Índice da edição nº 2.988, 2018 [de 30/05/2018]

    O fim fóssil do pacto político e econômico da Nova República, artigo de José Eustáquio Diniz Alves As boas coisas da paralisação dos caminhoneiros, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó) 'PL do Veneno': Projeto de Lei que altera lei dos agrotóxicos desconsidera impactos na saúde e meio ambiente Exploração de petróleo e gás na Foz do Amazonas: estudos ambientais apresentados são insuficientes, conclui Parecer Técnico do Ibama Cotas foram revolução silenciosa no Brasil e que

O fim fóssil do pacto político e econômico da Nova República, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“Todas as pessoas reconhecem o direito de revolução, isto é, o direito de recusar lealdade ao governo, e opor-lhe resistência, quando sua tirania ou sua ineficiência tornam-se insuportáveis” Henry Thoreau (Desobediência Civil, 1849)     [EcoDebate] A Nova República (1985-2018) morreu. Ou melhor, o pacto político e econômico da Nova República está em coma irreversível, quase sem atividade cerebral e só continua respirando graças aos aparelhos (políticos partidários e corporativistas) e à inércia da sociedade civil

As boas coisas da paralisação dos caminhoneiros, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

    A cidade está um silêncio. As ruas estão desertas, bicicleteiros e pedestres podem andar à vontade. O ar está limpo. Não há ruídos para perturbar nossos ouvidos Não há gás na cidade, muita gente cozinhando com churrasqueira, panela elétrica, fogão solar. Não há postos com gasolina e os carros estão nas garagens. Começa faltar de tudo nos mercados e supermercados, mas os hortigranjeiros que vem do interior estão passando em nossas portas, também galinha caipira, bode

‘PL do Veneno’: Projeto de Lei que altera lei dos agrotóxicos desconsidera impactos na saúde e meio ambiente

  Por Valéria Vasconcelos Padrão (Fiocruz Brasília) O Projeto de Lei 6299/2002, mais conhecido como “PL do Veneno”, que propõe flexibilizar o uso e registro dos agrotóxicos no país, desconsidera todo e qualquer impacto na saúde, no meio ambiente e na economia. A observação perpassou os depoimentos de todos os seis especialistas que participaram, na última quarta-feira (23/5), da Audiência Pública para debater os impactos dos agrotóxicos na cidade, promovida pela Comissão

Exploração de petróleo e gás na Foz do Amazonas: estudos ambientais apresentados são insuficientes, conclui Parecer Técnico do Ibama

    Ibama Parecer Técnico do Ibama (n° 72/2018-COEX/CGMAC/DILIC) concluiu que o Estudo Ambiental de Caráter Regional da Bacia da Foz do Amazonas, elaborado pelas empresas Total, BP e Queiroz Galvão, apresenta “lacunas e incongruências que inviabilizam a sua aprovação”. Segundo o documento, são necessárias informações e esclarecimentos dos empreendedores sobre os meios físico e biótico. Em outro Parecer Técnico, n° 73/2018-COEXP/CGMAC/DILIC, o corpo técnico do Instituto concluiu que pendências e incertezas identificadas no

Cotas foram revolução silenciosa no Brasil e que beneficiam toda a sociedade, afirma especialista

  ABr A chance de ter um diploma de graduação aumentou quase quatro vezes para a população negra nas últimas décadas no Brasil. Depois de mais de 15 anos desde as primeiras experiências de ações afirmativas no ensino superior, o percentual de pretos e pardos que concluíram a graduação cresceu de 2,2%, em 2000, para 9,3% em 2017. Apesar do crescimento, os negros ainda não alcançaram o índice de brancos diplomados. Entre a

Menos de 7% das terras reconhecidas como pertencentes a povos remanescentes de quilombos estão regularizadas no Brasil

  ABr Menos de 7% das terras reconhecidas como pertencentes a povos remanescentes de quilombos estão regularizadas no Brasil. Nos últimos 15 anos, 206 áreas quilombolas com cerca de 13 mil famílias foram tituladas pelo Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), órgão que executa a titulação das terras já identificadas e reconhecidas. Desde 1988, o Estado já reconheceu oficialmente cerca de 3,2 mil comunidades quilombolas. Quase 80% delas foi identificada a

SOB A PATA DO BOI: Documentário revela como opera a cadeia da pecuária na Amazônia

  Documentário revela como opera a cadeia da pecuária na Amazônia, principal vetor de desmatamento da maior floresta tropical do mundo Filme estreia em São Paulo 31/05, em Belém 04/06, no Rio de Janeiro 07/06 e estará disponível em plataformas digitais a partir do segundo semestre de 2018     A Amazônia tem hoje 85 milhões de cabeças de gado, três para cada habitante humano. Na década de 1970, o rebanho era um décimo desse

Top