Natureza sistêmica da realidade e sustentabilidade, Parte 1/3, artigo de Roberto Naime

 

artigo

 

[EcoDebate] CÓRDULA (2011) assevera que o planeta passa por profundas mudanças em virtude das modificações impostas pelo modo de vida da humanidade, que vem causando sérios desequilíbrios ambientais e que afetam diretamente o ambiente e a sociedade.

Os estudos da natureza e da realidade vêm evoluindo ao longo dos séculos, e de visões fragmentadas de análise como a cartesiana, passando pela holonômica, ecológica, holística e culminando na sistêmica, onde o planeta passa a ser visto como um organismo em constante ritmicidade cíclica e com meios próprios de retorno da homeostase.

No núcleo destes eventos, que culminam em mudanças em todos os níveis no planeta, estão os seres humanos, que precisam estar sensibilizados para entender e assimilar nosso papel neste sistema para conseguirem continuar evoluindo e desenvolvendo a vida de forma sustentável e em equilíbrio com o meio ambiente.

O planeta é composto de partes que estão a todo o momento num ritmo de movimento contínuo, se relacionando.

A vida está conectada e interagindo tanto com o meio, como com os demais organismos a nossa volta.

Mesmo em um simples ato de caminhar contemplativo, existe a interação com esta sistêmica global, tendo contato visual com outras pessoas e pelas quais passamos, trocamos olhares, gestos, palavras e, mentalmente, articulamos suposições deste pré-contato (CAPRA, 2006).

Além disto, há uma constante integração com o ambiente. É uma teia interminável de interações bióticas e abióticas, que se repercutem localmente aos fenômenos descritos até um nível sistemático global, em uma teia ecológica que permite e sustenta a vida (CAPRA, 1996).

Para CAPRA (2006), tudo no planeta está interligado em uma projeção sistêmica de interdependência tão tênue, e ao mesmo tempo tão necessária, que permite o sustentáculo da vida.

Estes sistemas são rítmicos, pois possuem ciclos de funcionamento e ocorrências que permitem sua estabilidade e, mesmo que entrem em desequilíbrio, pois encontram de forma natural, meios para retorno da progressiva homeostase. A ritmicidade está presente em todos os seres vivos e no meio ambiente, sendo que “os modelos rítmicos são um fenômeno universal” (CAPRA, 2006, p.294).

Neste processo rítmico de mudança, flutuação e desenvolvimento do universo exterior e interior, permitem que percebamos “energias sutis” que descrevem a natureza holonômica da realidade, onde ocorre a existência do “todo na parte e da parte do todo” (CAPRA, 2006, p.297).

Para criar uma imagem desta concepção, se recorrem a modelos, semelhantes a fractais, onde de forma simplória traçamos círculos para designar a ritmicidade cíclica da vida e de suas interações do todo com suas partes e ao mesmo tempo a presença do todo em cada uma das partes (CAPRA, 2006, p.297).

CÓRDULA (2011) assinala que a este todo, se poderia designar a concepção totalitária e integrada do meio ambiente, que está presente em cada ecossistema, em cada bioma, em cada habitat, em cada organismo e em como se relacionam, estão interdependentes e interligados.

Este modelo permite um fluxo e uma flexibilidade maior de interação e mobilidade do todo e entre as partes, possibilitando, em um eventual desequilíbrio, uma forma do sistema holonômico, encontrar por si próprio, a homeostase.

O equilíbrio ocorre devido ao sistema ser aberto e em constante contato com o meio interno e externo (CAPRA, 2006; CAPRA, 1996).

Para MATURANA e VARELA (1997), a organização cíclica dos seres vivos é denominada de autopoiese, com vários níveis organizacionais e diferentes ordens hierárquicas.

A mesma autopoiese que significa novo arranjo de equilíbrio sistêmico que tanto se fala.

A fragmentação cartesiana não pode comprometer a compreensão do todo. A civilização humana vai acabar determinando nova autopoiese sistêmica, na acepção de Niklas Luhmann e Ulrich Beck, que contemple a solução dos maiores problemas e contradições exibidas pelo atual arranjo de equilíbrio. Para sua própria sobrevivência, o “sistema” vai acabar impondo uma nova metamorfose efetiva.

A ecologia trouxe ao longo do século XX contribuições fundamentais no entendimento da interligação entre os meios bióticos e abióticos, passando a uma forma linear de entendimento em cadeia, para um sistema ramificado em rede ou teia, mas ainda fechado, possibilitando o desenvolvimento e manutenção da vida (CAPRA, 1996).

