulo: Melhoramentos, 304 p., 1969.

CAPRA, F. A Teia da Vida. Tradução de Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 255 p., 1996.

______. O Ponto de Mutação. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 445 p., 2006.

CÓRDULA, E. B. L. Ou um Novo Mundo?. In: GUERRA, R. A. T. Educação Ambiental: textos de apoio. João Pessoa, PB: Ed. Universitária da UFPB, p. 46-47, 1999.

______. Novos Rumos da ESA. Revista Eletrônica Educação Ambiental em Ação, n° 29, Ano VIII, Set./Nov. 2009. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=732&class=04. Acesso em: 24 set. 2009.

______. Meio Ambiente, Ser Humano e Aquecimento Global.       Revista Eletrônica Educação Ambiental em Ação, n° 34, Ano IX, 05 dez. 2010. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=922&class=02. Acesso em 05 dez. 2010b.

______. O Futuro da Humanidade. Jornal da Paraíba, Cidades, João Pessoa, PB, 26 jan. 2011, p. 05.

DIAS, G. F. Iniciação à Temática Ambiental. São Paulo: Gaia, 110 p., 2002.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 555 p., 2004.

LOVELOCK, J. A Vingança de Gaia. Tradução de Ivo Korytowski. Rio de Janeiro: Intrínseca, 159 p., 2006a.

LOVELOCK, J. Gaia: cura para um planeta doente. Tradução Aleph T. Eichemberg, Newton R. Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 192 p., 2006b.

MATURANA, H.; VARELA, F. De Máquinas e Seres Vivos: autopoiese – a organização do vivo. 3ª ed. Tradução de Juan Acuña Llorens. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 138p., 1997.

RIDENOUR, A. New Research Indicates the Earth May Be Cooling. National Policy Analises, 2002. Disponível em: http://www.nationalcenter.org/NPA388.html. Acesso em: 20 jan. 2011.

VERNIER, J. O Meio Ambiente. 2ª ed. Tradução de Maria Appenzeller. Campinas, SP: Papirus, 1994.

TANNER, R. T. Educação Ambiental. São Paulo: Summus e EDUSP, 1978.

CÓRDULA, Eduardo Beltrão de Lucena, A Natureza Sistêmica da Realidade: em busca de uma percepção sustentável para a humanidade, Revista de Educação Ambiental Número 36, Ano X. Junho-Agosto/2011. (http://revistaea.org/pf.php?idartigo=1049)

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

Nota da Redação: Leia, também, a parte anterior desta série de artigos:

1/3

2/3

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/08/2018

Natureza sistêmica da realidade e sustentabilidade, Parte 3/3 (Final), artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 30/08/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/08/30/natureza-sistemica-da-realidade-e-sustentabilidade-parte-33-final-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top