Governo japonês apresenta projeto para controlar vazamentos de água radioativa em Fukushima

 

usina nuclear de Fukushima
Fukushima: mês passado, mais de 300 toneladas de água altamente radioativa utilizada para resfriar reatores vazaram para o solo

 

O governo do Japão está para investir centenas de milhares de dólares para construir uma parede de terra congelada ao redor da usina nuclear de Fukushima com o objetivo de impedir vazamentos de água radioativa.

O porta-voz do governo, Yoshihide Suga, confirmou investimentos em torno de 47bn de ienes (o equivalente a R$ 1,1 bilhão).

Os vazamentos, que ainda continuam a acontecer em Fukushima, aumentaram recentemente, o que fez o governo avaliar sua participação no projeto de contenção.

“(O governo) sentiu que era essencial se envolver (no projeto de contenção) totalmente”, afirmou Suga.
Acidente

A usina de Fukushima foi danificada durante o terremoto – e consequente tsunami – que devastou aquela região do país em 2011.

O desastre paralisou o sistema de resfriamento dos reatores fazendo com que três deles derretessem.

Atualmente, o maior desafio da Companhia de Energia Elétrica de Tóquio (Tokyo Eletric Power Company – Tepco) é armazenar a grande quantidade de água utilizada para resfriar os reatores.

Depois do processo de resfriamento, a água fica contaminada com material radioativo e precisa ser guardada em grandes reservatórios.
Parede de terra congelada

De acordo com o plano do governo japonês, uma parede de terra congelada será criada ao redor dos reatores para fazer o resfriamento, utilizando dutos com substância resfriante. Este processo também visa a prevenir que água contendo material radioativo, que continuará a ser utilizada para resfriar dutos de combustível nuclear, entre em contato com o lençol freático.

Ainda de acordo com oficiais do governo, sistemas de tratamento de água também serão modernizados para evitar o aumento de água contaminada.

O dano causado à usina de Fukushima criou a necessidade de constante bombeamento de água para resfriar os reatores – um processo que gera um total extra de 400 toneladas de água contaminada por dia.

Atualmente, a água está sendo armazenada em tanques temporários que ficam na área da usina. No mês passado, Tepco confirmou que 300 toneladas de água altamente radioativa vazou de um dos tanques, o que foi considerado o maior acidente registrado no local depois do terremoto em 2011.

Imagens de satélite mostram como o número de tanques de armazenamento de água radioativa aumentou nos últimos dois anos.

Nos últimos meses, vazamentos de água de dutos e do prédio danificado que abriga um dos reatores também foram confirmados.
Intervenção do governo

Mês passado, a agência nuclear regulatória do Japão classificou a radioatividade emitida pela água dos vazamentos de Fukushima como sendo de nível três de uma progressão que vai até sete pontos na Escala Internacional de Eventos Nucleares e Radiológicos (International Nuclear and Radiological Event Scale – Ines).

O derretimento de três reatores, dois anos atrás, foi classificado como nível sete – o mais grave da escala Ines. Acidente com esse nível somente pode ser comparado ao ocorrido em 1986 na usina Chernobyl, na antiga União Soviética.

Sob pressão internacional

“O mundo está assistindo bem de perto se há a possibilidade de interromper (permanentemente) as atividades de Fukushima, resolvendo também a questão da água contaminada”, afirma o primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe.

“O governo está determinado a trabalhar duro para resolver a questão”, destaca Abe.

As medidas governamentais do Japão acontecem dias antes da decisão sobre se o país será ou não a sede dos Jogos Olímpicos (de verão) de 2020.

Enquanto isso, um dos dois reatores que continuam em operação no país foi desligado na terça-feira para inspeções obrigatórias de segurança.

O desligamento do reator número 3, da usina Kansai, na região centro-sul do Japão, deixará o reator de número 4 como o único abastecer a rede energética de todo o Japão.

No final do mês, o reator 4 também será desligado temporariamente para avaliação de rotina.

Religar os reatores de Fukushima continua sendo avaliada como uma ação controversa pela comunidade internacional, mas o governo japonês está atuando para fazer com que a usina volte a fornecer energia para o país.

Matéria da BBC Brasil, publicada pelo EcoDebate, 04/09/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao EcoDebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top