A ênfase nas partes tem sido chamada de mecanicista, reducionista ou atomística; a ênfase no todo, de holística, organísmica ou ecológica. Na ciência do século XX, a perspectiva holística tornou-se conhecida como “sistêmica”, e a maneira de pensar que ela implica passou a ser conhecida como “pensamento sistêmico” (CAPRA, 1996, p. 33)

O holismo considerava o estudo de todas as partes do meio ambiente, porém, as interconexões ainda permaneciam camufladas (CAPRA, 1996). Com a evolução gradativa do pensamento filosófico, agregado a uma nova concepção da vida planetária, houve uma mudança na forma de observar e analisar os fenômenos naturais a partir das suas partes que era uma concepção cartesiana, linear e fragmentado para uma linha de pensamento do todo e de forma mais complexa (CAPRA, 1996; MATURANA e VARELA, 1997; LOVELOCK, 2006ª e CAPRA, 2006).

A concepção sistêmica engloba os pensamentos ecológicos, holonômicos e o holismo e a autopoiese, para o entendimento do funcionamento do sistema planetário, em como estamos influenciando e em como se pode ser afetado. E quais as causas ambientais que se repercutirão ao longo das décadas (CAPRA, 1996; MATURANA e VARELA, 1997; LOVELOCK, 2006ª e CAPRA, 2006).

Referência:

BOFF, L. Saber Cuidar: Ética do humano – compaixão pela terra. 16ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 199 p., 1999.

CARSON, R. Primavera Silenciosa. 2ª ed. Tradução de Raul de Polillo. São Paulo: Melhoramentos, 304 p., 1969.

CAPRA, F. A Teia da Vida. Tradução de Newton Roberval Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 255 p., 1996.
______. O Ponto de Mutação. Tradução Álvaro Cabral. São Paulo: Cultrix, 445 p., 2006.

CÓRDULA, E. B. L. Ou um Novo Mundo?. In: GUERRA, R. A. T. Educação Ambiental: textos de apoio. João Pessoa, PB: Ed. Universitária da UFPB, p. 46-47, 1999.

______. Novos Rumos da ESA. Revista Eletrônica Educação Ambiental em Ação, n° 29, Ano VIII, Set./Nov. 2009. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=732&class=04. Acesso em: 24 set. 2009.

______. Meio Ambiente, Ser Humano e Aquecimento Global.       Revista Eletrônica Educação Ambiental em Ação, n° 34, Ano IX, 05 dez. 2010. Disponível em: http://www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=922&class=02. Acesso em 05 dez. 2010b.

______. O Futuro da Humanidade. Jornal da Paraíba, Cidades, João Pessoa, PB, 26 jan. 2011, p. 05.

DIAS, G. F. Iniciação à Temática Ambiental. São Paulo: Gaia, 110 p., 2002.

DIAS, G. F. Educação Ambiental: princípios e práticas. São Paulo: Gaia, 555 p., 2004.

LOVELOCK, J. A Vingança de Gaia. Tradução de Ivo Korytowski. Rio de Janeiro: Intrínseca, 159 p., 2006a.

LOVELOCK, J. Gaia: cura para um planeta doente. Tradução Aleph T. Eichemberg, Newton R. Eichemberg. São Paulo: Cultrix, 192 p., 2006b.

MATURANA, H.; VARELA, F. De Máquinas e Seres Vivos: autopoiese – a organização do vivo. 3ª ed. Tradução de Juan Acuña Llorens. Porto Alegre, RS: Artes Médicas, 138p., 1997.

RIDENOUR, A. New Research Indicates the Earth May Be Cooling. National Policy Analises, 2002. Disponível em: http://www.nationalcenter.org/NPA388.html. Acesso em: 20 jan. 2011.

VERNIER, J. O Meio Ambiente. 2ª ed. Tradução de Maria Appenzeller. Campinas, SP: Papirus, 1994.

TANNER, R. T. Educação Ambiental. São Paulo: Summus e EDUSP, 1978.

CÓRDULA, Eduardo Beltrão de Lucena, A Natureza Sistêmica da Realidade: em busca de uma percepção sustentável para a humanidade, Revista de Educação Ambiental Número 36, Ano X. Junho-Agosto/2011. (http://revistaea.org/pf.php?idartigo=1049)

 

Dr. Roberto Naime, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em Geologia Ambiental. Integrante do corpo Docente do Mestrado e Doutorado em Qualidade Ambiental da Universidade Feevale.

Sugestão de leitura: Civilização Instantânea ou Felicidade Efervescente numa Gôndola ou na Tela de um Tablet [EBook Kindle], por Roberto Naime, na Amazon.

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/08/2018

Natureza sistêmica da realidade e sustentabilidade, Parte 1/3, artigo de Roberto Naime, in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 23/08/2018, https://www.ecodebate.com.br/2018/08/23/natureza-sistemica-da-realidade-e-sustentabilidade-parte-13-artigo-de-roberto-naime/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

2 comentários em “Natureza sistêmica da realidade e sustentabilidade, Parte 1/3, artigo de Roberto Naime

Comentários encerrados.

Top