Índice da edição nº 2.622, 2016 [04/10/2016]

    Ecologia Histórica, Parte 1/3, artigo de Roberto Naime A extinção massiva dos rios brasileiros, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó) A encruzilhada do lítio: a chave do futuro ou uma nova escravidão para a América do Sul? Potencial eólico em terra (onshore) do Brasil pode ser seis vezes maior do que o estimado BNDES prioriza apoio a projetos de energia solar e deixa de financiar térmicas a carvão e a óleo

Ecologia Histórica, Parte 1/3, artigo de Roberto Naime

    [EcoDebate] Ecologia Histórica é uma linha de pesquisa que foca na interação entre humanos e o meio ambiente em que eles vivem. Em vez de concentrar em um evento específico, a ecologia histórica visa estudar e compreender essa interação ao longo do espaço e tempo, a fim de obter uma compreensão completa de seus efeitos acumulativos. Através dessa interação, os seres humanos moldam o meio ambiente e contribuem continuamente para a

A extinção massiva dos rios brasileiros, artigo de Roberto Malvezzi (Gogó)

  - Lembrando o 4 de outubro, dia de São Francisco -     [EcoDebate] O fenômeno da Pororoca, mundialmente conhecido, já não existe mais. Você sabia disso? As águas do rio Araguari, no Amapá, já não têm forças para chegar à foz e sofrer a força reversa das águas, o que gerava as ondas. Construíram barragens em seu leito para gerar energia, que vem para o sul do país, além de pisotear suas

A encruzilhada do lítio: a chave do futuro ou uma nova escravidão para a América do Sul?

Tradução de Elissandro dos Santos Santana para Funverde do texto de Telma Luzzani, Voces del Mundo O mundo atravessa uma transição energética que está desencadeando uma nova disputa global. A matriz elétrica irá ganhando preeminência e, nesse plano, entre outros elementos, o lítio cobrará uma singular importância. 80% mais rentável e mais fácil de extrair estão no Chile, na Bolívia e na Argentina, um novo desafio que já inquieta a região. Bruno

Potencial eólico em terra (onshore) do Brasil pode ser seis vezes maior do que o estimado

    Por Noêmia Lopes, da Agência FAPESP   Uma revisão do potencial eólico onshore (“em terra”) do Brasil, realizada em resposta ao aumento da altura das torres de geração energética, aponta que o país pode ter uma capacidade seis vezes maior de produzir energia a partir dos ventos do que o estimado no último grande levantamento nacional, o Atlas do Potencial Eólico Brasileiro, lançado em 2001. A conclusão é de um estudo do subprojeto

BNDES prioriza apoio a projetos de energia solar e deixa de financiar térmicas a carvão e a óleo

    O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) decidiu ampliar o apoio a projetos de energia solar de até 70% para até 80% dos itens financiáveis em Taxa de Juros de Longo Prazo (TJLP), usada pela instituição em suas operações e atualmente em 7,5% ao ano. O banco também extinguiu o financiamento a usinas térmicas a carvão e a óleo. As novas condições de financiamento para o setor de energia

Acordo de Paris é insuficiente para frear o aquecimento global, diz o relatório ‘The Truth About Climate Change’

  Por Karina Toledo, da Agência FAPESP     Um grupo internacional de especialistas alerta que, caso não sejam adotadas medidas mais drásticas para reduzir a emissão de gases do efeito estufa do que as estabelecidas no âmbito do Acordo de Paris, o teto considerado seguro para o aquecimento global – de 2 ºC acima dos níveis pré-industriais até o final do século – pode ser alcançado já em 2050. A conclusão está no relatório

Confira cuidados básicos para evitar doenças nas creches

  Higienizar mãos, brinquedos e objetos pessoais das crianças é forma simples e eficaz de combater contaminações   Se há sintomas de doença, é recomendado que a criança não vá à creche, pois o contato físico aumenta a probabilidade de transmissão   A saúde das crianças nas creches é uma preocupação dos pais e professores. Por mais que seja praticamente impossível ficar 100% imune a bactérias e vírus, é importante evitar que as chances de

Coastal-dwelling marine wildlife are more vulnerable to harmful plastic pollution than previously expected

  function googleTranslateElementInit() { new google.translate.TranslateElement({pageLanguage: 'pt', includedLanguages: 'en,es,fr,pt', layout: google.translate.TranslateElement.InlineLayout.HORIZONTAL, autoDisplay: false, multilanguagePage: true, gaTrack: true, gaId: 'UA-10694569-1'}, 'google_translate_element'); }     Kerra Maddern, University of Exeter Coastal dwelling marine wildlife, including crabs, lobsters and shellfish, which play a crucial role in the food chain, are more vulnerable to harmful plastic pollution than previously expected, a new study has found. The research, conducted by world-leading experts from the University of Exeter and Plymouth Marine Laboratory,

Top