Tratado global sobre o mercúrio ainda exigirá décadas para que seja efetivo

 

A utilização de mercúrio para extrair artesanalmente o ouro coloca em riscos a saúde dos mineiros. Foto:IRIN/Kenneth Odiwuor
A utilização de mercúrio para extrair artesanalmente o ouro coloca em riscos a saúde dos mineiros. Foto:IRIN/Kenneth Odiwuor

 

Ativistas criticam brechas no novo tratado, assinado por 140 países, visando controlar a poluição de mercúrio. Uma das críticas destaca que a  Convenção de Minamata sobre Mercúrio  não cria metas que comprometam os países na redução de suas emissões de mercúrio.

A convenção, com o nome de uma cidade japonesa que sofreu grave poluição por mercúrio , visa controlar os níveis globais de mercúrio. Produtos como baterias e termômetros que contêm mercúrio serão eliminados até 2020, enquanto as principais fontes, como usinas termelétricas a carvão terão que obedecer a regras novas e mais rigorosas.

O mercúrio é uma neurotoxina potente, que se acumula como metilmercúrio no ambiente e nos corpos dos animais. Ela provoca retardo mental e deformidades físicas em seres humanos, sendo letal em casos agudos, e afeta a capacidade reprodutiva dos animais . 

A Organização Mundial de Saúde diz que não é possível estimar quantas pessoas morrem ou adoecem por mercúrio no mundo , principalmente porque não há dados suficientes sobre a exposição, mas os danos causados ​​às populações expostas são significativos.

De acordo com o Programa de Meio Ambiente das Nações Unidas no relatório Global Mercury Assessment 2013: Sources, emissions, releases, and environmental transport , cerca de 1.960 toneladas de mercúrio foram lançadas na atmosfera em 2010 e, pelo menos, outras 1.000 toneladas na água. As maiores fontes são a mineração artesanal de ouro em pequena escala , que libera 727 toneladas por ano, e a combustão do carvão, que emite 475 toneladas por ano.

Mas o tratado é fraco em ambos os pontos, diz Elena Lymberidi-Settimo do European Environmental Bureau, em Bruxelas, na Bélgica. Por exemplo, enquanto o tratado incentiva os países a elaborar planos de ação para reduzir o uso de mercúrio na mineração artesanal de ouro, ao mesmo tempo não define metas ou prazos.

Isso é porque a mineração artesanal de ouro é frequentemente ilegal e clandestina, portanto, difícil de controlar, então não há a definição de metas neste ponto, diz Tim Kasten , chefe da filial de produtos químicos da UNEP, em Genebra, Suíça.

Em vez disso, o tratado se concentra em fornecer informações e tecnologias para os mineiros , tanto para melhorar sua saúde e como para reduzir a quantidade de mercúrio que liberam. “Isso é o máximo que pode ser feito”, diz ele.

Mineiros usam o mercúrio para separar o ouro de seu minério para, em seguida, queimá-lo com uma tocha. Em vez disso, Kasten sugere que eles usem tecnologias que recuperam de 80% do mercúrio, que podem reutilizar mais tarde. O sistema limita a sua exposição e a quantidade que é liberada para o meio ambiente.

Lymberidi-Settimo também critica as regras do tratado sobre a queima do carvão, o segundo maior emissor de mercúrio. As novas centrais a carvão deve usar a melhor tecnologia disponível para reduzir as emissões mas, em relação às termelétricas em operação, os países podem optar por cortar as emissões no prazo e na quantidade que quiserem.

No entanto, Kasten diz que, enquanto as regras são mais flexíveis para instalações de carvão existentes, eles ainda têm de cortar as emissões.

Kasten diz que as emissões globais de mercúrio devem começar a cair na década de 2020 e, a partir daí, ainda levará algumas décadas para as taxas de exposição e contaminação serem efetivamente reduzidas ou eliminadas. “Isso ainda vai levar algum tempo”, diz ele. “Mas temos de começar agora.”

Documentos Relacionados (em inglês)

Global Mercury Assessment 2013 – http://www.unep.org/PDF/PressReleases/REPORT_Layout11.pdf 

Mercury: Time to Act – http://www.unep.org/PDF/PressReleases/Mercury_TimeToAct.pdf  

Da redação do EcoDebate, com informações de Michael Marshall, do New Scientist.

Nota: Em relação ao mercúrio e seus danos à saúde e ao meio ambiente sugerimos que leiam, também, as matérias abaixo:

PNUMA alerta para os riscos associados à exposição ao mercúrio nos países em desenvolvimento

Ribeirinhos no AM têm excesso de mercúrio

Governo do Amazonas vai anunciar medidas para controlar mercúrio nos garimpos de extração de ouro

Garimpos clandestinos levam devastação à Amazônia Legal

[Áudio] Governo do AM autoriza mercúrio em garimpos e gera polêmica

Voltando a Minamata, artigo de Roberto Naime

Amazonas: Liberação de uso do mercúrio na separação do ouro preocupa cientistas

Mercúrio: Cientistas recomendam uso da tecnologia mercury-free no Amazonas

Estabelecimentos de saúde no Brasil necessitam se livrar do mercúrio

Mercúrio, o grande vilão, artigo de Gabriel Tadeu Franqueira Junqueira

Mercúrio (Hg) – Assassino silencioso e implacável, artigo de Gabriel Tadeu Franqueira Junqueira

Lixo perigoso: Mercúrio de uma lâmpada fluorescente contamina 20 mil litros de água e se acumula no organismo humano

(Envenenamento por mercúrio) Mal de Minamata, artigo de Roberto Naime

Pesquisa identifica processo de contaminação de peixes oceânicos por mercúrio

Pesquisa revela que os peixes dos EUA estão contaminados com mercúrio

Pesquisadores alertam para aumento de mercúrio no oceano

Uso de mercúrio nos garimpos de ouro é uma ameaça tóxica em escala global

EUA: Relatório denuncia o aumento das emissões de mercúrio pelas usinas termelétricas a carvão

EcoDebate, 23/01/2013


[ O conteúdo do EcoDebate pode ser copiado, reproduzido e/ou distribuído, desde que seja dado crédito ao autor, ao Ecodebate e, se for o caso, à fonte primária da informação ]

Inclusão na lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Caso queira ser incluído(a) na lista de distribuição de nosso boletim diário, basta clicar no LINK e preencher o formulário de inscrição. O seu e-mail será incluído e você receberá uma mensagem solicitando que confirme a inscrição.

O EcoDebate não pratica SPAM e a exigência de confirmação do e-mail de origem visa evitar que seu e-mail seja incluído indevidamente por terceiros.

Remoção da lista de distribuição do Boletim Diário do Portal EcoDebate
Para cancelar a sua inscrição neste grupo, envie um e-mail para ecodebate@ecodebate.com.br. O seu e-mail será removido e você receberá uma mensagem confirmando a remoção. Observe que a remoção é automática mas não é instantânea.

Alexa

Top