Humanos e chimpanzés: uma relação desigual, especista e ecocida, artigo de José Eustáquio Diniz Alves

“ Um homem que ama os bosques, caminha por eles durante a metade de cada dia, arrisca-se a
ser visto como um vagabundo. Mas se dedica todo seu dia à especulação, destroçando
esses bosques e deixando a terra pelada antes que haja chegado sua hora,
é estimado como um cidadão industrioso e empreendedor”.
(Henry Thoreau, 200 anos de seu nascimento)

 

human population vs similar primates

 

[EcoDebate] Os seres humanos, os chimpanzés, os macacos, os micos e os lêmures possuem o mesmo ancestral comum. O Homo Sapiens tem 99% da genética dos chimpanzés. Portanto, não é incorreto dizer que “somos todos macacos”.

Para Jared Diamond (no livro O Terceiro Chimpanzé), somos primatas, ou seja, do grupo de mamíferos que inclui os macacos e os primatas antropoides: gibões, orangotangos, gorilas e chimpanzés. Somos mais similares a estes do que a aqueles, confinados aos Sudeste Asiático. Os gorilas e chimpanzés existentes e os fósseis humanos estão confinados à África. Os humanos diferem dos chimpanzés comuns e dos pigmeus em cerca de 1,6% do nosso DNA, portanto, compartilham 98,4%. Os gorilas diferem um pouco mais de nós, em cerca de 2,3%. Logo, devem ter divergido da nossa árvore genealógica antes de nos separarmos dos chimpanzés comuns e dos pigmeus.

Os nossos parentes mais próximos são os chimpanzés. A capacidade de falar, que os humanos têm, mas não os chimpanzés, certamente depende de diferenças nos genes que especificam a anatomia das cordas vocais e as conexões cerebrais. Entretanto, as diferenças comportamentais entre um humano e outro estão sujeitas a enormes influências ambientais, e o papel dos genes nestas diferenças individuais é muito controverso.

Porém, há uma diferença fundamental. Há 12 mil anos a população humana estava em torno de 5 milhões de indivíduos, enquanto os símios tinham uma população ligeiramente maior. Está relação permaneceu aproximadamente a mesma e a população humana só ultrapassou a população dos símios no início da Era Cristã. Nos séculos XIX e XX, a desigualdade se acentuou dramaticamente. A população humana passou de cerca de 1 bilhão de habitantes em 1800 para 6 bilhões em 2000 e deve atingir 8 bilhões até 2025. No mesmo período a população de chimpanzés e outros símios vem declinando continuamente.

 

 

Artigo de Javier Salas, no jornal El País (24/01/2017), mostra que, em meio século, 75% das espécies de macacos, micos e lêmures correm riscos de desaparecerem da face do Planeta: “60% dos primatas estão ameaçados de extinção. Dos gigantescos gorilas das montanhas, de 200 quilos, aos diminutos lêmures, do gênero Microcebus, de 30 gramas, os primatas estão a caminho de desaparecerem para sempre na natureza por culpa da pressão que os humanos exercem através da agricultura, caça, exploração madeireira, mineração”.

Não dá para ignorar o holocausto animal, em especial, dos chimpanzés, gorilas, macacos, micos e lêmures. Não dá para uma espécie ser feliz com base na infelicidade alheia e na destruição da família dos primatas. É absurdo pensar que uma sociedade que oprime animais e promove a 6ª extinção em massa será capaz de se tornar numa sociedade que não oprime pessoas e possa ficar livre da violência.

 

gorila capturado

 

Ou seja, a sociedade humana jamais será feliz enquanto o progresso civilizacional estiver provocando o colapso da biodiversidade e a infelicidade das comunidades de animais sencientes, inclusive dos novos parentes mais próximos.

 

José Eustáquio Diniz Alves, Colunista do Portal EcoDebate, é Doutor em demografia e professor titular do mestrado e doutorado em População, Território e Estatísticas Públicas da Escola Nacional de Ciências Estatísticas – ENCE/IBGE; Apresenta seus pontos de vista em caráter pessoal. E-mail: jed_alves@yahoo.com.br

 

in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 02/06/2017

"Humanos e chimpanzés: uma relação desigual, especista e ecocida, artigo de José Eustáquio Diniz Alves," in EcoDebate, ISSN 2446-9394, 2/06/2017, https://www.ecodebate.com.br/2017/06/02/humanos-e-chimpanzes-uma-relacao-desigual-especista-e-ecocida-artigo-de-jose-eustaquio-diniz-alves/.

 

[CC BY-NC-SA 3.0][ O conteúdo da EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, à EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate, ISSN 2446-9394,

Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta enviar um email para newsletter_ecodebate+subscribe@googlegroups.com . O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário da revista eletrônica EcoDebate

Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para newsletter_ecodebate+unsubscribe@googlegroups.com ou ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Top